CIA DE DANÇA ATELIÊ DO GESTO: UMA CONEXÃO RIO-GOIÁS-RIO

Sair do Rio de Janeiro para Goiânia e retornar com  dois espetáculos. Assim chega ao Mezanino do Sesc Copacabanada a companhia Ateliê do Gesto, dos coreógrafos e bailarinos João Paulo Gross e Daniel Calvet – cariocas que se conheceram por lá e criaram a cia de dança. As estreias acontecem a partir desta 5af, com Dança Boba, de 16 a 19/1. E Cru, de 23 a 26/1. Sempre às 20 horas. 
Com reconhecimento internacional, a cia Ateliê do Gesto foi criada há cinco anos por João Paulo e Daniel, artistas com carreiras consolidadas e passagens por importantes cias de dança no Brasil. Sediado em Goiânia, o grupo, de produção cênica, busca por novas percepções e diálogos com outras linguagens artísticas no corpo em movimento. Também buscam, através de identificações estéticas, pesquisar o corpo, tendo como ponto de partida o movimento e sua construção dramatúrgica na cena.
São apenas oito dias para conhecer e se encantar com a cia Ateliê do Gesto, com Dança Boba e Cru.
Foto do espetáculo Dança Boba de Lu Barcelos.
Clipping assessoria de imprensa: https://drive.google.com/open?id=1OSbeoFGvZdcpHe8Ibox5oV37I-WldI3C

DORA FREIND VIVE DILEMA DE JOVEM MÃE NA NOVELA DA GLOBO

No Brasil, novela é aprendizado e as tramas da atualidade buscam abordar importantes temas que possam ampliar o olhar da sociedade. E o tema da evasão escolar por jovens mães é retratado na novela da Globo, Amor de Mãe, através da personagem Loyane, interpretada pela talentosa atriz Dora Freind.
Enquanto todas as mães da novela fazem de tudo para provar seu amor aos filhos, a mãe de Loyane não quer ajudar a cuidar do bebê Deco para a jovem estudar. O conflito é real para muita adolescente que para de estudar para cuidar de seus bebês, por não ter com quem deixr a criança.
Dora defende sua Loyane com competência e vem ganhando destaque na trama.
Desejo que sua Loyane consiga não só estudar como ter uma carreira para se sustentar e partir em busca da sua independência com o seu filho.
Não posso deixar de dizer que a minha lindeza Dora Freind, hoje com 21 anos, foi premiada aos 16 anos como Melhor Atriz no 72o Festival de Veneza, por sua atuação no longa-metragem Mata-me por favor (2015), filme de Anita Rocha.
Vamos ficar de olho nesta jovem atriz!
Foto Brenda Hermeinia e Make Fernanda Carnevali
Clipping assessoria de imprensa: https://drive.google.com/open?id=1ff7y80KTax5o_zWs3V_4jZEs5G0WvLEI

20-20 TEM RESOLUÇÕES

Você faz resoluções de Ano Novo? Perguntei para uma amiga que deu de ombros e me senti assim meio boba com a listinha de promessas de fim de ano novo. Sabe aquela lista que você faz para a Black Friday? É algo bem parecido, mas precisa mais de você que do cartão de crédito. Então, cá estou para tentar defender a minha tese de que vale fazer resoluções.
Mas preciso confessar que há alguns anos não faço a listinha, mas em 2018 eu tinha uma resolução tão importante para executar que uma única foi suficiente. Isso também é importante, listar o quase impossível sabendo que todo ou quase todo o foco e energia e $$$ estarão em função de um único desejo.
Pensando nisso e nas resoluções, desejo que todos tenham suas listas possíveis e um grande desejo-sonho, aquele que pode gastar anos ou muita energia, mas que 85% dele só pode depender de você e de mais ninguém.
Para quem ainda não sabe, vou contar que um dia lá longe sonhei estar morando em um lugar mais tranquilo, onde eu pudesse viver e trabalhar entre o verde e os pássaros. Em 2017 a minha única resolução para 2018 foi me mudar para este lugar aprazível. Finalmente deu certo e cá estou em um distrito de Petrópolis, na minha Casa Passarim, dentro do sítio de amigos queridos que me acolheram na comunidade familiar.
Ontem, entre a ida do casal-amigo Alzer e Cintia e a chegada de amigo-irmão Marcos com o afilhado Luca, fui arrumar uma questão do carro e passei em frente a PUC de Petrópolis. Comentei com Alfredo sobre procurar um curso e ouvi que deveria gastar o tempo do curso escrevendo. Fiquei calada por um instante e falei que ele estava certo, que a amiga-vizinha Regina também aguardava um texto novo, que a prima Deise estava reclamando dos três meses de silêncio desde o último escrito publicado.
Enfim, passo por aqui para dizer que as vezes precisamos perceber que a resolução está nos buscando e vi que 20-20 deseja que eu me empenhe mais nas escritas – na busca das palavras que consolam, que ajudam a contar a minha aldeia enquanto tenho fé na vida, no país e no 20-20 repleto de boas resoluções. Vamos a isso?
Pedro do Rio, 3 de janeiro de 2020.
Foto Silvana Cardoso, arte Patricia Fernandes.

VALENTINA HERSZAGE É 'HEBE' NA SÉRIE DA GLOBOPLAY

Atriz de enorme talento, a jovem Valentina Herszage me chamou correndo para cuidar da sua comunicação por conta na estreia de ‘Hebe”, minisérie em dez capítulos da Globoplay e que teve exibição de dois episódios como “isca” na Tela Quente da Globo (dia 16/12/2019). Fiquei mesmo com vontade de quero mais e estamos trabalhando juntas até fevereiro e ela é tão boa atriz, gentil e sem frescuras. E trabalha a garota, viu? Na corrida, respondeu todas as entrevistas super rapidinho e estamos felizes com a repercussão da sua Hebe. Valentina representa Hebe Camargo dos 14 aos 24 anos, quando a apresentadora tinha cabelos pretos e grande semelhança com Valentina.
Vale conferir e ficar de olho nesta garota que ganhou prêmio de Melhor Atriz no 72o Festival de Veneza, aos 16 anos.
Foto divulgação Globoplay
Clipping assessoria de Imprensa: https://drive.google.com/open?id=1QwB058EafXpIoVI6EKaAP4v8U2BzDaO_

VILA ENCANTADA DE NATAL 2019

Penso que pode ser maravilhoso conseguir levar a Vila Encantada de Natal para outros estados além do Rio de Janeiro, já que estamos falando de um projeto gratuito, com inclusão social e muito amor envolvido por toda a equipe, num total de 200 pessoas.
Faço parte do projeto desde a sua primeira edição e no dia 11 de dezembro de 2019, chegou ao Rio de Janeiro a terceira edição da Vila Encantada de Natal http://www.vilaencantadadenatal.com.br, o evento itinerante de Natal mais amado do estado.
Apresentado pela Enel e pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa e Lei Estadual de Incentivo à Cultura, a Vila Encantada de Natal vem conquistando mais e mais pessoas de todas as idades. Este ano, o evento passou por dez municípios do estado com uma programação ainda maior, com oficinas de enfeites natalinos e brinquedos sustentáveis, oficinas de canto & coral, espetáculo teatral e cinema.
O evento produz muita magia para tocar os corações dos moradores dos dez municípios que receberão a Vila Encantada de Natal, que chega com uma programação que resgata da tradição natalina os valores humanos mais essenciais, como o amor, a fraternidade, a esperança. O projeto foi apresentado nas cidades de Campos de Goytacases (11/12), Macaé (12/12), Cabo Frio (13/12), Rio Bonito (14/12), Maricá (15/12), Silva Jardim (16/12), São Gonçalo (17/12), Petrópolis (18/12), Resende (20/12) e Duque de Caxias (21/12). A entrada é gratuita.
Programação por município
9h às 12h: *Oficina de Arte da Vila:
Sala 1 – Enfeites Natalinos e Brinquedos Sustentáveis; Sala 2 – Canto & Coral.
14h às 17h: *Oficina de Arte da Vila:
Sala 1 – Enfeites Natalinos e Brinquedos Sustentáveis; Sala 2 – Canto & Coral.
A partir das 17h: Atração: Globo de Neve Gigante
18h: **Cinema de Natal: Olaf em uma nova aventura congelante
19h:
Apresentação Canto Coral
20h: **Espetáculo teatral: Vila Encantada de Natal – A magia que ilumina
21h: Encerramento do Evento
Foto Juliana Chalita
Clipping Assessoria de imprensa: https://drive.google.com/open?id=1NwQMBr_9vomxjwQnaNiEXQ7nWZntXCPd

MARCELO CALDI E A ORQUESTRA SANFÔNICA DO RIO DE JANEIRO

Em quatro anos de existência, a Orquestra Sanfônica do Rio de Janeiro conquistou o coração dos cariocas, em dezenas de apresentações – em teatros e praças -, demonstrando o poder de encantamento das sanfonas e das tradições populares. Para comemorar, um álbum novo – homônico “Orquestra Sanfônica do Rio de Janeiro” -, shows e muito alto astral. Sob a regência do seu maestro e criador, o multi-instrumentista Marcelo Caldi. Muito orgulho da nossa “Sanfônica”.

Assessoria do lançamento para o lançamento do CD (e show no Rio de Janeiro) – com Ana Paula Romeiro.
Ouça o CD: https://tinyurl.com/v73canx
Clipping Assessoria de imprensa: https://drive.google.com/open?id=1tLynZ-hnhtnyNmqKHm5NOf5XX6YPw0en
Foto: Cyntia C Santos

CASA DE BARRO É DANÇA E RITUAL CÊNICO

Espetáculo de dança que busca a origem do corpo e do ser. Utiliza o plástico e o barro como matérias primas, para falar da metamorfose, da transformação das coisas, das pessoas. Um retorno às perguntas da humanidade, tendo em vista a origem do homem, o futuro e o sentido da existência.
“Casa de Barro” é dança, é ritual cênico, é a metamorfose do corpo, do casulo que se transforma em homem, origem das perguntas e do questionamento: De onde viemos? Para onde vamos? Quem somos?

LINK IMAGENS EM VÍDEO: https://youtu.be/fS1WmNKByFk
Foto Leonardo Miranda, manipulação de imagem Cacau Gondomar.
Assessria para a temporada de 7 a 24 de novembro de 2019.

Clipping assessoriad de imprensa: https://drive.google.com/open?id=1iWOf_MXPQ2FUdPk6dH2gw6Tr2DRwLzO-

RECONHECIMENTO AO DETONAUTAS ROQUE CLUBE

Há dois anos a Ana Paula Romeiro me convidou para fazermos juntas a assessoria do Detonautas Roque Clube. Começamos com o álbum de inéditas VI, CD que comemora os 20 anos da banda. De lá para cá, muito trabalho e com um passo após outro, sempre nos emocionamos por fazer parte dessa equipe, que incluo os músicos, que muito trabalha e muito se dedica. E aí, as vitórias vão chegando para uma das bandas mais bacanas do pop rock do pais: o melhor show do segundo dia do RIR 2019 no ranking do portal G1. A palavra agora é reconhecimento. Parabéns, rapazes. 💙 trabalhar com vcs! Foto Fabiano Santos

COM CHEIRO DE CAFÉ

Quando a porta do quarto se abriu veio o cheiro do café fresco da cozinha. E tem sensação melhor ao acordar? Para mim, não. Melhor ainda é acordar com a mesa posta e ter à mão uma boa caneca de café que possa dissipar o cansaço da pneumonia, descoberta há dois dias.
Vovó dizia que um café quentinho cura tudo e na casa da minha infância sempre tinha café fresco em cima da mesa, com a toalha em meia lua para quem chegasse de repente. Mamãe tinha a cara de pau de estar com sono e dizer “vou passar um café para tirar esse peso da minha cabeça”. E Diego herdou de mim e das avós a mesma paixão e quando durmo no Rio, na sua casa, acordo com o cheiro do seu café. Saio do quarto, ele me entrega uma caneca cheia de café forte, como gostamos, e acho isso lindo. 
Hoje acordei melhor que ontem. A pneumonia parece que começa a ceder a medicação. Lá fora o alvoroço dos casais de maritacas, enquanto sabiás e cambaxirras duelam seus cantos. 
Comecei este texto no dia 9 de setembro, mas não consegui terminar. Talvez o volume do trabalho misturado aos cuidados com o corpo e a mente me tomaram de assalto o tempo de escrever. Quase vinte dias depois, o pulmão reclamão está quase bom.
Mas hoje, ao acordar, teve café cheiroso entrando pela porta do quarto e resolvi tentar retomar o escrito. E cá estou para contar que o cheiro do café sendo feito pela manhã tem para mim o acolhimento de estar em casa, de família, da minha avó e mãe, do Diego-amado.
Agora, o café que cura todos os males também é acolhimento para o amor que deixei entrar meio que de repente. E sem saber muito bem falar sobre estas emoções de estar à dois, de ter companhia para dividir e somar no dia-a-dia, cá estou deixando o cheiro do café falar mais alto e, junto com os pássaros que após um longo inverso chegam na primavera, cá estou a tagarelar pela manhã com alguém que tem me alegrado os dias, que enche de música a pequena casa que escolhi morar na serra e me conquista com seu amor e sensibilidade, que conversa com as plantas e ouve o silêncio, que com sua velocidade de Papa-Léguas encantou a tartaruga que vos fala.
Com gosto e cheiro de café gostoso, gratidão ao Allfredo por ter me descoberto e por estar me cuidando e me ensinando a amar outra vez. Por saber que tenho asas, mas que podemos olhar na mesma direção para voarmos juntos nesta madura etapa de nossas vidas.
Hoje amanheceu chovendo muito, após uma longa seca por aqui. Sabiás e cambaxirras cortavam o silencio ao amanhecer, em meio aquela mesma confusão das maritacas. Hoje o barulho da chuva me acordou com o cheiro do café, com aroma da casa que gosta de dar bom dia aos passarinhos.

Foto AlmeidaOGato e Dudu, Silvana Cardoso

EU, DIEGO E O ROCK IN RIO

Acompanhei animada a construção da Cidade do Rock, já que morava em Jacarepaguá. E eu ia! Mas o dia 11 de janeiro de 1985, primeiro dia do primeiro Rock In Rio, se tornaria mesmo inesquecível para mim, só que longe dali. Às 17h45 nascia, junto com festival, meu filho Diego Martins. Acordei na Maternidade e ouvi Fred Mercury cantando Love of my life na televisão e a música se transformou no tema da nossa história junto com o festival. Aos 20 anos, não atolei o pé na lama com meus amigos nem tomei porre dançando na chuva: amamentava e assistia, num misto de tristeza e alegria, o Rock in Rio pela TV. Trinta e quatro anos se passaram desde aquele dia e já não sou mais uma jovem mãe, Diego é um homem e o RIR se consolidou como este grande e respeitado festival com selo “é do Brasil”. Eu e Diego estivemos juntos em várias edicões do RIR mas, em 2017, eu estava trabalhando e ele foi com minha nora Carol para assistir. E quando nos deparamos com o letreiro não resistimos e fizemos a foto que acompanha este relato. Hoje esta imagem representa a nossa história de vida e amor com o Rock in Rio. E eu adoooro esta foto. E vocês? Foto da DonaNora Carol Garzon #RockInRio1985 #RockInRio2017 #Rock in Rio

BILHETINHO PARA SEU SILVIO – HOMENAGEM AOS 50 ANOS DE CINEMA DE SILVIO TENDLER

Da era Silvio Tendler 
Sabemos contar o tempo e até costumamos dizer que ele passa em disparada por nós. Passa para nós, não para Silvio Tendler que, curioso e atento, é desde sempre um grande contador de histórias. 
E sim, somos nós que devemos fazer a contabilidade dos cinquenta anos que Silvio nos oferece o seu olhar diante do nosso tempo, da nossa era, com a sua incansável vontade de retratar os fatos.  E se tem alguém que pode nos dar um olhar crítico diante dos fatos o nome desse alguém é Silvio-Professor-Tendler. 
E sim, somos nós também que vamos agradecer pelo mestre incansável, que um dia me disse: “sou professor antes de ser cineasta”. E o professor que nos deu grandes documentos como cineasta também nos ensina a dar importância para a vida, ao driblar e rir, de cara e de careta, dos dias mais doloridos da existência. 
Então o melhor mesmo é somar metros de rolos de filme, horas e mais horas de imagens no HD – entrevistas, conversas e olhares destes cinquenta anos desse Silvio que ainda trabalha incansavelmente. 
Daí, perceber que o melhor a fazer é assumir que o legado é imenso, mas que ainda precisamos do olhar atento desse que sabe, como ninguém, desbravar os fatos que estão aí.
SeuSilvio, cinquenta anos foi bom para nos deixar mais espertos e inteligentes, mas foi só o começo, já que não vamos deixar você parar jamais. 
Estar na sua era é um presente – para nós e para a história. Obrigada, meu querido. Amo-te. Um beijo, Sil

Hoje, 16 de setembro de 2019, na Cinemateca do MAM, às 20 horas, no RJ, tem evento em homenagem aos 50 Anos de Cinema do cineasta. Na ocasião, haverá sessão especial do longa-metragem inédito de Tendler ao amigo poeta, “Ferreira Gullar -Arqueologia do Poeta” (2019). Amigos como Wagner Tiso, Letícia Sabatella e Zelito Vianna prestarão homenagem.
Foto: Arquivo Caliban (www.caliban.com.br)

Bourbon Street Fest Niterói, Rio de Janeiro

Fazer o festival Bourbon em Paraty e ser a representando no Rio do Bourbon Street é sempre um presente, já que trabalho com música boa e pessoas queridas, como Edgar Radesca (que conheço desde 1996), dono da casa paulistana Bourbon Street Cube, que comemora 25 anos de resistência. Este ano, mesmo com o caos que vivemos para manter a nossa cultura viva, o festival em Paraty aconteceu. Mas como temos sempre a esperança de abrir novas oportunidades, lá vamos nós para a primeira edição do Bourbon Street Fest Niterói, que acontece neste fim de semana, nos dias 30 e 31/8 e 1/9, com palco montado na Praia de São Francisco. Shows nacionais e internacionais, com entrada franca, simultaneamente com a 16a edição do Fest São Paulo. Para mim, que estive próxima para a criação do Festival em Niterói e estou trabalhando pelo sucesso desta primeira edição junto à imprensa, uma alegria. Desejo vida longa ao nosso Bourbon Street Fest Niterói, que já na montagem nos emociona com este fundo de palco que mais parece um cartão postal, na foto do amigo e parceiro Elias Gass. Evoé!

Clipping Assessoria de imprensa: https://drive.google.com/open?id=1i_i704jLE3nPqWHd9d5JmlSqxmuXL89-Clipping:

A SERPENTE | LONGA-METRAGEM COM MATHEUS E LUCÉLIA

Olha, das coisas que amo do meu trabalho é poder estar junto aos criativos, é ver um projeto chegar ao seu público. E foi assim com o lançamento do filme A Serpente, de Jura Capela, protagonizado por Matheus Nachtergaele e Lucélia Santos: convidada por Matheus e Miriam Juvino para mais uma parceria, cuidar da comunciação do lancamento no RJ, SP e Recife do longa. Um projeto independente tratado como grande por todos nós, pela importância de Nelson Rodrigues na nossa vida, por ter Lucélia de volta ao cinema interpretando as duas personagens do texto do seu grande autor – ela era a preferida do dramaturgo -, por Matheus, esse bicho de teatro de cinema da nossa cultura.
Hoje, 15/8, tem SP, no CineSescSP e, dia 22/8, o filme chaga ao Cinema São Luiz, no Recife. Estreamos no Rio no dia 25 de julho.
Uma honra e uma alegria trabalhar com artistas tão competentes e talentosos como profissionais, corretos com o dia a dia do meu trabalho. Matheus é muito tudo isso.

Clipping matérias publicadas: https://drive.google.com/open?id=1RoQf83ne51gP38zVoAwhgSnLwRYf9VXY
Foto: Jura Filmes

O PRÍNCIPE POEIRA E A FLOR DA COR DO CORAÇão

Hoje foi a última sessão do espetáculo O Príncipe Poeira e a flor da cor do coração, que fiz a divulgação durante a temporada no Oi Futuro, no Rio de Janeiro. Espetáculo infantojuvenil que aborda temas delicados, como a diversidade, a morte, o amor, a intolerância. Texto e direção de Saulo Sisnando, que conseguiu tocar as pessoas com sua delecadeza na fala, na cena, no tempo de cada situação explorada pelo competente elenco formado por Amanda Melo, Daniel Dias da Silva, Fabrício Polido e Nedira Campos. Idealizado pelo ator e cantor Marcelo Nogueira, a montagem contou com a produção da querida Cacau Gondomar. Um lindo e comovente espetáculo que pode ajudar o mundo a entender que podemos ser diferentes e, ainda assim, sermos gentis uns com os outros.
Foto de cena: Luciana Mesquita

Clipping matérias publicadas: https://drive.google.com/open?id=1JLhL_7wVJM2jVLkUtuKeZTI7MiRW2gKf


Robert Cray é PREMIADO homem show

Quando trabalho com artistas que admiro o prazer de sentar e assistir ao show é imenso. Foi assim com a apresentação do guitarrista americano Robert Cray, que no dia 2 de agosto subiu ao palco do Vivo Rio com o seu quarteto para única apresentação. Um showzaço, bradavam os seus fãs após um pouco mais de uma hora e quarenta minutos de show, incluindo o bis. Aos 66 anos, comemorados no Brasil, ele não pensa em parar de tocar tão cedo e nós agradecemos. O trabalho teve ótimo retorno de mídia e tivemos um Vivo Rio lotado. Foi um show memorável. Dos bastidores, saber que comemoramos aniversário no mesmo dia, 1 de agosto, foi também um bom presente para mim. Parabéns, Mr. Cray.

Foto de parte da página do Segundo Carderno, do O Globo, com enytrevista concedida ao Sergio Luz e artigo escrito por Silvio Essinger.
Segue link: https://oglobo.globo.com/cultura/musica/nao-me-vejo-como-os-herois-da-guitarra-de-antigamente-diz-robert-cray-23833161

ESPELHO, ESPELHO MEU

Com quantos anos acordei hoje? Será que vinte cinco, cinquenta e quatro ou setenta e cinco? Pois é, para quem sempre acha que pode fazer tudo o tempo todo, nem sempre é fácil perceber que um dia você pode nadar os cem metros rasos e, no outro, o melhor mesmo é voar baixo, sem gastar muita energia. Neste dia, melhor perceber que acordou vinte anos mais velho, com setenta e cinco.
Nestes dias de cansaço e noites mal dormidas, sensação de olheiras no pé, dor nas costas, melhor mesmo é agradecer ao mosquito que pousou no espelhinho do banheiro. E, por conta disso, passei um fim de semana respondendo aos amigos o que havia acontecido com o espelho, o que respondia: “para matar um mosquito matei o espelho sem querer, e coitados, morreram os dois. Vou colocar uma foto do Dalai Lama, que vai ser mais útil ao escovar os dentes.” O que a amiga Miriam retrucou: “quanto desprendimento”.
Ontem pela manhã olhei para o buraco vazio na moldura e, após uma noite mal dormida, agradeci por não me ver com os setenta e cinco anos que acordei.  Mas o dia passou e consegui entender minhas limitações após um pouco mais de quatro horas dormidas, descobri como dar um pouco de liberdade para Dudu, o motivo da noite de vigília, após a cirurgia de castração do pequeno cão.
Mas voltando aquele fim de semana com os amigos, percebo que aquele pequeno grupo tinha algo em comum: coragem para mudanças e “tentativa” de consciência das limitações que a vida e o tempo nos impõe. E estar entre amigos é também fazer um tipo de terapia de grupo, quando observar, ouvir e, por vezes, ficar em silêncio, fazem parte do exercício.
Talvez, por isso, levaram na brincadeira a ausência do espelho no banheiro, por isso também acharam graça ao imaginar escovar os dentes olhando para o Dalai Lama. E, por isso, percebo que melhor que ter a imagem do sábio é ter na memória a imagem daqueles que seguram a sua mão e sabem se divertir com os meus devaneios. E para “compartir” o sentimento, a  super Pat fez a montagem na moldura do espelho do banheiro.
E percebo também que muito importa percebermos com quantos anos vamos acordar. Hoje o meu desafio maior é conseguir identificar o que cada etapa da vida tenta me mostrar, com a ajuda das pequenas sutilezas (do meu corpo) de cada dia.
E como sou uma otimista incurável, quem sabe passo o domingo com a sensação dos dezoito anos, ao sol, com a canga esticada na grama. E enquanto abro portas e janelas na @casa_passarim, deixo vocês com a nossa Elis Regina, com os versos de Zé Rodrix, a melhor tradução dos meus sonhos. Namastê.

Casa no campo: https://www.youtube.com/watch?v=1edqNf1AYBE

Quero, Quero é grito de Tunico da Vila

Tunico da Vila chegou meio que de repente e nada de mansinho ou devagarinho como o pai. E como já chega chegando, lança pela Sony Music o single e o clipe de Quero, Quero, releitura para o samba de autoria de Martinho da Vila, gravada originalmente no LP Presente, em 1977. Single e clipe chegam às plataformas digitais com a mistura do rap, com mensagens sobre liberdade e os direitos soberanos dos seres humanos.
A releitura do cantor e compositor conta com as participações mais que especiais do pai de Tunico, Martinho da Vila, e dos rappers BK, Dexter, Rappin Hood, Kamau, Rashid, e do coletivo Melanina Mc´s, que fizeram inclusões originais na canção (conforme letra completa da música e inclusões, em anexo).
Evoé Tunico, o seu grito nos representa.
Assista ao clipe de “Quero, Quero”: https://youtu.be/4ARO2ZHzqPA
Ouça a música “Quero, Quero”: https://SMB.lnk.to/QueroQuero
Clipping assessoria de imprensa: https://drive.google.com/open?id=1POPSMuuDPH-em-GlkQ9rG-T5DWvnchjz

Faz de conta

Faz de conta que é domingo, que hoje é um domingo como qualquer outro. Estica uma canga, deite na grama despretensiosamente e coloque sua barriga ao sol. Observe que as vezes vele descobrir o melhor sorriso para a foto ficar feliz, perceba o cheiro do café. Seja curioso.
Vai lá e não exija muito de você porque às vezes o melhor a fazer é o que dá para fazer, e observe que até aqui deu certo. Perceba que o sorriso ficou mais fácil na era digital.
As vezes pode até estar tudo fora da ordem nacional, mas sorrir na foto, observar uma parede de tijolinho e parar a caminhada para fotografar é um momento feliz, com os amigos do trabalho, com o namorado, com os filhos, num domingo, ainda pode ser a melhor forma de dar conta e até acho que estamos sorrindo mais por conta desta forma nova de olhar através da tela do celular.
Então, faz de conta que é domingo, Dia das Mães, mas que é um domingo como pode ser qualquer outro, de amor divino, de mãe, incondicional e verdadeiramente afetuoso. De abraço, aquele acolhedor, naquele que você embalou, na mãe que você também embalou e olhe pro céu, agradeça apenas.
E hoje, trabalhando aqui em Paraty, agradeço ao Diego por me deixar ser sua mãe. Ao Dudu, meu jovem e pequeno filho cão que sabe como ninguém sorrir para a foto e colocar a barriga ao sol. E, simples assim, desejo um feliz Dia das Mães para todos nós – trabalhando ou não. beijo, Tia.
#bourbonfedtivalparaty
Paraty, RJ, 12 de maio de 2019.

Conexão Páscoa

Precisei arrumar a mala, fazer caber doces e cachaças. Mudas de plantas. Pensei que não daria conta de arrumar lugar para tudo, mas como não caberia tanto amor, misturado às minhas lembranças naquela bagagem de Páscoa.
Percebi ali, sentada no chão do quarto da prima Maria, que a conexão estava lá, que não havia se perdido – entre a nossa última Semana Santa na roça, no Sitio em Ponte do Balanço, em Santa Leopoldina, em 1978 e os nossos almoços e jantares desta Páscoa, em 2019.
Papai costumava visitar a única irmã que permaneceu no Espírito Santo. Tia Nair, o marido, Tio Orlando e os primos nos esperavam todos os anos  para comer a torta capixaba, tradição nas refeições de sexta, sábado, domingo, e enquanto durarem os estoques da iguaria. Mas papai nos deixou seis meses após aquela Páscoa de 1978 e nunca mais consegui retornar. Garota que precisou dar conta das ausências e talvez por honrar o luto da minha mãe, que jamais se recuperou daquele amor perdido num enfarto, quando ele tinha quarenta e seis e ela trinta e seis anos. 
Mas o tempo que passa é o tempo que cura, que dá a oportunidade de reconectar com o que temos de mais precioso: memória afetiva de boas lembranças – pessoas, lugares e comida. E enquanto as malas giravam na esteira do meu desembarque no Rio de Janeiro, pensei nesta connexio, palavra antiguinha que vem do latim, que ganhou novo significado na era digital.
Conexão: substantivo feminino, ligação, coesão, relação, ajuda. Palavra que representa ligação com a minha memória afetiva com eles, e com meu pai. Quando, com a ajuda deles, através deles, recupero as nossas memórias que constroem e resgatam a nossa relação: com Valter conversa, acolhimento, paizão de todos e o tipo físico; a molecagem e a lembrança do Wolgo (para mim o menino-Wolgo da minha lembrança), quando me mostrou o último presente do Tio, um caminhão de madeira que ganhou naquela Páscoa distante; Maria e sua generosidade em me cuidar, abraços de barriga, minha jardineira preferida. A nova, proveitosa e divertida conexão com os filhos dos primos, com Cinha, mulher do Wolgo e com Maria, mulher do Valter e, Zé Luiz, marido de Ana.
Com Ana, prima companheira daqueles feriados quando juntas, com os meninos Wolgo e Mazinho, íamos pular no riacho e debulhar milho para as galinhas.
Nesta Páscoa não faltou torta capixaba, piada, o humor, que marcam a nossa essência. Mas Ana, cozinheira de mão cheia, colocou à minha frente uma caixa com o doce que vovó fazia para levarmos. Paralisei. “Esperávamos ansiosos o Tio com as caixas de camisa com os doces da Dona Maria. Era o melhor da Páscoa”, me disse Ana. Lhe apertei nos braços e chorei. E eles eram o melhor da minha Páscoa.
Desembarquei com a saudade breve dos daqui, do Rio de Janeiro, do sítio em Pedro do Rio, precisava abraçá-los. Peguei minha mala cor de abóbora com o coração aquecido de amor e cuidados, com o desejo de manter a connexio com os que amo, sempre

Na foto, o CW morse telégrafo do meu pai, um homem da terra que me ensinou a manter a conexão. 

#passarimcomunicacao#pedrodorio#riodejaneiro#casapassarim#amigos#gratidao#somostodosleitores#ler#leitura#leitores#livroseleitura#livrododia#boaleitura#readers#reading#readersofinstagram#toread#livros#amolivros#instalivros#livrosemaislivros#redacao#trechosdelivros#booklover#compartilharamor#silvanaespiritosanto#writer#homeoffice#escrever

Release Trilha DO FILME Minha Fama de Mau

Foi uma honra ser convidada pela equipe de imprensa da Universal Music para escrever o release da Trilha Sonora do longa-metragem Minha Fama de Mau, lançada pela gravadora que um dia fiz parte da equipe de gerentes, onde atuei no marketing e na produção dos DVDs da cia.
E com vocês o meu release da trilha do longa-metragem sobre o nosso tremendão Erasmo Carlos. A-do-r-e-i!

Universal Music Brasil orgulhosamente apresenta a trilha sonora do filme “Minha Fama de Mau”
Mergulho emocionante na música de Erasmo Carlos chega às plataformas digitais no dia 11 de fevereiro de 2019

Eu digo não, digo não,
Digo não, não, não …
Perder uma namorada é uma coisa normal,
Mas é que eu tenho que manter a minha fama de mau!
Tenho que manter a minha fama de mau!
Tenho que manter a minha fama de mau!

Erasmo Esteves conquistou sucesso e ganhou o mundo com os versos da canção que embalou gerações. A música “Minha Fama de Mau”, da dupla Roberto & Erasmo, é de 1964, quando o cantor tinha em Elvis Presley seu maior ídolo. Influenciados pela nova música americana, Erasmo e seus amigos criaram uma sonoridade original para um novo movimento musical, que passou a ser reconhecido pelo nome de Jovem Guarda.
A trilha sonora “Minha Fama de Mau” é um mergulho emocionante na música do “Tremendão” Erasmo Carlos, que a Universal Music tem a honra de lançar, no dia 11 de fevereiro (de 2019), quando chega às plataformas digitais o álbum da trilha sonora do filme de Lui Farias. O longa-metragem “Minha Fama de Mau”, a cinebiografia sobre o cantor e compositor Erasmo Carlos, chega aos cinemas de todo o país no dia 14 de fevereiro de 2019.

 “Queria que as pessoas que assistirem ao filme sentissem a pressão sonora para complementar as alegrias e aventuras que estão rolando na tela. A Jovem Guarda é foda!”, declara Erasmo Carlos

Sob a direção artística do aclamado Max Pierre, a trilha sonora original conta com 17 faixas, sendo nove canções na voz do ator e cantor Chay Suede, que interpreta Erasmo Carlos no longa-metragem, seis músicas interpretadas pelo ator Gabriel Leone (Roberto Carlos) e três canções por Malu Rodrigues (Wanderléa). No filme, os atores são acompanhados pela atual banda de Erasmo Carlos, formada pelo maestro José Lourenço (arranjos, órgão Hammond, pianos, harmônica e flauta), Rike Frainer (bateria), Billy Brandão (guitarras, violão e cítara), Pedro Dias (baixo e vocais), Luiz Lopez (violão, voz guia e vocais) e Dirceu Leite (saxes e flautas).

Uma honra produzir a trilha musical do filme sobre a Jovem Guarda e a vida de Erasmo Carlos, um dos compositores mais importantes da música popular brasileira”, disse o produtor Max Pierre.

Interpretada por Chay Suede, a música de trabalho “Minha Fama de Mau” (Roberto Carlos/Erasmo Carlos) abre a trilha sonora do filme. A versão original foi lançada por Erasmo em 1964, em compacto simples. Na sequência, Chay interpreta o hit “Festa de Arromba” (Roberto Carlos/Erasmo Carlos), outro sucesso na voz de Erasmo, lançado em compacto simples no ano seguinte. Gabriel Leone empresta a sua voz para uma das emblemáticas canções da dupla, “Parei na Contra Mão”, música que inaugura a parceria Erasmo & Roberto e foi lançada originalmente por Roberto Carlos em 1963, no 78 rotações “Splish Splash/Parei na Contramão”.
Chay Suede volta na faixa 4, “Eu Sou Terrível” (Roberto Carlos/Erasmo Carlos), tema do clássico musical “Roberto Carlos em Ritmo de Aventura”, filme de Roberto Farias, lançado em 1967 – a trilha sonora do longa-metragem foi lançada na mesma época, com o mesmo sucesso do filme. Chay segue emprestando sua voz para “Lobo Mau” (The Wanderer), canção de Ernest Marasco em versão de Hamilton di Giorgio.

“A gente não tinha tanto material da época, muita coisa foi perdida ao longo do tempo. E isso acabou nos dando muita liberdade para retratar o universo daquela época e ir atrás das referências deles, o surgimento do rock no Brasil. O fato de a gente cantar foi abrindo certas portinhas para encontrarmos os personagens.”, afirma Chay Suede

Outro grande clássico da dupla Roberto & Erasmo é revisitado por Gabriel Leone. O rockabilly  “É Proibido Fumar”, originalmente lançado em compacto em agosto de 1964, é considerada uma das canções mais representativas do período. Posteriormente, a faixa foi regravada por diversos artistas, como Raul Seixas, A Bolha, Rita Lee, O Terço, Skank e o próprio Erasmo Carlos, coautor da letra. A música ainda ganhou uma versão em língua espanhola, “Es Prohibido Fumar”, que foi lançada no álbum “Canta A La Juventud”, de 1965. Em 2001, Roberto Carlos também fez uma nova versão da canção para o seu álbum “Acústico”.
A bela e talentosa atriz Malu Rodrigues também apresenta a sua voz em “Prova de Fogo”, clássico de Erasmo Carlos eternizado na voz da “Ternurinha” Wanderléa. Ocupando a oitava faixa, Chay Suede interpreta a balada “Sentado à Beira do Caminho”, também fruto da parceria com Roberto Carlos, gravada originalmente no álbum “Erasmo Carlos e os Tremendões”, de 1970. Chay segue em ritmo de brasa com “Vem Quente Que Estou Fervendo” (Carlos Imperial/Eduardo Araújo), registrada originalmente por Erasmo no compacto simples de 1967. De uma safra menos conhecida, Gabriel Leone agora apresenta “Susie”, um rockabilly de Roberto Carlos, gravada em LP de 1962. Na letra, o Rei revela as aventuras que fez para tentar conquistar um “broto”.
Malu Rodrigues interpreta ainda “Meu Anjo da Guarda” (Rossini Pinto/Fernando Costa), canção gravada originalmente no disco de 78 rotações que marcou a estreia de Wanderléa, lançado em 1962. A balada “Gatinha Manhosa”, outro clássico da dupla Roberto & Erasmo, também não ficou de fora, e agora ganha a interpretação de Chay Suede. Uma curiosidade: a faixa foi gravada primeiramente no álbum do Renato e Seus Blue Caps (Viva A Juventude, de 1965).
Gabriel Leone encarou o desafio de interpretar “O Calhambeque” (Road Hog), versão de Erasmo Carlos para a música de Gwen Loudermilk & John Loudermilk. Malu e Chay ainda fazem um emocionante dueto na canção “Devolva-me” (Renato Barros / Lilian Knapp), balada que na década de 60 ganhou interpretação de Erasmo e Wanderléa, da dupla Leno e Lilian (em 1962) e hit na voz de Adriana Calcanhoto, que a reapresentou para a geração dos anos 2000.
Também de outra lavra, “P’rá Sempre (Forever)”, canção de De Angelis & Marcucci, em versão de Paulo Murillo, que foi originalmente registrada por Erasmo em 1960, ao lado do grupo “The Snakes”, agora ganha os timbres de Chay Suede.
Fechando oficialmente o álbum, o hit “Amigo”, de Roberto Carlos e Erasmo Carlos, interpretado por Gabriel Leone. A canção representa para os milhões de fãs da dupla de compositores a força da amizade entre eles.
Gabriel Leone também interpreta a faixa-bônus “João e Maria”, um dos primeiros registros de Roberto Carlos (música em parceria com Carlos Imperial), lançado primeiramente em 1959, em formato de compacto simples, e depois integrou o repertório do primeiro álbum do Rei, “Louco Por Você”, lançado em 1961.
Minha Fama de Mau” é trilha que busca um recorte da juventude daquele rapaz que queria ser como Elvis Presley, que usava jaqueta de couro, colares e tinha muita atitude. Hoje, cinco décadas depois, ele é o compositor de mais de 650 canções e tem o amor como sua maior expressão. Da fama de mau dos versos da sua música ficou o sucesso, o reconhecimento e um apelido carinhoso daqueles que cercam Erasmo Carlos: Gigante Gentil.

Tracklist “Minha Fama de Mau”:
Músicas, cantores, autores e editores
Minha Fama de Mau com CHAY SUEDE
(Roberto Carlos & Erasmo Carlos – ed. Irmãos Vitale)
Festa de Arromba com CHAY SUEDE
(Roberto Carlos & Erasmo Carlos – ed. EMI)
Parei na Contra Mão com GABRIEL LEONE
(Roberto Carlos & Erasmo Carlos – ed. Irmãos Vitale)
Eu Sou Terrível com CHAY SUEDE
(Roberto Carlos & Erasmo Carlos – ed. Cap Music)
Lobo Mau (The Wanderer) com CHAY SUEDE
(Ernest Marasco – Versão Hamilton di Giorgio – ed. Warner Chappell
É Proibido Fumar com GABRIEL LEONE
(Roberto Carlos & Erasmo Carlo – ed. EMI)
Prova de Fogo com MALU RODRIGUES
(Erasmo Carlos – ed. Fermata)
Sentado à Beira do Caminho com CHAY SUEDE
(Roberto Carlos & Erasmo Carlos – ed. Fermata)
Vem Quente Que Estou Fervendo com CHAY SUEDE
(Carlos Imperial & Eduardo Araújo – ed. Fermata)
Susie com GABRIEL LEONE
(Roberto Carlos – ed. Amigos / Sony Music)
Meu Anjo da Guarda com MALU RODRIGUES
(Rossini Pinto & Fernando Costa – EMI Publishing)
Gatinha Manhosa com CHAY SUEDE
(Roberto Carlos & Erasmo Carlos – ed. EMI)
O Calhambeque (Road Hog) com GABRIEL LEONE
(Gwen Loudermilk & John Loudermilk – Versão Erasmo Carlos – ed. Sony Music)
Devolva-me com MALU RODRIGUES & CHAY SUEDE
(Renato Barros & Lilian Knapp – EMI Publishing)
P’rá Sempre (Forever) com CHAY SUEDE
(De Angelis & Marcucci – Versão Paulo Murillo – ed. Universal Publishing)
Amigo com GABRIEL LEONE
(Roberto Carlos & Erasmo Carlos – Ed. Amigos Sony ATV e ECRA Sony ATV)
Faixa-bônus:
João e Maria
com GABRIEL LEONE
(Roberto Carlos & Carlos Imperial – ed. Amigos /Sony Music e Templo / EMI Publishing)
Ficha Técnica – Trilha Sonora:
Trilha musical MINHA FAMA DE MAU
“Um filme de Lui Farias”
Uma produção
Universal Music, Indiana Produções Cinematográficas e Coqueiro Verde Records
Dirigida por Max Pierre
Seleção de Repertório: Lui Farias
Cantores atores
Chay Suede (Erasmo Carlos)
Gabriel Leone (Roberto Carlos)
Malu Rodrigues (Wanderléa)
Arranjos, órgão Hammond, pianos, harmônica e flauta: José Lourenço
Bateria: Rike Frainer
Guitarras, violão e cítara: Billy Brandão
Baixo e vocais: Pedro Dias
Violão, voz guia e vocais: Luiz Lopez
Saxes e flautas: Dirceu Leite
Gravação, edição digital e mixagem: Marcelo Saboia
Assistente executiva: Eva Straus
Arregimentador: Genilson Barbosa
Gravado no Cia. dos Técnicos em outubro/novembro 2015
Mixado no Escritório do Saboia
Masterizado na Visom Digital por Ricardo Dias

Sobre a Universal Music:
A Universal Music Group é a empresa líder mundial no mercado de música, com forte posicionamento nos negócios de gravação, edição musical e merchandising, com selos próprios ou licenciados em 60 territórios. O Grupo Universal Music (UMG) possui o mais extenso catálogo da indústria fonográfica, incluindo os mais populares artistas e suas gravações realizadas nos últimos 100 anos. Fazem parte da Universal Music Group a Universal Music Publishing, líder em edição musical, a Bravado, empresa de merchandising de produtos originais dos artistas, e a GTS, divisão global de agenciamento artístico e produção de eventos. A Universal Music Group é uma unidade da Vivendi, companhia mundial de mídia e comunicações.

http://www.universalmusic.com.br
Universal Music Brasil :: Departamento de Imprensa e Comunicação / PR
Luciana Bastos: (21) 2108-7657 / 99802-6248 – luciana.bastos@umusic.com
Susana Ribeiro – (21) 2540-5865/ 99323-5893 – susana.ribeiro@ciranda.inf.br
Luana Ribeiro – (21) 99347-9096 – luana.ribeiro.universal@gmail.com

Dora Freind é garota do seu tempo!

Aos 16 anos ela ganhou o prêmio de Melhor Atriz no Festival de Cinema de Veneza. Aos 20 anos Dora Freind é destaque na TV (em Malhação Vidas Brasileiras) e me ensina autoestima. Eita garota porreta que me confiou a sua assessoria de imprensa. Vale conferir o trabalho e ler o artigo que a atriz fez para o site da jornalista Márcia Peltier, que pode ser encontrado no link (https://www.marciapeltier.com.br/meu-corpo-e-unico-e-e-meu-diz-a-atriz-dora-freind-de-malhacao-na-luta-contra-a-padronizacao-da-beleza-feminina/) ou no drive-clipping com as matérias publicadas sobre a atriz.

Foto Pedro Garrido.

Clipping: https://drive.google.com/open?id=18agMtb5opab03F5QXAaDRUumfak49UTI

Escritório da atriz: http://www.agentesefala.com.br

SUZY LOPES NO FESTIVAL DO RIO 2019

Atriz Suzy Lopes chegou correndo por aqui, por conta do Festival do Rio 2019, já que estaria no Rio de Janeiro para a Première Brasil de “Longa Ficção”, com algumas personagens na bagagem, como Alice, do longa-metragem Fim de Festa (Hilton Lacerda, Carnaval Filmes) e Rose, de A Febre (Maya Da-rin, Vitrine Filmes). Suzy também está nas salas de cinema com o premiado Bacurau (Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornellas). Recentemente fez parte do elenco do longa A Salamandra (Alex Carvalho, Vitrine Filmes), com as atrizes francesas Marina Fois e Anna Mouglalis, e o ator pernambucano Bruno Garcia.
Também podemos começar dizendo que Suzy Lopes formação em Teatro e Literatura pela Universidade Federal da Paraíba e é atriz com mais de uma dezena de prêmios – por seu trabalho no teatro e no cinema.
Mas também precisamos destacar que Suzy trabalha muito pelo cinema nacional, seja independente ou não, longa ou curta-metragem e, geralmente, soma quatro produções simultâneas em festivais, pelo Brasil e o mundo. Trabalha com alguns dos diretores mais respeitados do Brasil, como Hilton Lacerda, Lírio Ferreira, Marcelo Gomes e Kleber Mendonça Filho.
Foto Victor Jucá , imagem do premiado longa-metragem Bacurau.
Agenciamento: http://www.agentesefala.com.br
Clipping imprensa: https://drive.google.com/open?id=1_-Ohne_OgUkqZZ64RPMVc77uthTprrhv

ADRIANA QUADROS É LINDA BATISTA

Foram apenas duas apresentações no Teatro Prudential (RJ), nos dias 27/11 e 4/12 de 2019, mas Adriana Quadros brilhou como Linda Batista no espetáculo “Linda! – uma homenagem a Linda Batista”. Um sucesso para pensar em uma temporada mais longa neste 2020 que já está aí.

Foto: Frederico Mendes
Clipping imprensa:  https://drive.google.com/open?id=1XsXc7B7kPx0kGvwl3K_JKdhW3C9vB9qb

Redação | Assessoria de Imprensa | Conteúdo Digital | Criação de Sites | Pesquisa | Mkt de Produto