Arquivo da tag: Silvana CArdoso

CANAL DE TEREZA TRAUTMAN, CINEBRASILTV, COMPLETA 17 ANOS

Há dois meses, em maio, fui convidada por Ana Rosa Tendler para uma reunião com Tereza Trautman, já que o CINEBRASILTV precisava de uma profissional de comunicação. Nunca haviam contratado uma assessoria de imprensa, mas percebiam potencial de notícia na programação, para buscar “algumas notinhas”. Buscar espaços na mídia para o canal por assinatura de produção independente do audiovisual brasileiro, com programação original e exclusiva, com filmes doc e ficção e séries. Em dois meses, não só notínhas, mas muitas notinhas, críticas e espaços bacanas para a programação do canal por assinatura.

Mas passo aqui para falar do aniversário do canal, que hoje, 10 de julho, completa 17 anos. E como falar do canal sem falar da sua criadora, a cineasta Tereza Trautman, paulistana que aos 17 anos trocou a medicina por um curso de interpretação e direção, se aproximou de cineastas como Luiz Sérgio Person, João Silvério Trevisan e Carlos Reichenbach e, aos 22 anos, lançava seu primeiro longa, “Os homens que eu tive”, em 1973. Escrito, editado e dirigido pela jovem cineasta, após seis semanas em cartaz e com sucesso de público e crítica, o filme foi censurado pela ditadura militar e liberado somente em 1980 com o título Os Homens e Eu.

Tereza falava da liberdade e da individualidade da mulher, além do roteiro abordar a independência sexual feminina. A cineasta à frente do seu tempo não parou mais e criou o CINEBRASILTV em 2004. Para conhecer mais Tereza Trautman, a série As Protagonistas, de Tata Amaral, está na programação do canal e conta a história do audiovisual brasileiro a partir da produção das cineastas mulheres. Tereza é retrata no episódio 4, sobre a década de 1970, década-chave para o avanço dos direitos femininos, quando as cineastas brasileiras realizaram mais de 200 filmes que desafiaram o regime militar, o ambiente machista e se arriscaram expondo sua sexualidade e seu imaginário.

“Ao meio dia de 10 de julho de 2004 com a exibição de A Descoberta do Brasil de Humberto Mauro, o patrono maior do cinema brasileiro, entrou no ar o CINEBRASiLTV e desde então continuamos singrando pelos mares, mesmo em meio a tempestades, torcendo para que o mau tempo passe e possamos ganhar a tão sonhada liberdade. Liberdade não só de ideias, da qual nunca abrimos mão, mas finalmente a liberdade econômica cuja falta sempre nos sufocou.
E vamos comemorar nosso aniversário estreando Antena da Raça, o filme, de Paloma Rocha e Luis Abramo, uma visita aos programas do seu pai no Abertura da tv tupi. Sentimos o quanto faz falta o seu espírito irreverente e brilhante, objetivo.”, reflete Tereza Trautman.

O CINEBRASIL JÁ é um canal por assinatura, por apenas R$9,90 (nove reais e noventa centavos) por mês, sendo o primeiro mês gratuito para o novo assinante. Acesso e programação: https://www.cinebrasilja.com/
No link a seguir, é possível consultar as  operadoras que carregam o canal, apenas informando o Estado. Acesso: http://www.cinebrasil.tv/index.php/localize-o-canal
A programação do canal pode ser assistida através da assinatura no Divertenet. Acesso: https://divertenet.com.br/cinebrasil
O canal  também está disponível no ao vivo da Oi Play, é gratuito por 30 dias. Acesso: https://oiplay.tv/oiplay/content/details/MV014176590000

Clipping assessoria de imprensa:  https://drive.google.com/drive/folders/1czunjDsid5sLrGf7SSPejuKZCOtuh_Gx?usp=sharing
Clipagem Juliana Feltz (@juliana.feltz)

VINÍCIUS DE MORAES: SEU AMOR E OUtRAS BELEZAS – ESCRItO PARA O SItE MULHERES JORNALIStAS

Por Silvana Cardoso, jornalista Rio de Janeiro
Instituto Mulheres Jornalistas

Chefe de Reportagem: Juliana Monaco
Vinícius de Moraes: seu amor e outras belezas

Quem amou mais que Vinícius de Morais? Poeta, compositor, dramaturgo, jornalista e diplomata, que nos deixou há 40 anos, em 1980, mas também nos deixou em sua diversa obra a certeza de que seus 66 anos foram para amar e viver intensamente. E sempre vale testemunhar o vasto amor em seu acervo, em verso e prosa, em músicas inesquecíveis, eternizadas em parcerias geniais. Um acervo para especialistas em literatura, amadores, apaixonados por música. Mas em tempos de amor enclausurado, a ideia deste texto é convidar para experimentar a possibilidade de amar sem medo, pois sofrer e sentir saudade e pedir para o ser amado voltar estão sempre presentes na obra amorosa de Vinícius. Que passa pelo amor efêmero, pela melancolia, pelo sensual, pela humildade, pelo perdão. E o compositor sabe pedir perdão para a amada, seu ser maior e, como ninguém, viveu a verdade da sua poesia, com nove casamentos, com mulheres inteligentes que lhe deram filhos, amor e nem sempre abaixaram a cabeça para os seus pedidos de desculpas.

Toda a cronologia, além de muitas histórias e muitos escritos, e toda uma vida cantada pelo mundo, está em dois endereços digitais que abrigam o acervo de Vinicius de Moraes: o site oficial que leva seu nome e o recém-lançado acervo Vinícius de Moraes, idealizado e produzido por sua neta Julia Moraes. Com o intuito de proteger manuscritos do desgaste do tempo, o arquivo apresenta não só os poemas, mas ensaios, peças de teatro, discursos, cartas trocadas em seu período de exílio e como diplomata. São mais de 11 mil documentos originais, 34 mil imagens, que foram distribuídos como Correspondências, Produção Intelectual e Documentos Diversos. Um projeto feito em família, já que o design e a coordenação técnica são do sobrinho-neto Marcus Moraes e a direção geral é da VM Cultural, pelas filhas Georgiana de Moraes e Maria Gurjão de Moraes. Vale também conferir a obra e biografia de Vinícius de Moraes em livros, documentários e em seus canais nas mídias digitais.

Mas na semana do Dia dos Namorados, fica a dica para conhecer também o jovem que, aos 20 anos, já havia publicado quatro livros de poemas e, só por isso, já vale contemplar a obra de um dos mais ilustres autores do nosso país. Mas para falar do que começou no modernismo de Mário de Andrade e invadiu Vinícius, a melhor tradução desse amor do amor, das formas do amor, do amor efêmero, humilde, da saudade e sensual, já que, em seus poemas e letras de música, o amor e a mulher amada sempre estavam em primeiro lugar, seja pela conquista, seja pela beleza do ser amado, mas a cada estrofe está lá aquele amor que não se mede para a hora do pedido de perdão. Ou mesmo o amor eterno amor, para sempre com Eu sei que vou te amar, de Vinícius de Moraes e Tom Jobim, que diz: Eu sei que vou te amar / Por toda a minha vida eu vou te amar / Em cada despedida eu vou te amar / Desesperadamente, eu sei que vou te amar / …; o amor que chega sem pedir autorização, quase não correspondido no poema Ternura, de 1938, que diz: Eu te peço perdão por te amar de repente / Embora o meu amor seja uma velha canção nos teus ouvidos / Das horas que passei à sombra dos teus gestos / Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos / Das noites que vivi acalentado / Pela graça indizível dos teus passos eternamente fugindo.

Em Orfeu Negro, texto que estreou no teatro em 1956, mas que desde 1942 Vinícius perseguia a ideia de transpor o mito grego de Orfeu para uma favela carioca. Assim nasceu a tragédia carioca em três atos, história ambientada no Carnaval que apresenta um herói negro, Orfeu, e sua amada, Eurídice. Ganhou Oscar como filme estrangeiro em 1959, dirigido por Marcel Camus, numa coprodução Brasil-França-Itália, e nova versão de Cacá Diegues em 1999, com o nome de Orfeu do Carnaval. O amor proibido e repleto de conflitos de Orfeu e Euridice também marcou o início da parceria com Tom Jobim, que assinou as trilhas da montagem teatral e do filme de 1959. Mas o texto de Vinícius de Moraes apresenta o Carnaval, a favela, o negro no protagonismo, mas todo o contexto estava a serviço da sua poesia, do amor de dois jovens, como diz uma das falas do personagem principal: “São demais os perigos desta vida / Para quem tem paixão, principalmente / Quando uma lua surge de repente / E se deixa no céu, como esquecida. / E se ao luar que atua desvairado / Vem se unir uma música qualquer / Aí então é preciso ter cuidado / Porque deve andar perto uma mulher. / Deve andar perto uma mulher que é feita / De música, luar e sentimento / E que a vida não quer, de tão perfeita. / Uma mulher que é como a própria Lua: / Tão linda que só espalha sofrimento / Tão cheia de pudor que vive nua.”

Como não amar Vinícius de Moraes, como deixar de falar de obra tão fenomenalmente representada pelo amor e amizade entre o poeta e seus pares, pelo amor pelas mulheres, que dedicou muito da sua obra. Como Gilda, sua última mulher, 40 anos mais jovem, sua única viúva, como ele mesmo dizia que ela seria, que após um pedido de autógrafo em Niterói, no Rio de Janeiro, a jovem fã estudante de Letras encontrou o poeta novamente em Paris, uma década depois, e se tornou sua mulher pelos dois últimos anos de vida de Vinícius de Moraes. E assim, Gilda Queiroz Mattoso deu ao Poetinha a leveza de jovem a um homem apaixonado, pelas mulheres e pela vida.

Para embalar o desejo de estar apaixonado, ficamos com o célebre Soneto da Fidelidade, que foi musicada por Tom Jobim e ganhou, e ainda ganha, estudos literários. Quem não amaria ter coragem de amar assim?

Viva Vinícius!! Viva o amor!

Soneto da Fidelidade
De tudo, ao meu amor serei atento antes
E com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento
Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento
E assim quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama
Eu possa lhe dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure

http://www.viniciusdemoraes.com.br
Acervo Vinícius de Moraes 
Foto, direitos reservados, VM Cultural.

ESTREIA DA ORQUESTRA DE MENINAS CHIQUINHA GONZAGA

Elas estavam ensaiadinhas e super animadas para a estreia no Dia Internacional da Mulher, em 8 de março, no Rio de Janeiro. Mas, por conta das medidas restritivas do município naquela semana, o sonho foi adiado.
Mas amanhã, 4af, 16 de junho de 2021, com um friozinho na barriga e um imenso prazer, vamos acompanhar o concerto de estreia da Orquestra Sinfônica Juvenil Chiquinha Gonzaga, composta por 52 meninas entre 8 e 17 anos, estudantes da rede púbica de ensino da cidade do Rio de Janeiro. Sob a batuta da maestrina Priscilla Mesquita, a apresentação que acontece às 19 horas, conta com a participação mais que especial da cantora Elba Ramalho e do Coro Laboratório Juvenil do Rio de Janeiro, composto por 30 meninas.
Sem a presença do público, a estreia acontece com transmissão pelo canal www.youtube.com/orquestranasescolas, ao vivo do Imperator – Centro Cultural João Nogueira, tradicional teatro do Rio de Janeiro, situado no bairro do Meier.
Com patrocínio da Uber, a Orquestra Sinfônica Juvenil Chiquinha Gonzaga é um desdobramento das integrantes da Orquestra Sinfônica Juvenil Carioca, programa do Instituto Brasileiro de Música e Educação, que busca modificar a vida de milhares de crianças, adolescentes e jovens em diferentes municípios do estado do Rio de Janeiro, com a transformação social por meio da educação e da música.

Parte do elenco em ensaio da OSJ Chiquinha Gonzaga em foto de Rafael Ribeiro

FRIENDS: AMIGOS PARA SEMPRE!

Texto novo escrito para o Mulheres Jornalistas. Publicado hoje 6/6/21. Passa lá e conheça o MJ: https://mulheresjornalistas.com/friends-amigos-para-sempre/cultura/
Foto divulgação: HBO MAX

Como viver uma vida inteira sem aquele amigo que dividiu com você as melhores histórias da sua vida? Quem sabe os piores também, mas estes sempre rendem as melhores risadas tempos depois dos acontecimentos. Sejam eles vexames impublicáveis ou não, são os amigos que vão somar nos momentos mais importantes das nossas vidas. E quantas vezes ficamos longe por anos de uma pessoa muito importante em um determinado período da nossa vida e, de repente, um hiato se faz pelas circunstâncias de cada um? Mas um belo dia, acontece algo e o telefone toca, um esbarrão na rua ou mesmo um convite de casamento ou aniversário e estará lá aquela amizade sendo reescrita como se o tempo não houvesse passado.

Pensando exatamente nisso, como não imaginar o reencontro de alguns amigos que por anos dividiram suas vidas com o mundo? Sim, os amigos da aclamada série americana Friends estão de volta para euforia e desespero de seus fãs brasileiros. A euforia: pelo reencontro de Rachel Green (Jennifer Aniston), Monica Gelle (Courteney Cox), Phoebe Bulfay (Lisa Kudrow), Joey Tribbiani (Matt Leblanc), Chandler Bing (Matthew Perry) e Ross eller (David Schwimmer), que aconteceu em episódio único, exibido nos EUA no dia 27 de maio, pela HBO Max. O desespero: pelo motivo do episódio Friends: The Reunion só chegar por aqui no dia 29 de junho. Enquanto aguardamos este hiato de um mês, fica a torcida para que a pirataria não ganhe força.

Mas como seis amigos conquistaram o planeta em um momento em que nem pensávamos com muita certeza na capacidade do mundo globalizado, em 1994, quando a série estreou? Com dez temporadas, 236 episódios, muitos prêmios e considerada pela publicação americana TV Guide como uma das melhores produções da TV de todos os tempos, numa lista com apenas cinquenta nomes, parece uma boa fórmula para Friends, criada por David Crane e Marta Kauffman. Tamanha fama levou o elenco ao patamar de 1 milhão por episódio, fato que gerou rumores sobre os motivos para o fim da série, em 2004. Mas celebrar 25 anos de amizade vale mais um encontro, certo? Sim. E quando isso acontece 17 anos depois, mais ainda são as expectativas dos fãs originais, assim como aqueles que foram conquistados com a chegada da série nas plataformas de streaming, como a jovem Prêmio Nobel da Paz, a sempre corajosa menina Malala Yousafzai, fã declarada dos amigos que até participa de um quiz no episódio especial – Malala e outras celebridades foram convidadas para o jogo de perguntas disputado pelos amigos, numa lembrança do que aconteceu na quarta temporada.

É claro que os jovens fãs de Friends entendem que os atores da série não eram celebridades há 25 anos, quando começou a ser exibida. Mas não é difícil imaginar o que aconteceu com a carreira e, consequentemente, com a vida desses atores e atrizes ao sair de um cachê de 22.500 dólares americanos por episódio, na primeira temporada, para o cachê de 1 milhão de dólares americanos por episódio, na décima temporada. E basta digitar o nome de cada um deles e estão lá os aplausos, mas estão lá também as derrotas, como casamentos desfeitos e dependência de drogas. Mas como são amigos de uma das mais aclamadas séries que reuniu os conflitos da vida de jovens entre 20 e 30 anos, moradores de Nova York, podemos também dizer que, após 236 episódios em dez anos de convivência, sim, são todos amigos. Mas parece que esta amizade se fortaleceu mesmo quando se uniram e juntos decidiram, em uma negociação coletiva, que desejavam que seus cachês fossem iguais, a partir da terceira temporada.

Desde a primeira temporada, ficou evidente que o roteiro pretendia dar o mesmo peso aos seis personagens de Friends. E como todo bom programa de TV que ganha longevidade, seus atores também começaram a ganhar torcidas pelos desfechos dos conflitos de seus personagens. Mas será que após 17 anos de distância daquele 6 de maio de 2004, seria possível fazer um reencontro capaz de revirar as vidas já meio que organizadas no desfecho do último episódio da décima temporada? Para uma das séries de maior sucesso da HBO, Sex and the City, com prêmios e mais prêmios, seis temporadas e seu fim também chegou em 2004, dois longas-metragens resolveram a ausência sentida pelos fãs das quatro amigas, entre 30 e 40 anos de idade, que também moravam em Nova York e, além de dividirem questões amorosas, os conflitos giravam em torno dos dilemas da vida da mulher moderna. Mas os criadores de Friends perguntaram aos atores sobre a hipótese de um filme ou mesmo um episódio com novos conflitos para as personagens, já que os fãs especulavam tais possibilidades.

Nas entrevistas do elenco, concedidas para promover a estreia do episódio especial, fica claro que esta possibilidade foi deixada de lado e a explicação dos seus criadores é mais que coerente, quando falam que Monica, Phoebe, Rachel, Chandler, Joey e Ross terminaram o programa muito bem, a vida de todos é muito boa, e eles (seus criadores) teriam que criar mais histórias e bagunçar o final feliz com todas essas coisas legais que deixaram na vida dos personagens. E parece que foi uma sábia decisão transformar o tempo de 1h39 de Friends: The Reunion em um reencontro de seis grandes amigos que não se viam há algum tempo, que relembram histórias das dez temporadas, que trocam confidências, uma partilha com os fãs no grande teatro, como nos episódios. Pelas críticas nesses poucos dias após a exibição do episódio, já podemos contar os dias para a chegada de Friends: The Reunion por aqui, no dia 29 de junho.

Para dar conta de esperar, confira o trailer oficial da reunião.

ATOR ROBERTO RODRIGUES ESTREIA MONÓLOGO ARTEIRO EM MANIFESTO

Um mês animado de bons projetos de teatro, danca e música, já que a Lei Aldir Blanc movimentou o setor de cultura do nosso país após um ano de isolamento social. E os produtores estão produzindo e atores estão atuando e criadores estão criando, como meu amigo produtor Fernando Alax, que me convidou para fazer a assessoria do monólogo Arteiro em Manifesto. Então, convido vocês para assistir Roberto Rodrigues dando vida a Mestre Palito, para reciclar as ideias e ampliar a criatividade como ferramenta necessária para a transformação social, abrindo espaço para reflexões atravez do riso e do absurdo.
Mestre Palito é excêntrico, bufão andarilho e irônico, um reciclador de ideias e objetos, que mesmo ácido e absurdo, consegue o riso e o afeto. E, por não estar na praça, pede licença para entrar nas casas da plateia virtual a partir de HOJE— por duas semanas, até 28 de março, de 6af a domingo, em sessões às 18 horas e às 20 horas, pelo Sympla. Online e gratuito. Passa lá!!

Clipping das matérias publicadas: https://drive.google.com/drive/folders/15dyxxiIYaKz8CgYCz_DddonR4uHt5UNY?usp=sharing

Foto de Leo Bandeira


EVENTO PROMOVE E AMPLIFICA A MULHER NA CENA INSTRUMENTAL BRASILEIRA

Paraty é uma cidade histórica do Rio de Janeiro, que tem uma vocação imensa para eventos. E foi numa FLIP que conheci Indiara Belo, produtora da cidade que me deu suporte numa apresentação teatral no Sesc local. Ficamos proximas e sempre trocamos um olá todos os anos, quando vou para o Bourbon Festival Paraty.
No final de 2020 Indiara me avisou que o seu projeto, o Instrumental Brasileiras, estava aprovado pela Lei Aldir Blanc e começamos a trabalhar, já que o evento ficou online e sua produtora, a Jasmim Manga, estava fechando o cronorama.
A ideia sempre foi promover e amplificar a mulher na cena instrumental brasileira e Indiara montou uma extensa programação gratuita, que começou no dia 27 de janeiro e vai até 31 de março, com aulas abertas, podcasts, oficinas e videoclipe.
Mulheres da músca – artistas, produtoras e técnicas de áudio em um lindo e poderoso projeto.
Passa lá no site da produtora e participe: www.jasmimanga.com.br

Clipping das materias publicadas na mídia: https://drive.google.com/drive/folders/1nZN-NFqGth4T61NbRYGPPGNobw2Uw-Wr?usp=sharing

LARISSA VEREZA LANÇA LIVRO COM 148 DICAS PARA TRABALHAR EM HOLLYWOOD

Larissa Vereza é um doce de pessoa, que conheci fazendo o seu texto de apresentação para o site da produtora da sua empresária (A gente se Fala). Depois, ela fez duas lindas participações no Festival Estar Bem, que criei no inicio da pandemia. No primeiro ela recitou um poema e, no segundo, ela tocou e cantou lindamente.
Larissa é um talento para as artes e ser filha de famoso (Carlos Vereza) não limitou a atriz e roteirista, que também é cantora e diretora, a se aventurar nos Estados Unidos para buscar uma carreira internacional.
Após quase dez anos morando entre o Brasil e os EUA, Larissa lança “Como tirar seu visto O1 e se mudar para Hollywood – Um passo-a-passo para tornar seu sonho realidade” (e-book pela Amazon Brasil e Internacional, impresso no site da atriz).
O livro de 157 páginas traz 148 dicas que passam pela escolha do bairro onde morar, como encontrar um agente, conseguir testes, como se vestir, bons cursos e até como encontrar a sua turma. 
Para Larissa, que atua em produções nos Estados Unidos, a decisão de escrever o livro veio com a possibilidade de ajudar jovens artistas que desejam investir na carreira internacional nos EUA, como ela fez.
No inicio do ano Larissa me ligou, queria saber se eu poderia fazer o lançameno do livro em janeiro. E foi rapidinho que tudo aconteceu, mas ficou com gostinho de quero mais.

Clipping das matérias publicadas: https://drive.google.com/drive/folders/1JQKP_vNvJXt272mdCNbnTpCVGj2JkQrO?usp=sharing