Todos os posts de passarimcomunicacao

Sou uma longa história, costumo dizer. E, por aqui, apresento os meus escritos e a minha trajetória como profissional de comunicação. Parte do meu caminho está aqui, como um mosaico do que construiu a minha carreira. São mais de duas décadas que trabalho com pessoas criativas – com arte, cultura e entretenimento. Um privilégio. O espaço é apresentado pelas “categorias”: Escritos, Música, Teatro e Etc e Tal, onde relaciono trabalhoss como assessora de imprensa, produtora executiva, escritora, redatora, pesquisadora, gerente de DVD e marketing, e diretora artística e de produção. Para facilitar, relaciono alguns artistas e empresas que fazem parte dessa história: Warner Bros., Paramount, Metro Goldwyn Mayer, Disney, United Internacional Pictures, Universal Music e Universal Music Christian Group, Sony Music, Sistema Globo de Rádio, TV Globo, Instituto Tom Jobim, Bourbon Street Music Club (Festinal Paraty, ZAZ), casa de shows Metropolitan (RJ), CCBB-RJ, Ciranda Comunicação (sócia gerente entre 2001 e 2005), Caliban Produções Cinematográficas, A Gente se Fala Produções Artísticas. Além de alguns artistas e criativos que trabalhei: Kid Abelha, Jota Quest, Skank, João Gilberto, Caetano Veloso, João Bosco, Cassia Eller, Zezé di Camargo & Luciano, Ivete Sangalo, DJ Marlboro, Sandy & Junior, Carnaval do Cordão do Boitatá, Pitty, Zeca Pagodinho, Caco Ciocler, Matheus Nachtergaele, Débora Falabella, Adriano Garib, Letícia Spiller, Camila Pitanga, Carmo Dalla Vecchia, Fagner, astróloga Claudia Lisboa; cineastas: Claudio Assis, Silvio Tendler, Mauro Faria; diretores: Hamilton Vaz Pereira, Moacir Chaves, Roberto Alvin, Eric Lenate, Daniel Herz, Jodele Larcher. Para nos conhecermos melhor, sugiro um bom papo acompanhado de um café, ao vivo ou via Skype. Um abraço apertado, Silvana O crédito da logo da Passarim é do amigo, competente designer e fotógrafo, Philippe Leon.

SÁBADO À NOITE — TRABALHOS E ATORES

Todo mundo espera alguma coisa, de um sábado à noite. Pois é, como na música, eu esperava atualizar o site, mas fui contar e, desde a última postagem foram muitos trabalhos executados, alguns ainda em curso.

Fiquei pensando e revendo as fotos de montagem de teatro, atores, livros, música, filmes, séries, documentários, que faço a assessoria de forma artesanal, pessoal, com afeto e dedicada aos desdobramentos dos projetos a partir das minhas experiências não só com a comunicação, mas como gerente de markekting e de projetos em cultura e entretenimento. 

Resolvi que vou escrever aos poucos, mas preciso destacar uma parceria linda com a Miriam Juvino, da A Gente Se Fala e, com a Cacá, da Dom Agenciamento, que venho realizando com atores jovens das duas empresárias, repletos de talentos diversos, com trabalhos de repercussão nas artes, mas inexperientes para entender a comunicação além das midias digitais.

E preciso dizer que isso tem me dado um prazer imenso, como ensinar a importância da comunicação como um todo, conduzir e preparar para suas primeiras entrevistas. Ajudar no entendimento dos seus reais posicionamentos, suas verdades a serem apresentadas no primeiro release de suas carreiras.

E, acima de tudo, uma troca linda de experiências — eles, com as alegrias e dúvidas naturais na era digital; eu, mais experiente, vendo de dentro este movimento, enquando conduzo eles para um olhar mais ampliado da comunicação ao grandioso universo que vão trilhar. E agradeço todos as oportunidades.

https://www.agentesefala.com.br

https://www.domagenciamento.com.br/

ESPETÁCULO INSPIRADO NO TEATRO DO ABSURDO ENCERRA TEMPORADA NO RIO

Fazer assessoria de comunicação de espetáculos de teatro é sempre um grande prazer e chega ao fim a temporada da montagem em cartaz no Teatro Vannuccina Gávea (RJ), A Vingança de Shakespeare, qeu chega na sua última semana no dia 1 de maio, domingo, às 20h30 (o espetáculo teve estreia no dia 18/3/2022). Com texto e direção de André Costa e elenco composto por Carlos Bonow, Priscila Ubba, Sérgio Abreu, Renatta Pirillo, Camila Mayrink, e o ator convidado, Roberto Pirillo, que dão vida a uma confraria de atores que se reúnem para prestar homenagem a Dionísio. No encontro, encenam a tragédia de Romeu e Julieta e celebram a chegada de um novo membro, que guarda um segredo fascinante, como a misteriosa confraria.

Inspirado no gênero do teatro do absurdo, A Vingança de Shakespeare é um suspense tragicômico que se passa na noite do encontro da confraria de atores. Se reúnem regularmente para prestar homenagem a Dionísio, quando encenam, para eles próprios, uma tragédia. Sem saber de antemão seus personagens, os atores podem recorrer ao improviso e à espontaneidade, sem jamais alterar o rumo e o desenlace do texto original. 

“Shakespeare e o teatro do absurdo é uma abordagem que tem muito a ver com os tempos de polarizações que estamos vivendo. Na peça, uma confraria de atores é criada para homenagear o legado do teatro. O que seria algo altamente positivo e dignificante se desdobra no seu oposto. Trata-se de crítica direta a todos que acreditam na radicalização das “boas ideias” como maximização do “bem comum”. O resultado alcançado, a história não deixa dúvidas, é sempre o da tragédia”, reflete o autor.

Clipping da assessoria de impresa: https://drive.google.com/drive/folders/18-JtuTE_tElB3jxxeXyo-4H1Bj1-mSBS?usp=sharing

PATRICK SAMPAIO – ATOR, ROTEIRISTA E PROFESSOR

Patrick me chamou para divulgar a sua participação na primeira fase da novela Além da Ilusão (Globo, 18h), como Artur, advogado idealista que entrou para ajudar Davi,  personagem de Rafael Vitti. Já na segunda fase, Patrick retorna com o advogado para elucidar a acusação sofrida pelo mágico.

No cinema, Patrick dá vida a um fotógrafo no longa-metragem “Foram os sussurros que me mataram”, com direção de Arthur Tuoto. O filme retrata os dias que antecedem a estreia de um reality show e o confinamento da celebridade Ingrid Savoy, vivida por Mel Lisboa. Em um quarto de hotel a celebridade sofrerá ataques de fãs, anarquistas e repórteres. Apesar do cerco para protegê-la, um misterioso “paparazzi”, vivido pelo ator, consegue entrar no quarto e os dois vão estabelecer uma conexão franca. O filme tem produção da Grafo Audiovisual e será lançado pela Olhar Distribuição.

Ator e roteirista de Amor & Sexo (Globo, 2018), Patrick Sampaio ganhou destaque em Espelho da Vida, novela de Elizabeth Jhin para a faixa das 18 horas da Globo, em 2018, quando interpretou dois personagens, Felipe (um fantasma ou espírito atormentado por vingança) e Otávio (par da personagem de Alinne Moraes no passado). Em 2021, também atuou na novela Genesis (RecordTV).

Patrick é pessoa gentil, educada e inteligente. Sempre há leveza e profisisonalismo nas nossas parcerias e demandas de trabalho. Creio que esta também seja a receita do seu sucesso.

Clipping matérias publicadas: https://drive.google.com/drive/folders/10TR_XWxN0UAhWpq4UiTC_yJmMsqmDxeX?usp=sharing

Foto de Patrick Sampaio é autoretrato.

JORNALISMO EM TEMPOS DE BBB – HOJE,19H30, LIVE NO INSTAGRAM @MULHERESJORNALISTAS

Com Jorge Luiz Brasil, meu amigo e parceiro de trabalho há mais de duas décadas, editor do @maisnovela. Vamos falar sobre ser jornalista em tempos de mudanças da tecnologia; em tempos de BBB; sem espaço para grandes conteudos; a midia voltada para celebridades que assumem um espaço cade vez maior nos veiculos de comunicacão.
O consumo dessas noticias pelas pessoas, por todo mundo, e a nossa necessária reinvenção na frente das câmeras, com lives, a autopromoção (nós que levaviamos a noticia e o foco era o entrevistado e não a nossa própria pessoa.
A segurança fisica, emocional e profissional em tempos de guerra, ânimos alterados por qualquer assunto e cancelamentos.
Etarismo, claro. Palavra novinha para dizer que os mais velhos continuam sem espaço no mercado de trabalho. E haja informalidade para tantos. Passa lá! Conto com você!

PARA MULHERES JORNALISTAS: EXPOSIÇÕES PARA NÃO PERDER EM SP

https://mulheresjornalistas.com/exposicoes-para-nao-perder-em-sao-paulo/cultura/

Adoraria estar em São Paulo. Amigos para rever, muitas saudades por lá, mas adoraria conferir duas exposições em especial – entrar no universo tão necessario da escritora Carolina Maria de Jesus e me perder nas imagens deslumbrantes de Sebastião Salgado.
E aguardo chegarem pelo Rio e que venha Constelação Clarice, que acabou de sair do IMS, SP.

Abaixo, o inicio do que escrevi para @mulheresjornalistas

Exposições para não perder em São Paulo
Obras de dois artistas de extrema importância para a memória do nosso país estão disponíveis em exposições na cidade de São Paulo, que, além de emocionantes e repletas de informações, são como um “banho” de cultura para quem gosta de arte e sabe o quanto ela amplia os horizontes do ser humano, tão necessitado de beleza e autoestima nacional. Estou falando da escritora Carolina Maria de Jesus e do fotógrafo Sebastião Salgado. No Instituto Moreira Sales São Paulo, até o dia 27 de março, é possível mergulhar no universo da mineira que foi catadora de papel em São Paulo, com a mostra “Carolina Maria de Jesus: Um Brasil para os brasileiros”, dedicada à trajetória e à produção literária da autora que se tornou internacionalmente conhecida com a publicação de seu livro Quarto de despejo, lançado em agosto de 1960. Já a exposição “Amazônia – Sebastião Salgado”, que abriu no último dia 15 de fevereiro na Área de Convivência do Sesc Pompeia, pode ser conferida até 31 de julho. São aproximadamente 200 imagens, resultado de sete anos de imersões fotográficas do artista na Amazônia brasileira.

Foto do card MJ: Sebastião Salgado

@imoreirasalles
@sescpompeia
@carolina_maria_de_jesus
@sebastiaosalgadooficial

DANÇANDO DO MEU JEITO É ESPETÁCULO DE ANTONIO GUERRA, DE 10 ANOS

Fica em cartaz até domingo no Sesc Copacabana (RJ), o espetáculo infanto-juvenil, Dançando do meu jeito, idealizado pelo pequeno Antonio Guerra no final de 2019, quando tinha 10 anos de idade.
Este é o começo desse post que poderia falar logo sobre o que Antonio queria dizer, mas antes, vou contar que esta montagem estava com temporada marcada para abril de 2020, mas não preciso falar mais nada, pois foi cancelada a temporada.
Quase dois anos se passaram e voltei para a equipe da produtora Cacau Gondomar (@ciadaideia), que me convocou para a estreia em janeiro, que foi adiada de 1 para o dia 22/1, que cumpre sua temporada com as quatro sessões que faltam, sábado e domingo (19 e 20/2/22), às 11h e 16h.
Enquanto o tempo passou, Antonio cresceu, já é um pré-adolescente de 13 anos, que aleem de idealizar, colabora com a dramaturia do espetáculo que ele queria levar para os as crianças e os jovens, para falar sobre o preconceito em aceitar com naturalidade que meninos e meninas possam se expressar de uma forma diferente da convencional. Dançando do meu jeito apresenta um menino que pode parecer diferente, já que não quer andar de skate, brincar de carrinho ou jogar bola, como a maioria dos colegas da sua escola. Ele deseja interagir com a música, o espaço e as pessoas e dançar do seu jeito.
Dançando do meu jeito conta com o jovem Antonio fazendo parceria com a sua mãe, a coreógrafa Sueli Guerra, que está no elenco e assina a dramaturgia com o filho e Daniel Chagas. A equipe é formada: com: Iluminação de Paulo César Medeiros, Cenários de Nello Marrese, Vídeografia e edição de imagens de Lucas Leal, Figurino de Patricia Muniz, Trilha de Rodrigo Russano, Produção de Cacau Gondomar e a Passarim na assessoria de imprensa. No elenco, Andreia Pimentel, Daniel Chagas, Marcus Anoli, Renata Reinheimer, Saulo Eduardo e Sueli Guerra.
Só consegui colocar uma foto do Antonio já imenso, mas nas matérias publicadas, é fácil ver o menino de dez anos, nas fotos de divulgação que não ivemos a oportunidade de divulgar na época, mas que foi um sucesso quando comparamos Antonio em 2020 e 2022.

SERVIÇO: DANÇANDO DO MEU JEITO
Sesc Copacabana | Sala Multiuso
Endereço: Rua Domingos Ferreira, 160, Copacabana, RJ
Fevereiro 19 e 20 de fevereiro de 2022 |  domingos às 11h e às 16h
Duração: 50 minutos | Classificação: Livre
Ingresso: R$7,50 (Comerciário)  | R$15,00 (Meia) / R$30 (Inteira)
Bilheteria: Terça a Sexta – de 9h às 20h; Domingos – das 13h às 20h. / Dias de espetáculo de manhã – Domingos de 10 às 20h. 
Crédito foto: Denise Mendes

Clipping assessoria de imprensa: https://drive.google.com/drive/folders/1RZkRx1LQ4uJ6EfP48c1oN3NSHz7tX3Gr?usp=sharing

PARA MULHERES JORNALISTAS: ELZA SOARES FOIS DURA NA QUEDA

https://mulheresjornalistas.com/elza-soares-foi-dura-na-queda/cultura/

Elza Soares costumava dizer que antigamente as mulheres apanhavam caladas. Mesmo que em muitos lugares a mulher ainda seja oprimida e inferiorizada, o legado da cantora pela luta em favor dos direitos das mulheres reverbera por todos os cantos, por onde sua voz ecoou e ainda vai ecoar para as futuras gerações de que não se curvarão para uma vida indigna. “Sou mulher preta, pobre e favelada”, costumava dizer com orgulho de sua incrível história de vida, que merecidamente é um exemplo de superação, já que com apenas 16 anos (foi mãe aos 13 anos) já sabia a dor da perda de dois filhos e do marido.

Também costumava relatar o diálogo com Ary Barroso, quando foi ao programa do compositor na Rádio Tupi, no Rio de Janeiro. Pretendia ganhar o prêmio acumulado do concurso de calouros: “Descobri que cantava e fui tentar ganhar o concurso para salvar meu filho João Carlos, que estava morrendo e não queria perder mais um”. Com 32kg, pegou um vestido da mãe que pesava 60kg, colocou alfinetes para ajustar, uma sandália rasteira e foi ouvir de Ary Barroso a pergunta: “De que planeta você veio?”. O que ela respondeu: “Do mesmo que o seu, Seu Ary. O Planeta da Fome”. Elza ganhou o prêmio, salvou o filho e nunca mais calaram sua voz, que tinha “fome de cultura, de dignidade, de educação, de igualdade”. Ensinava que a fome só muda de cara, mas não tem fim.

Reconhecida pela Rádio BBC de Londres como a voz brasileira do milênio, na virada de 1999 para o ano 2000, Elza Soares se calou com um suspiro, em casa, junto aos seus, de morte natural, no meio da tarde desta quinta-feira, dia 20 de janeiro. Mas morreu de vida, daquela que transbordou em seus posicionamentos autênticos e corajosos diante da crueza do mundo ou das suas tragédias pessoais. E estamos falando da mulher independente, da cantora que após aquele programa de auditório, para salvar o filho que lhe restava, gravou o primeiro álbum alguns anos depois. Uma cantora de samba, com suingue, uma voz rouca que se relacionava com o jazz. Se aproximou da MPB e da Bossa Nova, foi reconhecida por compositores como Caetano Veloso e Chico Buarque. Mas o início da década de 1980 foi mais que um desafio para a mulher guerreira, com a separação do grande amor da vida, o jogador de futebol Garrincha. Por causa dele, a mulher Elza foi humilhada publicamente por ele ser casado quando se conheceram. Por Mané (como ela chamava o craque da seleção brasileira), Elza foi embora do Brasil com o jogador e lhe deu um filho. …

Texto completp no link, acima.

Foto Leo Aversa, em 3/8/2009

UMA ÁRVORE DE NATAL, CRÔNICA NA ANTOLOGIA DO SARAU ATEMPORAL

Convido vocês para a leitura da minha crônica, abaixo, Uma Árvore de Natal, que está na Antologia de Natal do Sarau Atemporal 2021, da Editora Apena @apena.editora, que estou participand
Desejo um amoroso e ensolarado 2022!❤️🌻❤️
Antologia de Natal estea disponível para leitura, gratuitamente, pelo link: https://cutt.ly/cY7Guvb (autores por ordem alfabética. Uma Árvore da Natal está na página 82).

Uma Árvore de Natal

Percebo que deixei de lado a minha pequena e companheira Árvore de Natal neste dezembro. Mas arrumei um lugar para ela em cima de uns banquinhos coloridos que habitam a sala. Me pareceu que ela está feliz ali. Mas não pendurei seus enfeites. Até comprei mais alguns, como faço todo ano, mas os dias passando, dezembro avançou e não me reuni envolta dela, sentada no chão da sala, para colorir suas hastes ainda verdinhas com velhos e novos penduricalhos. Juntei por perto uma caixinha de lâmpadas pisca-pisca que comprei no ano passado. Ela ficou ali. Nada justo com aquela pequena árvore que já chegou com suas bolinhas vermelhas de metal nas extremidades.

Ela me conquistou de relance, após um dia de trabalho temporário, quando o andar apressado parou em frente  à pequena lojinha na Rua do Rosário, no Centro do Rio de Janeiro. Naquele tempo de pouca beleza, fazia o caminho até o ônibus por ali, para ver o colorido das  lojas de flores da rua. Parecia pequena, mas uma boa possibilidade da casa ganhar o colorido de uma árvore nova, após um ano duríssimo, em todos os sentidos.

Neste amontoado de anos, aventuras de três décadas desde aquele fim de tarde, quando resolvi levá-la para casa. Ali, ela representava conquistas de algum trabalho após uma separação dolorida, com um filho pequeno e triste para consolar.  Sim, com coragem e determinação em me acompanhar, minha Árvore de Natal pode contar aventuras e desventuras de uma mulher repleta de possibilidades e reinvenções. Ela me ajuda a separar estas décadas. E me faz lembrar, quando a cada dezembro nos reencontramos e, enquanto baixo os seus galhos e coloco seus enfeites, passamos a limpo o ano em questão.

Em anos de casa cheia, numa década ainda perto, uma árvore grande foi colocada na sala, para que os pequenos, o afilhado e filhos dos amigos, pudessem ter uma tarde de entrega de presentes com mais impacto. Árvore exuberante. Como estava a vida naqueles anos, mais nos trilhos, entre os amores que me cercam e outro que havia chegado. Mas a minha pequena árvore nunca ficou sem estar por perto. E, naqueles anos, esteve junto, no meu local de trabalho. Mas a grande árvore não se sustentou naquela sala, naquela década que parecia perfeita. Seguiu. Não a pequena Árvore, que comigo se mudou de casa. De vida. De cidade.

Neste 2021, ainda dando pequenos passos de conquistas para lá e para cá, ainda tateando os últimos dias de mais um ano desafiador, faltando exatos dez dias para o tão esperado 25 de dezembro, minha pequena Árvore ganhou seus enfeites. Ganhou também um laço dourado no seu galho verde mais alto e o pisca-pisca de colorido leve, de mudança de cores quase em lentidão. Conversamos. Falei do tempo de incertezas, das pequenas alegrias que ainda cultivo. Confessei meus medos. Partilhei pequenos segredos para este 2022. Mas, da nossa cumplicidade, o que não mudou no compartilhar com a minha pequena Árvore de Natal foi a fé na vida que me alimenta – com as palavras que transbordam de mim e me consolam, com o desejo que as fatias de 2022 sejam de tempos de paz. E de leveza, para os meus amores e para a humanidade.

Feliz Natal!

Pedro do Rio, Petrópolis, RJ, 15 de dezembro de 2021.


CARTA PARA ZELIA

Petrópolis (RJ), 02 de fevereiro de 2021.
Querida Zelia, saudades de você e das nossas conversas.
Desejo que estejas em paz, ao lado de Jorge, seu grande amor.Te escrevo no dia de Nossa Senhora dos Navegantes, dia de Iemanjá, da lavagem das escadarias do Bonfim. Adoraria estar em Salvador, mas não devemos viajar neste momento de Covid-19. Escrevo para te contar que “Um chapéu para viagem” ganhou vida na minha vida, quando numa viagem à trabalho na cidade histórica de Paraty, no Rio de Janeiro, ganhei um chapéu lindo e florido de uma grande amiga.
Naquele mesmo dia contei sobre a importância do seu livro, quando te acompanhei até o momento do apito do navio, aquele que fez seu pequeno filho estremecer. Você dividida, a aflição por deixar “os seus” para tentar a sorte com Jorge no estrangeiro. Quanta coragem cabe no coração de uma mulher, Zelia? Conhecendo mais de perto as suas aventuras no exterior como a companheira de Jorge, percebo também que elas contribuíram para a sua jornada como a imensa escritora que você se transformou.
Mas preciso te contar do meu chapéu, querida Zelia, pois ele faz parte da minha alma andarilha, da coragem para a vida como você, que embarcou naquele navio sozinha, enquanto o Brasil perdia jovens e intelectuais pela ideologia de um país melhor e mais justo. Este chapéu, que ganhou o título do seu livro, guarda as lembranças em um dos encontros mais lindos da minha vida, quando retornei ao Espírito Santo após 40 anos, para rever a família que ficou guardada na minha memória após a perda do meu pai. Voltar lá para rever os meus, na companhia do meu chapéu para viagem, foi como estar de mãos dados com meu pai, em segurança.
E o chapéu fez um sucesso daqueles, como aquele que Maria Della Costa lhe presenteou para o seu embarque. Zelia, também preciso te contar que todos os anos estou na mesma Paraty trabalhando no Festival deJazz com a parceira que me deu o chapéu. E logo ali na praça da Igreja Matriz tem o livreiro da Kombi e você acredita que achei um exemplar de Um chapéu para viagem? Sim! E consegui presentear a nobre amiga com ele e isso me encheu o coração de alegria.
Querida, além do chapéu que me deste o título, sua escrita tardia foi um ato de generosidade, inspiração para esta escriba que vos fala. Pelas suas palavras conheci um pouco mais você e da nossa história. Só tenho a agradecer. Mas, depois, você me levou para suas andanças nas “Europas” com “A Senhora Dona do Baile”. Preciso confessar que fiquei muito emocionada com a publicação, mas vou te escrever sobre ela na próxima cartinha.
Afetuosamente, Silvana
Foto: Meu Chapéu para Viagem em Angra dos Reis.

SOBRE Zélia Gattai (1916-2008): Escritora brasileira que começou a escrever com 63 anos. Estreou na literatura com o livro de memórias “Anarquistas Graças a Deus”. Recebeu o Prêmio Paulista de Revelação Literária. Viveu com o escritor Jorge Amado durante 56 anos. Em 2001, foi eleita para a Academia Brasileira de Letras, para a cadeira n.º 23, a mesma que pertenceu a Jorge Amado.

MUITO ALÉM DAS ABOBRINHAS

Ela é de sabores fortes e prefere salgados pela manhã. Uma pasta de atum tá de bom tamanho. Costuma usar o batom mais vermelho que já vi na vida, tipo cara de boneca. É uma mulher grande. Gosta de guardar coisas e sempre diz: mas se eu precisar de um parafuso eu sei onde está, uma fita, eu tenho!
Sem críticas, é divertido pedir coisas e ela ter coisas, coisinhas e eteceteras. Mas o melhor é observar que neste contorno está uma pessoa que atende o outro, ajuda o outro. Se você tem uma chave de fenda na gaveta, como não vai ajudar na minha mudança, no conserto do São Francisco de madeira ou o meu Mac que deu uma desconfigurada? 

Designer das boas. Produtora de arte de uma sensibilidade absurda para o bom gosto. E, com tantos talentos para o bom gosto, claro que viajava com as listinhas de compras das amigas em um caderninho. Nos últimos tempos, fez as pazes com os desenhos, ou com a sua aptidão para lindos rabiscos. 

Um dia, uns dias, abrimos o escritório na praia, já que fomos demitidas da empresa onde trabalhávamos no mesmo dia. O que fazer se não rir da nossa própria cara, era o nosso mantra. Quando passei a mensagem sobre a lista de compras, ela ao menos perguntou o motivo e andou rapidamente, até comentei brevemente que era sobre um texto.  A moça de paladar apurado, que assumiu estar perto e cuidar dos pais  bem antes de ter motivos, está ao lado da mãe após a partida do seu pai, além de toda burocracia familiar, obvio. E naquela listinha de mercado e de farmácia da semana veio a moça que ganhou umas alterações, como um colesterol, umas vitaminas e um apego por tantos legumes e verduras que precisei fazer uma piada do tipo, saudável, hein? O que ela retrucou: “A gente tenta rs” 

Tempos e tempos se passaram, duas décadas exatas daquele ano de demissões no mercado da música carioca. Quantas praias, quantos choros,  até andamos mais idosinhas, mas ainda adoramos essa coleguisse de meninas. Minha amiga Pat (@patfernandes) é tão companheira que numa praia sagrada de um 31 de dezembro, lá de cima, do céu azul do verão carioca, deslumbramos um bando de  biguás que fazia desenhos em V. Linda passarada, ave aquática, também conhecida como corvo-marinho. Sim, elas cagaram nas nossas cabeças e corpinhos desnudos em uma tarde de ano novo. E como não rir da nossa cara!? 

Foto na praia, claro!