Todos os posts de passarimcomunicacao

Sou uma longa história, costumo dizer. E, por aqui, apresento os meus escritos e a minha trajetória como profissional de comunicação. Parte do meu caminho está aqui, como um mosaico do que construiu a minha carreira. São mais de duas décadas que trabalho com pessoas criativas – com arte, cultura e entretenimento. Um privilégio. O espaço é apresentado pelas “categorias”: Escritos, Música, Teatro e Etc e Tal, onde relaciono trabalhoss como assessora de imprensa, produtora executiva, escritora, redatora, pesquisadora, gerente de DVD e marketing, e diretora artística e de produção. Para facilitar, relaciono alguns artistas e empresas que fazem parte dessa história: Warner Bros., Paramount, Metro Goldwyn Mayer, Disney, United Internacional Pictures, Universal Music e Universal Music Christian Group, Sony Music, Sistema Globo de Rádio, TV Globo, Instituto Tom Jobim, Bourbon Street Music Club (Festinal Paraty, ZAZ), casa de shows Metropolitan (RJ), CCBB-RJ, Ciranda Comunicação (sócia gerente entre 2001 e 2005), Caliban Produções Cinematográficas, A Gente se Fala Produções Artísticas. Além de alguns artistas e criativos que trabalhei: Kid Abelha, Jota Quest, Skank, João Gilberto, Caetano Veloso, João Bosco, Cassia Eller, Zezé di Camargo & Luciano, Ivete Sangalo, DJ Marlboro, Sandy & Junior, Carnaval do Cordão do Boitatá, Pitty, Zeca Pagodinho, Caco Ciocler, Matheus Nachtergaele, Débora Falabella, Adriano Garib, Letícia Spiller, Camila Pitanga, Carmo Dalla Vecchia, Fagner, astróloga Claudia Lisboa; cineastas: Claudio Assis, Silvio Tendler, Mauro Faria; diretores: Hamilton Vaz Pereira, Moacir Chaves, Roberto Alvin, Eric Lenate, Daniel Herz, Jodele Larcher. Para nos conhecermos melhor, sugiro um bom papo acompanhado de um café, ao vivo ou via Skype. Um abraço apertado, Silvana O crédito da logo da Passarim é do amigo, competente designer e fotógrafo, Philippe Leon.

UMA ÁRVORE DE NATAL, CRÔNICA NA ANTOLOGIA DO SARAU ATEMPORAL

Convido vocês para a leitura da minha crônica, abaixo, Uma Árvore de Natal, que está na Antologia de Natal do Sarau Atemporal 2021, da Editora Apena @apena.editora, que estou participand
Desejo um amoroso e ensolarado 2022!❤️🌻❤️
Antologia de Natal estea disponível para leitura, gratuitamente, pelo link: https://cutt.ly/cY7Guvb (autores por ordem alfabética. Uma Árvore da Natal está na página 82).

Uma Árvore de Natal

Percebo que deixei de lado a minha pequena e companheira Árvore de Natal neste dezembro. Mas arrumei um lugar para ela em cima de uns banquinhos coloridos que habitam a sala. Me pareceu que ela está feliz ali. Mas não pendurei seus enfeites. Até comprei mais alguns, como faço todo ano, mas os dias passando, dezembro avançou e não me reuni envolta dela, sentada no chão da sala, para colorir suas hastes ainda verdinhas com velhos e novos penduricalhos. Juntei por perto uma caixinha de lâmpadas pisca-pisca que comprei no ano passado. Ela ficou ali. Nada justo com aquela pequena árvore que já chegou com suas bolinhas vermelhas de metal nas extremidades.

Ela me conquistou de relance, após um dia de trabalho temporário, quando o andar apressado parou em frente  à pequena lojinha na Rua do Rosário, no Centro do Rio de Janeiro. Naquele tempo de pouca beleza, fazia o caminho até o ônibus por ali, para ver o colorido das  lojas de flores da rua. Parecia pequena, mas uma boa possibilidade da casa ganhar o colorido de uma árvore nova, após um ano duríssimo, em todos os sentidos.

Neste amontoado de anos, aventuras de três décadas desde aquele fim de tarde, quando resolvi levá-la para casa. Ali, ela representava conquistas de algum trabalho após uma separação dolorida, com um filho pequeno e triste para consolar.  Sim, com coragem e determinação em me acompanhar, minha Árvore de Natal pode contar aventuras e desventuras de uma mulher repleta de possibilidades e reinvenções. Ela me ajuda a separar estas décadas. E me faz lembrar, quando a cada dezembro nos reencontramos e, enquanto baixo os seus galhos e coloco seus enfeites, passamos a limpo o ano em questão.

Em anos de casa cheia, numa década ainda perto, uma árvore grande foi colocada na sala, para que os pequenos, o afilhado e filhos dos amigos, pudessem ter uma tarde de entrega de presentes com mais impacto. Árvore exuberante. Como estava a vida naqueles anos, mais nos trilhos, entre os amores que me cercam e outro que havia chegado. Mas a minha pequena árvore nunca ficou sem estar por perto. E, naqueles anos, esteve junto, no meu local de trabalho. Mas a grande árvore não se sustentou naquela sala, naquela década que parecia perfeita. Seguiu. Não a pequena Árvore, que comigo se mudou de casa. De vida. De cidade.

Neste 2021, ainda dando pequenos passos de conquistas para lá e para cá, ainda tateando os últimos dias de mais um ano desafiador, faltando exatos dez dias para o tão esperado 25 de dezembro, minha pequena Árvore ganhou seus enfeites. Ganhou também um laço dourado no seu galho verde mais alto e o pisca-pisca de colorido leve, de mudança de cores quase em lentidão. Conversamos. Falei do tempo de incertezas, das pequenas alegrias que ainda cultivo. Confessei meus medos. Partilhei pequenos segredos para este 2022. Mas, da nossa cumplicidade, o que não mudou no compartilhar com a minha pequena Árvore de Natal foi a fé na vida que me alimenta – com as palavras que transbordam de mim e me consolam, com o desejo que as fatias de 2022 sejam de tempos de paz. E de leveza, para os meus amores e para a humanidade.

Feliz Natal!

Pedro do Rio, Petrópolis, RJ, 15 de dezembro de 2021.


CARTA PARA ZELIA

Petrópolis (RJ), 02 de fevereiro de 2021.
Querida Zelia, saudades de você e das nossas conversas.
Desejo que estejas em paz, ao lado de Jorge, seu grande amor.Te escrevo no dia de Nossa Senhora dos Navegantes, dia de Iemanjá, da lavagem das escadarias do Bonfim. Adoraria estar em Salvador, mas não devemos viajar neste momento de Covid-19. Escrevo para te contar que “Um chapéu para viagem” ganhou vida na minha vida, quando numa viagem à trabalho na cidade histórica de Paraty, no Rio de Janeiro, ganhei um chapéu lindo e florido de uma grande amiga.
Naquele mesmo dia contei sobre a importância do seu livro, quando te acompanhei até o momento do apito do navio, aquele que fez seu pequeno filho estremecer. Você dividida, a aflição por deixar “os seus” para tentar a sorte com Jorge no estrangeiro. Quanta coragem cabe no coração de uma mulher, Zelia? Conhecendo mais de perto as suas aventuras no exterior como a companheira de Jorge, percebo também que elas contribuíram para a sua jornada como a imensa escritora que você se transformou.
Mas preciso te contar do meu chapéu, querida Zelia, pois ele faz parte da minha alma andarilha, da coragem para a vida como você, que embarcou naquele navio sozinha, enquanto o Brasil perdia jovens e intelectuais pela ideologia de um país melhor e mais justo. Este chapéu, que ganhou o título do seu livro, guarda as lembranças em um dos encontros mais lindos da minha vida, quando retornei ao Espírito Santo após 40 anos, para rever a família que ficou guardada na minha memória após a perda do meu pai. Voltar lá para rever os meus, na companhia do meu chapéu para viagem, foi como estar de mãos dados com meu pai, em segurança.
E o chapéu fez um sucesso daqueles, como aquele que Maria Della Costa lhe presenteou para o seu embarque. Zelia, também preciso te contar que todos os anos estou na mesma Paraty trabalhando no Festival deJazz com a parceira que me deu o chapéu. E logo ali na praça da Igreja Matriz tem o livreiro da Kombi e você acredita que achei um exemplar de Um chapéu para viagem? Sim! E consegui presentear a nobre amiga com ele e isso me encheu o coração de alegria.
Querida, além do chapéu que me deste o título, sua escrita tardia foi um ato de generosidade, inspiração para esta escriba que vos fala. Pelas suas palavras conheci um pouco mais você e da nossa história. Só tenho a agradecer. Mas, depois, você me levou para suas andanças nas “Europas” com “A Senhora Dona do Baile”. Preciso confessar que fiquei muito emocionada com a publicação, mas vou te escrever sobre ela na próxima cartinha.
Afetuosamente, Silvana
Foto: Meu Chapéu para Viagem em Angra dos Reis.

SOBRE Zélia Gattai (1916-2008): Escritora brasileira que começou a escrever com 63 anos. Estreou na literatura com o livro de memórias “Anarquistas Graças a Deus”. Recebeu o Prêmio Paulista de Revelação Literária. Viveu com o escritor Jorge Amado durante 56 anos. Em 2001, foi eleita para a Academia Brasileira de Letras, para a cadeira n.º 23, a mesma que pertenceu a Jorge Amado.

MUITO ALÉM DAS ABOBRINHAS

Ela é de sabores fortes e prefere salgados pela manhã. Uma pasta de atum tá de bom tamanho. Costuma usar o batom mais vermelho que já vi na vida, tipo cara de boneca. É uma mulher grande. Gosta de guardar coisas e sempre diz: mas se eu precisar de um parafuso eu sei onde está, uma fita, eu tenho!
Sem críticas, é divertido pedir coisas e ela ter coisas, coisinhas e eteceteras. Mas o melhor é observar que neste contorno está uma pessoa que atende o outro, ajuda o outro. Se você tem uma chave de fenda na gaveta, como não vai ajudar na minha mudança, no conserto do São Francisco de madeira ou o meu Mac que deu uma desconfigurada? 

Designer das boas. Produtora de arte de uma sensibilidade absurda para o bom gosto. E, com tantos talentos para o bom gosto, claro que viajava com as listinhas de compras das amigas em um caderninho. Nos últimos tempos, fez as pazes com os desenhos, ou com a sua aptidão para lindos rabiscos. 

Um dia, uns dias, abrimos o escritório na praia, já que fomos demitidas da empresa onde trabalhávamos no mesmo dia. O que fazer se não rir da nossa própria cara, era o nosso mantra. Quando passei a mensagem sobre a lista de compras, ela ao menos perguntou o motivo e andou rapidamente, até comentei brevemente que era sobre um texto.  A moça de paladar apurado, que assumiu estar perto e cuidar dos pais  bem antes de ter motivos, está ao lado da mãe após a partida do seu pai, além de toda burocracia familiar, obvio. E naquela listinha de mercado e de farmácia da semana veio a moça que ganhou umas alterações, como um colesterol, umas vitaminas e um apego por tantos legumes e verduras que precisei fazer uma piada do tipo, saudável, hein? O que ela retrucou: “A gente tenta rs” 

Tempos e tempos se passaram, duas décadas exatas daquele ano de demissões no mercado da música carioca. Quantas praias, quantos choros,  até andamos mais idosinhas, mas ainda adoramos essa coleguisse de meninas. Minha amiga Pat (@patfernandes) é tão companheira que numa praia sagrada de um 31 de dezembro, lá de cima, do céu azul do verão carioca, deslumbramos um bando de  biguás que fazia desenhos em V. Linda passarada, ave aquática, também conhecida como corvo-marinho. Sim, elas cagaram nas nossas cabeças e corpinhos desnudos em uma tarde de ano novo. E como não rir da nossa cara!? 

Foto na praia, claro!


BRUNO GOYA É ATOR PREMIADO NO CINEMA QUE ESTÁ NA SÉRIE ARUANAS

Trabalhar com atores é sempre meio de repente, pois são pessoas que quando tomam uma decisão, em três ou quatros mensagens, ou numa ligacão, já estamos mãos a obra.
E com Bruno Goya não foi diferente. E, de repente, estava perto de 15 de novembro e falávamos de Aruanas com estreia em 25 de novembro, pela Globoplay. Ufa!
Sim, o ator de Caruarú que aos 28 anos fez de brincadeira uma aula de teatro e mudou de profissão, já tem na estante oito prêmios como Melhor Ator por sua atuaçnao no cinema. E Bruno Goya é Falcão nas duas temporadas da Aruanas, série que fala sobre a importância do meio ambiente e sua proteção. Atualmente, o ator está filmando Cangaço Novo, série da O2 para a Amazon Prime Vídeo.
Bruno é uma pessoa sensível, querida, amorosa e fofa no lidar do dia-a-dia. Estou amando.
Para conhecer melhor este ator, que também participou de diversas produções, como a série Onde nascem os fortes e o longa incensado Aquarius, vale acompanhar ele nas redes ou dar uma olhada nas notícias do clipping de imprensa, abaixo.

FB: @bruno.goya.37
Instagram: @bruno_goya
Reel: https://www.agentesefala.com.br/brunogoya
Ator da A Gente Se Fala

Clipping assessoria de imprensa: https://drive.google.com/drive/folders/1dTLe1l5gG8YsGsVP6e9feC2yvg4iGk4D?usp=sharing

Foto de Rafael Augusto

ESTHER WEITZMAN RETORNA AOS PALCOS COM SUA CIA DE DANÇA

Neste 2021 as cias de dança me brindaram com suas temporadas e apresentacões. Agora é a vez de trabalhar com a diretora, coreógrafa e bailarina carioca, Esther Weitzman, que reuniu bailarinos e equipe técnica de duas décadas de companhia e colocou todo mundo para dançar no ótimo espetáculo, As Histórias Que Inventamos Sobre Nós. Montagem da Esther Weitzman Companhia de Dança, aclamado pela crítica e pelo público por três temporadas, nas comemorações dos 20 anos da cia, em 2019, que retornas aos palcos após o hiato imposto em 2020, com temporada popular de três finais de semana (até o dia 12 de dezembro), que se iniciou no dia 26 de novembro (6ªf), no Centro Coreográfico do Rio de Janeiro, Teatro Angel Vianna, de sexta a domingo. Além de uma única apresentação no Teatro João Caetano, dia 10 de dezembro (6ªf). As nove apresentações acontecem às 19 horas. Vendas pelo Sympla.

Foto Renato Mangolin

Clipping assessoria de imprensa: https://drive.google.com/drive/folders/1ayllfUgd2KtgV4EDMiIKnLH3iPJD76h_?usp=sharing

UMA TORTA PARA VIAGEM: UMA HISTÓRIA DE AFETOS

Sim, eu herdei o caderno de receitas da vovó. Está velhinho, com as páginas quase marrom pelo tempo, mas nelas estão as letrinhas escritas à lápis que muito reconheço, da minha avó materna Maria da Penha. Sou a neta da casa, a neta que misturava e dava ponto na massa da Torta de Leite Condensado que vovó levava de presente nos aniversários da família e dos amigos. Um doce clássico em três etapas: uma massa fina de biscoito que vai para o forno corar um pouco, não muito, enquanto muitas gemas e leite condensado se misturam para a segunda etapa, quando seguem para o cozimento em cima da massa já pré-assada. Na terceira e última etapa, claras batidas em neve eram distribuídas em cima do creme já cozido, retornam para o forno, quando se transformam em suspiro.

Perfeição era o nome daquele tabuleiro que parecia imenso quando eu era pequena, mas descobri que ele era imenso mesmo, para acolher o doce que era cortado em quadradinhos e arrumados com delicadeza em uma caixa de camisa social masculina, onde os dedinhos já não tão perfeitos da cozinheira me ensinavam acomodá-los de forma que não colassem uns nos outros. Até hoje não sei dizer como vovó arrumava aquelas caixas, pois os aniversários eram muitos e minhas mãos doíam com o volume do presente gostoso. Com a idade avançada, vovó já não fazia mais o doce. Na minha vida corrida, nunca me aventurei nas suas etapas complexas, mas a lembrança daquela caixa amarrada com barbante apoiada no nosso colo, quando levávamos aos aniversariantes de ônibus ou trem, está comigo.

Há alguns anos, no Espirito Santos, com primas e primos para as comemorações da Páscoa, com almoços e jantares regados a muita torta capixaba, minha prima Ana colocou à minha frente uma caixa de pizza. Fiquei olhando a caixa e, por um instante pensei como ia trocar a torta capixaba pela pizza. Mas ao abrir a caixa ganhei de presente as minhas lembranças  com a visão daqueles quadradinhos da Torta de Leite Condensado da Vovó. Chorei. Abracei Ana e agradeci. Ela disse: Passávamos o ano esperando o Tio chegar para a Páscoa. Trazia a caixa de camisa que Dona Maria enviava com o doce mais gostoso que comíamos naquela época. O Tio era o meu pai, que pegava um ônibus conosco do Rio de Janeiro para Vitória e outro para a serra capixaba, com presentes e uma caixa de camisa repleta de sabor de Páscoa para os meus primos, o singelo e doce presente enviado pela Vovó.

Foto do caderno da Vovó, por Silvana Cardoso, outubro, 2021