Arquivo da categoria: Escritos

UMA TORTA PARA VIAGEM: UMA HISTÓRIA DE AFETOS

Sim, eu herdei o caderno de receitas da vovó. Está velhinho, com as páginas quase marrom pelo tempo, mas nelas estão as letrinhas escritas à lápis que muito reconheço, da minha avó materna Maria da Penha. Sou a neta da casa, a neta que misturava e dava ponto na massa da Torta de Leite Condensado que vovó levava de presente nos aniversários da família e dos amigos. Um doce clássico em três etapas: uma massa fina de biscoito que vai para o forno corar um pouco, não muito, enquanto muitas gemas e leite condensado se misturam para a segunda etapa, quando seguem para o cozimento em cima da massa já pré-assada. Na terceira e última etapa, claras batidas em neve eram distribuídas em cima do creme já cozido, retornam para o forno, quando se transformam em suspiro.

Perfeição era o nome daquele tabuleiro que parecia imenso quando eu era pequena, mas descobri que ele era imenso mesmo, para acolher o doce que era cortado em quadradinhos e arrumados com delicadeza em uma caixa de camisa social masculina, onde os dedinhos já não tão perfeitos da cozinheira me ensinavam acomodá-los de forma que não colassem uns nos outros. Até hoje não sei dizer como vovó arrumava aquelas caixas, pois os aniversários eram muitos e minhas mãos doíam com o volume do presente gostoso. Com a idade avançada, vovó já não fazia mais o doce. Na minha vida corrida, nunca me aventurei nas suas etapas complexas, mas a lembrança daquela caixa amarrada com barbante apoiada no nosso colo, quando levávamos aos aniversariantes de ônibus ou trem, está comigo.

Há alguns anos, no Espirito Santos, com primas e primos para as comemorações da Páscoa, com almoços e jantares regados a muita torta capixaba, minha prima Ana colocou à minha frente uma caixa de pizza. Fiquei olhando a caixa e, por um instante pensei como ia trocar a torta capixaba pela pizza. Mas ao abrir a caixa ganhei de presente as minhas lembranças  com a visão daqueles quadradinhos da Torta de Leite Condensado da Vovó. Chorei. Abracei Ana e agradeci. Ela disse: Passávamos o ano esperando o Tio chegar para a Páscoa. Trazia a caixa de camisa que Dona Maria enviava com o doce mais gostoso que comíamos naquela época. O Tio era o meu pai, que pegava um ônibus conosco do Rio de Janeiro para Vitória e outro para a serra capixaba, com presentes e uma caixa de camisa repleta de sabor de Páscoa para os meus primos, o singelo e doce presente enviado pela Vovó.

Foto do caderno da Vovó, por Silvana Cardoso, outubro, 2021

PARA MULHERES JORNALISTAS: CINEMA BRASILEIRO TEM DNA FEMININO DESDE 1930

Publicado no Mulheres Jornalistas: https://mulheresjornalistas.com/cinema-brasileiro-tem-dna-feminino-desde-1930/cultura/

Aos 17 anos, a paulistana Tereza Trautman trocou a medicina por um curso de interpretação e direção, se aproximou de cineastas como Luiz Sérgio Person, João Silvério Trevisan e Carlos Reichenbach e, aos 22 anos, lançava seu primeiro longa, “Os homens que eu tive”, em 1973. Escrito, editado e dirigido pela jovem cineasta, após seis semanas em cartaz e com sucesso de público e crítica, o filme foi censurado pela ditadura militar e liberado somente em 1980, com o título: “Os Homens e Eu”. Nele, Tereza falava da liberdade e da individualidade da mulher, além do roteiro abordar a independência sexual feminina, esta última, uma das conquistas com a chegada da pílula anticoncepcional, quando as mulheres conquistaram o domínio do seu corpo, com a possibilidade da decisão de engravidar, ou não, de fazer sexo por amor e com um único parceiro, ou não. Protagonizado por Darlene Gloria, o cartaz de “Os homens que eu tive” já sinalizava, e mostrava, a ousadia da diretora.

A cineasta à frente do seu tempo, Tereza Trautman, que assina cinco produções cinematográficas, mudou seu foco quando decidiu ser uma mulher que apoia o cinema nacional. E falar de cinema nacional é jogar luz nessas mulheres que dedicaram suas vidas ao cinema do Brasil, desde a década de 1930, como a histórias da Tereza e de muitas outras que podem ser conferidas na série “As Protagonistas”, de Tata Amaral. A cineasta narra, dirige e faz comentários nos 13 episódios da série, quando se debruçou sobre o audiovisual brasileiro a partir da produção de mais de 70 cineastas mulheres. A diretora foi buscar trechos dos filmes e obras audiovisuais, documentos, fotos, recortes de jornais da época de cada produção, depoimentos das autoras e de pesquisadores para contar a trajetória dessas mulheres, a partir de 1931, com o filme “O caso do dominó preto”, de Cleo de Verberena.

Década por década, Tata inventariou essas cineastas. Foi buscar nas produções, a partir de meados dos anos 1970, a consolidação da mudança do comportamento feminino, bem como seu espaço na sociedade, quando impulsionadas pelas lutas feministas no mundo todo, as cineastas brasileiras passaram a produzir e discutir seu papel como artistas e profissionais. “Elas nos mostram que não existe apenas um “feminismo”, mas “feminismos”, reflete Tata Amaral, que afirma: “Estas cineastas criaram personagens femininas longe dos estereótipos”. Em 1970, década-chave para o avanço dos direitos femininos, quando as cineastas brasileiras realizaram mais de 200 filmes que desafiaram o regime militar, o ambiente machista e se arriscaram expondo sua sexualidade e seu imaginário. Mais que ser censurada com suas produções e retratada pela série, Tereza Trautman assumiu o compromisso de defender a produção independente do cinema nacional e, em 2004, estreou não um longa-metragem, mas um canal por assinatura com programação original e exclusiva, o CINEBRASILTV, que, neste mês, comemora 17 anos de existência.

E foi assim que a ideia da cineasta Tereza Trautman de abrir um canal de audiovisual se tornou uma realidade para autores jovens e consagrados, que produzem documentários autorais investigativos, séries ficcionais inéditas que refletem comportamentos, conflitos e relações humanas. Séries documentais que resgatam tradições das curvas do Brasil profundo. E foi dentro deste conceito que o CINEBRASiLTV produziu, ao lado de cineastas de todos os cantos do país e diretores como Silvio Tendler, Betse de Paula, Cao Hamburger, Jorge Durán, Renato Tapajós, Toni Venturini, Orlando Senna e Paloma Rocha, alguns títulos que são referência para o cinema nacional, como Pobres Diabos, A Nossa Bandeira Jamais Será Vermelha, Antena da Raça, Na Boca do Povo, Fabiana, Sementes da Educação. A criadora do canal reflete: “Ao meio dia de 10 de julho de 2004, com a exibição de “A Descoberta do Brasil”, de Humberto Mauro, o patrono maior do cinema brasileiro, entrou no ar o CINEBRASiLTV. Desde então, continuamos singrando pelos mares, mesmo em meio a tempestades, torcendo para que o mau tempo passe e que possamos ganhar a tão sonhada liberdade. Liberdade não só de ideias, da qual nunca abrimos mão, mas finalmente a liberdade econômica cuja falta sempre nos sufocou”.

Atualmente o canal possui na sua grade de títulos em produção um número que cobrirá a sua programação até o ano de 2025, com títulos exclusivos e originais, claro. Em julho, para comemorar o aniversário, a programação passa pelo Brasil de Glauber Rocha, com a produção original do canal, o documentário em longa-metragem, “Antena da Raça – O Filme” (Brasil, 2020), de Paloma Rocha e Luís Abramo. Selecionado para o Festival de Cannes 2020, o filme resgata o ideário (e memória) de Glauber Rocha questionador e provocador, ao recriar a estética do Programa Abertura, comandado pelo cineasta na TV Tupi entre 1979 e 1980, período da Lei da Anistia. Declara Tereza: “E estamos comemorando o aniversário com a estreia do longa documental “Antena da Raça” e, neste momento, sentimos o quanto Glauber nos faz falta, com o seu espírito irreverente, brilhante e objetivo”.

Como Tereza Trautman, Adélia Sampaio, Helena Ignez, Helena Solberg, Sandra Kogut, Letícia Parente, Sonia Andrade, Ana Maria Magalhães, Tizuka Yamasaki, Suzana Amaral, Lucia Murat, Carla Camurati, Anna Muylaert, Laís Bodanzky, Viviane Ferreira, Eliane Caffé, Yasmin Thainá, Graci Guarani, Heloisa Buarque de Holanda, Julia Rezende e Tata Amaral são alguns nomes que destacamos de mulheres de cinema e do audiovisual brasileiros, para não esquecermos o que elas conquistaram de espaço e reconhecimento para todas as gerações que estão chegando e que ainda vão chegar.

Foto: Tereza Trautman, foto Camila Freitas, divulgação Tangerina Entretenimento

COLHI FLÔR DE CACTO NO IVERNO!

Aprendi a gostar das flores que retornam na primavera para o meu jardim, pois o ciclo da sêca-chuva-florescer fica mais nítido quando estamos fora da cidade grande. Após estar no sítio, percebo a beleza real das estações e, antes mesmo da primavera chegar, chegarão algumas flores não tão famosas como as orquídeas, como a flor do cacto — sim, meus cactos pequeninos de vasinho de plástico florescem. 

E hoje ofereci esta linda flor de cacto vermelha à uma amiga que, um dia, segurou minha mão e me trouxe de volta ao caminho da escrita que eu havia abandonado. Naquele dia, como hoje, ela merece flores por sua caminhada de amor a sua verdade com o outro, por suas tristezas transformadas em vida nova, como as flores de cacto, que brotam entre os espinhos.

Seria fácil falar das orquídeas, as mais amadas e belas, mas hoje, na véspera da chegada da primavera, algo já anuncia que logo logo será tempo de colheita, mas é preciso aceitar as folhas secas no gramado para ver florescer o abacateiro, a mangueira, as suculentas e até o cacto. Nem tudo é orquídea nas nossas vidas.

Amanhã, as flores e os  frutos serão aprendizado de um ciclo, como a amiga que varreu suas folhas e hoje colhe suas flores.

Vale à pena passar por todas as estações com o que cada uma nos entrega de melhor: a transformação. 

Obrigada, @anaholandaoficial, por ser minha amiga e entender quando as palavras transbordam dentro da gente. Amo-te afetuosamente,

PERDENDO REFERÊNCIAS, NUMA CULtURA ÓRFÃO

Sabemos do agora e o agora está doendo dentro de nós. Seja pelo descaso de um governo que virou as costas para a cultura do país, seja pelo incêndio da cinemateca de São Paulo, nada mais é tão visível quando a tristeza que abala a cultura nacional nestas últimas semanas. Estamos perdendo as referências, numa cultura órfão. E todos os dias não é diferente, mas esta semana, com a perda de dois grandes atores, Paulo José e Tarcísio Meira –sendo a partida de Tarcisão (como era chamado pela classe artística) pelas complicações da COVID-19, está doendo em cada um de nós, que vivemos neste universo da cultura, e em toda uma nação, mais uma vez. E costumo repetir a frase do russo Leon Tolstoi (1828-1910): “Canta tua aldeia e cantarás o mundo.”, quando é preciso entender que sem a nossa história cultural, nossas raízes, nosso reconhecimento em nós como povo, vamos perdendo a própria identidade. E Liev Nikoláievtich Tolstói escreveu um dos romances mais grandiosos e aclamados da literatura mundial, “Guerra e Paz”, que na sua versão original tinha mil páginas, onde o autor, um pensador social e moral, um dos mais importantes autores da narrativa realista, passou cinco anos debruçado sobre o romance histórico e filosófico, onde reconstrói a Rússia no tempo de Napoleão, quando escreve sobre a invasão do seu país pelo exército francês, até a sua retirada, entre 1805 a 1820.

E por que falar agora de Tolstoi? Porque as memórias das vitórias, até mesmo das batalhas, precisam ser lembradas e exaltadas com orgulho por seu povo. E o povo brasileiro, como do mundo globalizado, está com sua faixa etária cada vez mais alta. E, para quem atua como esta escriba há mais de 30 anos com cultura, parece que estamos há um passo de perder nossas maiores referências. Pois somos um país jovem, sem muitas batalhas como foi no continente europeu, que após suas conquistas ficaram conhecidos como Mundo Velho, ali no século XV. E o que Tarcísio e Paulo representam nesta escalada de dor por tantas perdas? Estamos nos transformando em um país que não houve a ciência, não preserva suas florestas, seu povo, suas memórias, pois atua com descaso para a memória cultural, como aconteceu recentemente com o acervo precioso da Cinemateca Brasileira em São Paulo, após o incêndio devastador no dia 29 de julho. Como aconteceu também com o Museu Nacional do Rio de Janeiro em 2 setembro de 2018, que até aquela data era considerado um dos maiores acervos de história natural e antropologia das Américas, com mais de 20 milhões de itens históricos.

Hoje, após a notícia da partida do nosso Tarcísio Meira, somada a partida do nosso Paulo José, não somado a isso a ideia deles serem já homens com idade avançada, mas somado a falta que suas vozes, e de tantos que já partiram desde Flávio Migliaccio e Aldir Blanc, farão falta para toda uma sociedade que clama por paz e honestidade, em meio a guerra contra o vírus. Após essa reflexão, sentei olhando os pássaros se alimentando no comedouro do abacateiro – livres –,  pensei que poderia ser melhor estar sendo passarinho neste dolorido contexto. Mas como o canto dos pássaros, temos ainda que acreditar nas vozes pensantes e coerentes do nosso povo, aquelas que lutam por cada pedaço de floresta ou acervo, que lutam por cada grito de liberdade, de honestidade, de igualdade. Sim, que venha a renovação para novos tempos de paz e prosperidade. Enquanto acreditamos nisso, deixo um pequeno trecho de Guerra e Paz, de Leon Tolstoi, que pode traduzir o que precisamos mais agora que no século IXX.

“Como se através de uma janela aberta num quarto abafado soprasse de repente um ar fresco do campo, assim também soprou, no abatido estado-maior de Kutúzov, a mocidade, a energia e a convicção da vitória que vinham daquela juventude radiosa que chegara a galope.” (trecho do romance Guerra e Paz, de Leon Tolstoi)

Foto: o luto!