Arquivo da categoria: Escritos

DIA DE COSME E DAMIÃO, DIA DE MUITAS LEMBRANÇAS

Dia de Cosme e Damião, que para os crédulos inclui o pequeno Doum, que de tão pequeno, quando se foi,  não deu tempo de aprender a falar.
Hoje fiz um agrado para as crianças, como faziam minha mãe e meu Tio Adilson.
Mamãe adorava ir na Casa do Biscoito para comprar caixas de doces para fazer os saquinhos. Nos seus últimos anos, já com pouca memória, eu e meu filho Diego íamos para lá distribuir os doces dentro dos saquinhos, pois se deixássemos com ela sozinha um ganharia só bananada e pirulito e outro suspiro e Maria-Mole.
Era divertido vê-la feliz fazendo aquela confusão para encher os pacotinhos com a foto dos santos estampada no papel. Depois, chamava as crianças do condomínio e passava a semana contando como foi a bagunça na sua janela, no apartamento de primeiro andar. Já o Tio tinha uma prateleira com um pequeno altar aceso com uma lâmpada tipo bolinha, colorida de abobora ou azul, mas sempre acesa, com um pratinho com doces e três copinhos pequeninos, que sempre tinha guaraná. O Tio trocava doces, balas e guaraná por todos os fins de semana de sua vida.
Mamãe e o Tio eram os irmãos mais novos, ele o caçula com diferença de quatro anos para ela. Mas quis o destino que eles tivessem juntos o Tifo. Ele criança, ela quase mocinha. Uma doença que matava, com uma febre que cozinhava o enfermo. Sobreviveram. Dizem que graças a fé de minha vó nas crianças da crença popular – São Cosme e São Damião.
Hoje lembrei deles e corri na rua para comprar uns doces. Liguei para a Tia Marlene (mulher do Tio) e descobri que ela havia feito o mesmo, correu na rua para arrumar o altarzinho dos santinhos.
Independente da nossa crença, carregamos a crença dos nossos e hoje me senti um pouco perto deles, que partiram quase juntos em 2015.
Achei que ficou bonitinho, coloquei uma rosinha. Agradeci, desejei parabéns e fiquei feliz com o ritual tão familiar.
Feliz dia de Cosme, Damião e Doum.

Pedro do Rio, 27 de setembro de 2020.
Foto que fiz da da homenagem, com doces e a velinha.

SALVAR ARTHUR E OUTRAS CRIANÇAS COM AME

Fui convidada para escrever uma matéria sobre o caso do bebê Arthur, que precisa do medicamento mais caro do mundo até completar dois aninhos de vida, no dia 8 de novembro. Luta desleal que muitas famílias enfrentam, contra o tempo, contra a AME (Atrofia Muscular Espinhal). O texto foi publicado hoje no coletivo Mulheres Jornalistas, um espaço lindo com base em POA, feito por mulheres corajosas. Segue o link e o texto, logo abaixo.
http://mulheresjornalistas.com/?p=1911

TEXTO NA ÍNTEGRA:
VEICULO: COLETIVO MULHERES JORNALISTAS
PAUTA: MEDICAMENTO MAIS CARO DO MUNDO, PARA AME, PODE SALVAR BEBÊS COMO ARTHUR BELO
POR SILVANA ESPIRITO SANTO, DO RIO DE JANEIRO

Alessandra teve uma gravidez tranquila e contava os dias para a chegada do primeiro filho, um menino. Desejava sair de São Paulo para Minas Gerais levando seu pequeno para conhecer suas amigas e sua família. Já Alailson, seu marido, de uma família musical, sempre perguntava qual instrumento seu menino gostaria de tocar – violão ou sanfona? Mas sempre comentava que desejava presentear o filho com um piano.

Arthur nasceu no dia 8 de novembro de 2018, com 3.370 quilos e 51,5 centímetros, chegou com grandes olhos pretos e hoje já é quase um “rapazinho”. Mas Arthur tem uma doença rara, grave e progressiva,  conhecida como AME (Atrofia Muscular Espinhal), que atinge o sistema nervoso, aquele que controla os movimentos do seu corpo e até da sua respiração.

“Toda criança tem seu tempo. Não víamos nada de tão diferente para uma doença tão grave. Alguns pediatras não identificaram a AME. O diagnóstico veio aos três meses. Chorei muito e foi difícil dar a noticia para a família. Não imaginávamos a gravidade, mas a forma como chegou para nós foi muito difícil, o mundo desabou. E os sonhos foram para a gaveta.”, relembra Alessandra Ferreira Santos, mãe de Arthur Belo.

Alguns sintomas podem confundir e atrasar um diagnóstico mais preciso e precoce, para ajudar a descobrir não só a enfermidade, mas também o nível de gravidade da doença – que possui marcadores de I a IV, sendo AME Tipo1 a mais severa. Estatísticas mostram que a Atrofia Muscular Espinhal já é a maior causa genética de morte de crianças de até dois anos de idade. Atualmente, o AME já pode ser diagnosticado com o “Teste do pezinho” e o “Teste da bochechinha”.

E como dizer, reagir, conviver e dar conta de uma notícia tão angustiante? Para as vinte e nove famílias de crianças de todo o país, cadastradas no endereço de campanha online para arrecadar fundos para tratamentos de crianças com AME (@campanhas_amebrasil), a solução encontrada foi expor suas dores nas redes sociais. Campanhas por auxílio financeiro para conseguir importar o medicamento mais caro do mundo. Fabricado nos EUA pela Novarts e indicado para tratamento dos bebês diagnosticados com a doença antes de completarem dois anos de vida, já que pesquisas naquele país apontam que se aplicado até os dois primeiros anos de idade o medicamento pode reverter muitas das perdas motoras da criança.

Foi em 2019 que a FDA, agência reguladora de medicamentos dos EUA, chancelou o uso do Zolgensma para o tratamento da AME e uma luz no fim do túnel se abriu para estas famílias no nosso país. Uma esperança que tem um sentimento dúbio, já que o medicamento, em dose única custa R$11 milhões, além das despesas referentes as necessidades do tratamento,  como internações e exames, onde pode somar mais R$1 milhão nesta conta. No Brasil, foi publicado no Diário Oficial de 17/8/2020 a homologação, pela ANVISA, para a comercialização do medicamento no país.

Mas o que falar para as famílias com suas crianças com AME que completarão dois anos antes do Zolgensma estar disponível para venda no país? E como será este trâmite dentro do SUS para tratar as crianças já diagnosticadas? Para algumas famílias, além da busca por auxílio de vaquinhas para custear o tratamento, eles constituem um pedido judicial para que o Sistema Único de Saúde (SUS) realize o tratamento com o remédio vindo dos Estados Unidos. Que acontece a partir do ganho da causa por liminar judicial, quando o SUS complementa o valor que falta para o tratamento, a partir do montante arrecadado na campanha online da criança.

Para Arthur Belo, o menino dos grandes olhos pretos, diagnostico com AME1 aos três meses de vida, o “tipo” mais agressivo da doença, o tempo está se esgotando. Mas sua mãe, Alessandra Ferreira Santos, que aos 28 anos deixou o emprego para cuidar do seu único filho em tempo integral, está em busca de ajuda financeira para salvar seu bebê, campanha que tem apoio até de artistas famosos. Ela e seu marido, o técnico de celular Alailson Belo, são pessoas simples, sendo o valor do tratamento, bem como as despesas referentes aos cuidados que Arthur necessita em virtude da AME, onerosos para uma família brasileira de baixa renda.

Arthur e muitos outros bebês, meninos e meninas que poderiam estar brincando na praça do bairro, lutam contra o tempo e contra uma doença neurodegenerativa que, além da atrofia, pode levá-los à morte precoce.

Contar a história de Tutu, como é carinhosamente chamado o bebê Arthur, é também falar das muitas famílias com crianças com AME. Famílias que dependem de vaquinhas, do SUS ou mesmo da Novarts, para que possam ter uma nova oportunidade de vida para os seus filhos e, quem sabe, desengavetar antigos sonhos.

Por Silvana Espirito Santo, do Rio de Janeiro.

No site da NovartIs, textos esclarecedores sobre AME, pelo link https://conteudos.novartis.com.br/pt-br/atro%EF%AC%81a-muscular-espinhal.

Entidades de apoio AME:
AAME: Amigos da Atrofia da Medula Espinhal
ABRAME: Associação Brasileira de Atrofia Muscular Espinhal
DONEM: Associação dos familiares e amigos dos portadores de doenças Neuromusculares
Espaço Viva Íris Terapias Neuromotoras
INAME: Instituto Nacional da Atrofia Muscular Espinhal

Como ajudar Arthur Belo:
Vaquinha virtual: http://vaka.me/641285
Depósitos em contas bancárias:
Itaú: Agência 8111 Poupança 13027-7
Bradesco: Agência 000084-1 Poupança 1004727-7
Santander: Agência 0001 Poupança 600524961
Caixa: Agência 4051 Poupança 107514-5 (operação 13)
Banco do Brasil: Agência 1194-0 Poupança 33.375-1 (variação 51)

CONHEÇA, SIGA E APOIE ARTHUR BELO:
facebook.com/amearthurbelo
https://vm.tiktok.com/Jj13VQU/
https://twitter.com/amearthurbelo_?s=12
https://instagram.com/amearthurbelo?igshid=7nweqs3st2w1

PALAVRAS

Acordo com as palavras
Ao levantar converso em elas
Vamos juntas alimentar os passarinhos
Palavras que me acordam
Também me fazem companhia
Me acolhem
Me escutam
Encontro nelas um lugar seguro
Para estar e sentir
Palavras guardadas de segredos
Quando jogo ao vento e esqueço
A força da palavra
Que me habita
Também me consola
Em dias de silêncio
De estrada vazia

BR 116, 4 de agosto de 2020
Foto Dudu na varanda da Casa Passarim numa manhã de inverno.

QUANDO TRANSBORDO

Estou bem e mal, mas tentando dar conta. A certeza quase infantil de que a vida corre sem que tenhamos que prestar tanta atenção nela. Aquele olhar distraído, para não voltar a ser adulto e querer sair correndo. E sorrio enquanto transbordo em ideias, tristezas, lembranças e alegrias. Assim, tudo misturado mesmo, sabendo que sou adulto, que não posso me levar muito a sério, mas que sou adulto e não vou colocar questões embaixo do tapete. Falei quase distraída numa conversa de WhatsApp.
E se a culpa é da pandemia, a falta de perspectiva é a pandemia, a ignorância é a pandemia, enfim, agora a culpa é da pandemia. E com tudo que envolve o hoje e o agora eu pergunto como se fosse criança: então por que não nasci em um lugar mais justo? Custava nascer em um país desse civilizado, tipo a Nova Zelândia? Ter trabalho, segurança, ver pessoas sendo respeitadas como seres humanos? Ok, meu filho teria que ter nascido lá também, só para ficar bem explicado esse negócio. Vai que eu durmo e acordo na Nova Zelândia, sem filho. Como sem filho se já vivi mais tempo sendo mãe do Diego que comigo mesma.
Mas quando transbordo vale tudo e estar perto de mim pode ser intenso, como escreveu uma amiga numa definição para um texto meu que ela publicou. Mas é só inquietude de fazer e ver feito, de amar e ver amado, de andar por ai e enxergar, de criar asas mesmo estando trancada no meu jardim.
Não importa, quando transborda sobra para todos os lados e todos os lados que olho vejo que há conserto, há como arrumar e aparar umas arestas. Inquieta, eu? Não. Percebo que acredito, que é melhor que ter esperança, que vem de esperar.
Costumo fazer e gosto de companhia, mas se não tenho, vou fazendo sozinha mesmo porque gosto de andar por ai comigo e meus pensamentos voam como os sabiás aqui do sítio.
Transbordo todos os dias com a vida que vibra e pulsa, sabe? Dá uma chacoalhada boa quando acordamos e olhamos verdadeiramente para dentro e para fora, como uma criança. Experimenta, vai?
Na foto, a criança que às vezes ainda me habita. Na trilha, minha diva inquieta Nina Simone, com Ain’t Got No, I Got Life. https://www.youtube.com/watch?v=L5jI9I03q8E

QUAL A HORA DE DESISTIR, MUDAR OU REINVENTAR?

Um limoeiro velhinho caído para um lado, repleto de fungo, não produzia. A sugestão era cortar e plantar outro no terreno.
Mas qual a hora de desistir, mudar ou reinventar a roda? Seja do limoeiro, do trabalho que não inspira mais ou em tempos de Covid?
Um dia, crescia profissionalmente, fui destratada pela gerente e desisti pela desumanidade. Anos depois, já em cargos de chefia, troquei de empresa ao vislumbrar carreira numa gravadora multinacional. Assumi uma gerência no depto de marketing, mas a pirataria de CD chegou e vi amigos sendo dispensados, até que fui demitida com oito gerentes.
Fecharam 716 mil empresas e penso: carreiras interrompidas.
Trocar de empresa ao receber boa proposta, gostar do que faz e ser dedicado não são garantias para identificar que podemos estar por um fio no mercado de trabalho, como agora.
Voltando ao limoeiro idoso do meu quintal: se tivesse decidido cortar, se não tivesse dedicado tempo para podar, limpar seu caule, apoiar uma estaca, dado uma chance, não saberia hoje, dois anos depois, que teria limões galegos amarelinhos. Mudar, desistir e se reinventar demanda muito trabalho, pois é preciso ter coragem para seguir em rota desconhecida. Assim como o limoeiro, precisamos de uma chance, mesmo quando estamos meio derrubados.
Na foto, eu e o limeiro no fundo do quintal da Casa Passarim.
Uma semana de afeto.

FIZ UMA LIVE COM VANDRÉ SILVEIRA

Quando chega um aviso de live eu penso: mais uma, não sei como dar conta, DeusMeLive. Mas quando recebi o convite para fazer uma live, aí sim pensei: com certeza não vou dar conta.
Mas a recusa não teve aceite e dei conta, e arrumei a luz para não ficar com cara de fantasma e falei pelos cotovelos com o querido amigo e talentoso ator, Vandré Silveira.
O trabalho me uniu ao Vandré há alguns anos, mas o prazer pelas coisas simplas da vida, a fé nas pessoas, o amor pela natureza e os animais, foi o que acolheu e fez crescer nossa amizade além do dia a dia da parceria de trabalho.
Nesta live tem um pouco desses temas, desses nossos papos sobre a vida, sobre ser emotivo, emocionado e crédulo de que tudo tem seu tempo para acontecer. Falamos também da finitude.
Em um determinado momento da transmissão, conclui que somente eu falava, o que Vandré, com seu jeitinho sensível, amoroso e gentil me respondeu : “mas eu faço a mediação e você fala, é assim mesmo”.
Como não amar este querido que me arrastou para o instagram, com cara de cansada, às vésperas de colocar no ar a segunda edição de conteúdos do Festival estar Bem. Pelo menos passei um corretivo nas olheiras. Vai lá conferir e me diz.
LIVE com Vandré Silveira: https://www.instagram.com/tv/CBl7hLbDmuM/?igshid=io48qgu6xogk


SAUDADE É O AMOR QUE FICA

Ando impregnada de saudades diversas. Ausências que se misturam com os aromas, os sabores e os cheiros de cada um, de cada coisa. E se aninham na saudade que foi me tomando todo o sentimentos de mãe, de sogra, de filha-sobrinha, de prima, de amiga, de madrinha, de vizinha, de fazer farra com as garotas do supermercado do bairro.
Mas ontem, e antes de ontem, as notícias, as preocupações com os meus de perto, os próximos, os não tão próximos, a cidade, o pais, ando doída dessa saudade do amor que fica, que me aperta o peito dizendo: vai passar, mesmo doendo, vai passar.
E hoje, Dia das Mães, que Vovó dizia ser todos os dias, me abraço às fotografias da última visita de Diego aqui em casa, em Pedro do Rio, o último jantar com DiegoCarol e os gatinhos, a feira de sábado com a TiaMãeMarlene e Deise, a minha conchinha. Meu afilhado e a briga para quem come mais batatas coradas no almoço, enquanto a comadre Susana briga para deixarmos “pro vovô”.
Saudades diversas de muitos amores que me habitam o peito e a alma, com o amor que fica dentro e fora de nós enquando esperamos por dias mais felizes para a humanidade. E rezo por isso todos os dias, por todos.
Mas Deus, que sempre me desafia, me brindou com um filho emprestado, que chegou esta semana com os desdobramentos da quarentena.
E enquanto a vida de uns está vazia, a minha rotina está de casa cheia de alegria e tatefas, com a chegada de Lucas e Aquiles – filho de 23 anos do meu marido Alfredo e seu idoso cão.
Peço licença aos que passam por aqui para falar com Dico, Carolzita e gatinhos, TiaMinha, DeiseConchinha, Dindi, Susanete, Pat, Mimi, Tatá, Alzer e Tintia, Bruno e Binalda, Andrea, APaula, Juju, Giloca, Sergio, Joaninha, Regina e João, Pat e Nuxa, Helen, a Renata que chegou agora com a força de quem segura na mão e aquece o meu coração, e, a todos, o meu mais afetuoso e apertado abraço de domingo.
Mas como saudade é o amor que fica, passo por aqui impregnada também desse amor que distribuo para todos vocês.
Feliz Dia das Mães!

FESTIVAL ESTAR BEM @festivalestarbem

Acontece no Instragram e FB 18 e 19/04, sáb e dom, das 12h às 18h, vídeo e lives com dicas de saúde, bem estar, gastronomia, shows, entretenimento e arte.
Diante de tudo, por tudo, na última semana de março me revirei em insônia, mas resolvi buscar apoio na Yoga online de uma profissional aqui de Petrópolis.
Fiquei ótima e desejava que todos tivessem a oportunidade de fazer algo para o equilíbrio físico e mental. Pensei em dicas que ficassem armazenadas num único local, numa corrente de ajuda para amenizar esse sufoco. Somado a isso, tantos profissionais de saúde e bem estar também sem trabalho – essenciais neste momento. Contei a ideia para a Renata Lima, a amiga professora de Yoga, para buscarmos um time de profissionais que entendessem as nossas sugestões em vídeos pré-gravados. Além disso, precisava de mais ajuda para compor o projeto e chamei amigas que acreditam nas minhas doidices e, assim, a Patrícia Fernandes (@patifernandes) faz o design e a Juliana Feltz (@feltzjuliana), ficou com a tecnologia. Assim, para acolher com afeto e ajudar a manter o equilíbrio no isolamento, teremos dicas de 32 profissionais, em sua maioria aqui de Petrópolis. Alguns artistas que trabalho encaminharam vídeos lendo poesias, uma gentileza. Festival Estar Bem é cuidado, é afeto, é amor. Pode entrar!
Ficha técnica Festival Estar Bem
Idealizado por Silvana Espirito Santo
Realização: Juliana Feltz (Tecnologia), Patrícia Fernandes (Design), Renata Lima (Curadoria), Silvana Espirito Santo (Curadoria)
Suporte edição vídeos/VT: Diego Martins 
Captação: Thompson Soares
Produção e Comunicação: Passarim Comunicação
http://www.passarimcomunicacao.com

Clipping assessoria de imprensa: https://drive.google.com/open?id=1LFp0868Zj2g1Wli-y5pBirB-i58h96Bi

Programação Festival Estar Bem
Dias 18 e 19 de abril de 2020 | sábado e domingo
Das 12h às 18h
Local: Instagram e Facebook
Conteúdo pré-gravado e lives (fixo para consulta)

Dia 18 de abril de 2020 | sábado
Horário: 12 horas – Vídeos pré-gravados

1. Título: Idoso? Movimente-se!!!!
Profissional: Naila Pinheiro | @academia_nadar_petropolis
Academia Nadar

2. Título: Yoga com Criança
Profissional: Renata Lima Yoga | @renatalimayoga | @yogacomhistorias
Instrutora de yoga e meditação, mãe e thetahealer

3. Título: Brincar de maquiagem
Profissional: Pat Wass | @ pat.wass
Maquiadora de beleza e artística

Horário: 13 horas – Vídeos pré-gravados

1. Título: Leitura dramatizada – Esse mundo é uma bola
Profissional: Paulo Marcos de Carvalho e Sarah de Lemos
Teatro de Garagem | @teatrodegaragem

2. Título: Aprenda Origami – Envelope cata-vento  + estrelinha
Profissional: Carol Garzon | @carolgarzon
Cozinheira de formação, artesã de coração

3. Título: Rotina é saúde mental
Profissional: Julia Ramalho  | @juliadopassoramalho
Psicóloga especialista em saúde mental e psicanálise

Horário: 14 horas – Vídeos pré-gravados

1. Título: Despertar da Saúde e Bem estar
Profissional: Chef Patrícia Ghelen (Chef vegetariana e ayurveda)
Pousada Villa Noguê | @vilanogue

2. Título: Biscoito de coco com as crianças
Profissional: Roberta Xavier – Terapia dos pães | @terapia_dos_paes

3. Título: fotos e vídeos de aves
Profissional: Pousada Paraiso | @pousada_paraiso

Horário: 15 horas – Vídeos pré-gravados

1. Título: Animais em quarentena
Profissional: In-Coelum Perdigão | @incoelum
Consultora de animais

2. Título: Adestramento, bem estar e harmonia
Profissional: Marcio Conceição | @mpaulista2

3. Título: Beleza com Máscara de argila
Profissional: Vanessa Akozlowski | @Vanessa.akozlowski
Fisiocipre | @fisiocipre

Horário: 16 horas – Vídeos pré-gravados

1.Título: Ativando sua força!!
Profissional: Roberta Nascimento | @diastasenapratica
Educação Física

2. Título: Massagem rápida na cadeira
Profissional: Tais Marciano | @taismarciano
Massoterapeuta

3. Título: Melhora da Imunidade & limpeza de crenças e ressentimentos
Profissional: Flávia Peixoto | @flaviaconexao
Thetahealer

LIVES APRESENTAÇÃO MÚSICA
Horário: 17 horas – PILAR
Horário: 17h30 – GABI DOTI

Dia 19 de abril de 2020 | domingo
Horário: 12 horas – Vídeos pré-gravados

1.Título: Fisioterapia preventiva no home office
Profissional: Jane Hamid Saikali e Equipe
Ponto de Equilíbrio | @ponto_de_equilibrio_fisio

2. Título: Explosão de vida, em “Morte e Vida Severina”
Profissional: Michel Sousa e Juliana Werneck
Cia. Articulação – Teatro de Animação | @ciaarticulacao

3. Título: Palhaça Chica, em “A engolidora de espadas”
Profissional: Glaucy Fragoso | @glaucyfragoso
Atriz e Palhaça

4. Título: Crianças: Rotina & Combinados
Profissional: Simone Castro | @simonecastrooficial
Pedagoga e Kid Coach

Horário: 13 horas – Vídeos pré-gravados e LIVE

1.Título: Bem estar e beleza canina!
Profissional: Tatiana Aguiar
Invasão dos Pets | @invasaodospets

2. LIVE
Título: Isolamento – atitudes para driblá-lo 
Profissional: Sabrine Schmitt  | @bineschmitt
Psicóloga

3. Título: Literatura Infantil em casa
Profissional: Anna Luiza Guimarães
Biblioteca Amarela | @biblioteca_amarela

4. Título: Aprenda Origami – Caixa estrelinha + envelope convite Profissional: Carol Garzon | @carolgarzon
Cozinheira de formação, artesã de coração

Horário: 14 horas – Vídeos pré-gravados

1. Título: Alimentação, crianças e quarentena: como lidar?
Profissional: Mariana Claudino | @nutrimariclaudino
Nutricionista comportamental infantil

2. Título: Crumble: a sobremesa da quarentena
Profissional: Chef Manoela Rabin
Maison Cocotte | @maison.cocotte

3. Título: Risotos para o dia à dia
Profissional: Chef Bruno Canatto
Restaurante Ariá | @ ariacozinha

Horário: 15 horas – LIVE

1.Título: Yoga para Iniciantes
Profissional: Renata Lima Yoga | @renatalimayoga
Instrutora de yoga e meditação, mãe e thetahealer

Horário: 16 horas – LIVE

1. Título: “Urano em Touro e o momento atual”
Profissional: Sarah de Lemos e Paulo Marcos de Carvalho
Dueto Astrologia | @duetoastrologia

LIVES APRESENTAÇÃO MÚSICA
Horário: 17 horas – TUCA MEI
Horário: 17h30 – DELIA FISCHER

ALENTO

Era para ser uma rosa branca, que se fez lilás, que se fez chá. Assim, ganhando um roseiral na tentativa de ter uma roseira branca. Até que a prima Deise deu uma roseira de cachos, como a da nossa infância. Ela afirmou que era branca. Trouxemos. Plantamos. Molhamos. Esperamos. 
Esta semana nasceu um broto, rosa. Olhei em volta já pensando onde plantar a próxima roseira branca. Mas hoje, ao acordar, passei os olhos e lá estava ela, a rosa rosa, aberta para a vida, para o sol fraco do outono, aberta em flor, branca, branca, branca. Ah, quanta alegria diante de uma coisinha tão forte, firme e bela.
Então, olhe em volta, ouça o som da terra, do céu, dos pássaros, mas se não tem por aí, coloque beleza no seu computador,  manda flores virtuais para os familiares, os amigos e descubra, todos os dias, uma forma de se manter firme, com o que alenta o coração. 
Por aqui, rezo por dias melhores, para que 
sejamos fortes
que possamos dar amor
que as flores brotem
que tenhamos empatia
que o mundo amanheça melhor
e que tenhamos fé
todos os dias.
Para embalar, a música do querido Marcos Almeida, que canta e compõe em “esperances”.

Fotos de minha autoria, no jardim da Casa Passarim (a foto do broto cor de rosa está no Instagram da @casa_passarim.
Pedro do Rio, 25 de março de 2020.