Arquivo da tag: Passarim Comunicação

BRUNO GOYA É ATOR PREMIADO NO CINEMA QUE ESTÁ NA SÉRIE ARUANAS

Trabalhar com atores é sempre meio de repente, pois são pessoas que quando tomam uma decisão, em três ou quatros mensagens ou uma ligacão, já mãos a obra. E com Bruno Goya não foi diferente e, de repente, estava perto de 15 de novembro falando de Aruanas com estreia em 25 de novembro, pela Globoplay. Ufa!
Sim, o ator de Caruarú que aos 28 anos fez de brincadeira uma aula de teatro e mudou de profissão, já tem na estante oito prêmios como Melhor Ator por sua atuaçnao no cinema. E Bruno Goya é Falcão nas duas temporadas da Aruanas, série que fala sobre a importância do meio ambiente e sua proteção. Atualmente, está filmando Cangaço Novo, série da O2 para a Amazon Prime Vídeo.
Bruno é uma pessoa sensível, querida, amorosa e fofa no lidar do dia-a-dia e estou amando.
Para conhecer melhor este ator que também paricipou de produções como a série Onde nascem os fortes e o longa incensado Aquarius, vale acompanhar ele nas redes ou dar uma olhada nas notícias do clipping de imprensa, abaixo.

FB: @bruno.goya.37
Instagram: @bruno_goya
Reel: https://www.agentesefala.com.br/brunogoya
Ator da A Gente Se Fala

Clipping assessoria de imprensa: https://drive.google.com/drive/folders/1dTLe1l5gG8YsGsVP6e9feC2yvg4iGk4D?usp=sharing

Foto de Rafael Augusto

ATRIZ E DIRETORA CATHARINA CONTE É FUTURO EX-PORTA

Ela é uma festa, uma agitação, um furação de emoções. Foi assim neste último mês “contracenando” no trabalho de assessoria com Catharina Conte, atriz e diretora gaúcha que paricipou do elenco do “Futuro Ex-Porta”, reality show do grupo Porta dos Fundos, que teve estreia no dia 30 de outubro. Eliminada no terceiro episódio do programa, reflete: “Acho que eu me colocaria mais no jogo, não chegaria tão tímida e arriscaria mais, cheguei muito como atriz e menos como comediante. Foi minha primeira inserção na comédia, mas já aprendi tanto! Eu faria tudo de novo mil vezes. Agora não quero mais parar!”. E complementa: “Trabalhando perto de artistas como o Fábio Porchat e Gregório Duvivier, que eu admiro tanto, foi um sonho realizado e uma responsabilidade imensa! E acredito que uma das meninas vai ganhar o reality.”

Na selfie que ilustra esta publicação, um pouco de Catharina, com caras e caretas pelo WhatsApp, feliz com a publicação de uma notícia na mídia. Uma pessoa especial, essa garota.

Filha de atores de Porto Alegre, está radicada em Londres desde 2018, onde se uniu ao StoneCrabs Theatre, quando estreou com “The sky five minutes before a storm” (O Céu Cinco Minutos Antes da Tempestade), da brasileira Silvia Gomez, apresentado recentemente no Southwark Playhouse, na Inglaterra. 
Após ser eliminada do reality neste sábado, dia 6 de novembro, Catharina se dedica a microssérie autoral “Fragmentada”, criada especialmente para ser exibida pelo Youtube e Tiktok. Catharina prepara seu retorno ao Brasil para 2022.
Passa lá nas redes da atriz para acompanhar “Fragmentada”, que conta a história de Catha, uma imigrante brasileira em Londres que, diante de uma crise proporcionada por seu chefe abusivo, se percebe com sua personalidade fragmentada em cinco partes. Ao longo dos capítulos, as partes fragmentadas discutem temas como sexualidade, feminismo, diferenças culturais e TDAH

Ficha Técnica Fragmentada: Direção, roteiro, concepção e direção de edição: Catharina Conte; Direção de fotografia e colaboração de argumento: Amanda Gatti; Script Advisor: Julie Bazacas.

Mídias digitas Catharina Conte:
Youtube: https://www.youtube.com/catharinaconte
Instagram: https://www.instagram.com/catharinaconte/
Twitter: https://twitter.com/catharinaconte
Facebook: https://www.facebook.com/catharina.conte/
TikTok: @catharinaconte

Clipping assessoria de imprensa:  https://drive.google.com/drive/folders/1ug1ZXPEajuoZEaFMwtzVhwJLSaTcwi-J?usp=sharing

MÚSICA E EDUCAÇÃO: PROJETOS QUE AQUECEM O CORAÇÃO E SALVAM VIDAS

Venho fazendo releases sobre a ampliação da formação de novos alunos de música de orquestra e coral, já que cuido da comunicação externa do IBME (Instituto Brasileiro de Música e Educação, com sede no RJ), que há dez anos deseja mudar a vida de crianças e jovens e, consequentemente, suas famílias, através da educação e da música.
E podemos elogiar as parcerias, como do Santander e da Uber, que proporcionam manter os concertos e, com isso, a continuidade dos estudos dos alunos que fazem parte da Orquestra Sinfônica Juvenil Carioca e suas demais formações, como quartetos e música de câmara.

Mas gostaria de ponuar a ampliação do projeto nos municíos de Itaguaei, com o patrocínio do Instituto Vale, para a formação da Orquestra Sinfônica Juvenil de Itaguaí; para São Gonçalo, que ganha Orquestra a partir da parceria do IBME com o Consulado Geral do México no Rio de Janeiro, para a inclusão dos estudos de música para os mais de 600 alunos da primeira Escola Intercultural Brasil-México, criada no Ciep Brizolao 413 Adão Pereira Nunes; além dos alunos de TODAS as séries das escolas do município de Areal, que é visinho de Petrópolis.

E, a cada dia, em passos de formiguinhas, percebo que vamos conseguir mais municípios interessados na transformação social a partir da educação e da cultura dos seus pequenos cidadãos.
E isso aquece meu coração.

Trabalhar com eles e ver suas buscas incansáveis por cada parceiro conquistado para ampliar o projeto e abraçar mais famílias, é uma opção de vida que admiro muito.

E. como uma otimista incurável, sou grata por fazer parte disso e acompanhar de perto a transformação dessas crianças e jovens com um instrumento na mão. Como disse um aluno ao voltar de um ensaio e passar perto de um jovem com um fuzil na sua comunidade: “Hoje estou com meu instrumento, mas poderia estar como o meu amigo, com esta arma nas mãos.”.
E só quem ouve ou presencia tais relatos entende, de verdade, a busca incansável de cada gestor de projetos que buscam uma chance para transformar nossas crianças e jovens em cidadãos — uma possibilidade diferente para a vida, autoestima e pensamento crítico.
E hoje, 4af, 1/9, tem concerto para comemorar a parceria com o Consulado do México e, por isso, convido vocês a olhar mais de perto a transformação. Direto do Palácio Guanabara, a apresentação será transmitida ao vivo em nosso canal do YouTube.

Salva na agenda e assista: https://youtu.be/QFZIaBIh6kU

Foto da OSJC, IBME, Rafael Ribeiro.

ALAN ROCHA É AtOR E MÚSICO NA NOVELA NOS TEMPOS DO IMPERADOR, DA GLOBO

Alan Rocha chegou de mansinho para falar sobre a novela que entraria no ar na Globo, era 2020. Ele estava falando de Nos tempos do Imperador, que demorou quase um ano para estrear, por causa da Pandemia. Nela, Alan da vida a Balthazar da vida a Balthazar na nova produção das 18 horas da emissora. Seu personagem é líder na Pequena África (local que hoje é a zona portuária do Rio de Janeiro), que recebia os negros alforriados e fugitivos, após o comercio de escravos se tornar ilegal no país, a partir de 1831. Mas, ao conversar novamente com Alan neste 2021 fui descobrindo muitos personagens, muitas habilidades. Premiado como Melhor Ator Coadjuvante, pelo Prêmio APTR de Teatro, com o musical Da Cor Púrpura, Alan é músico de formação pela UFRJ, também é cantor e compositor que tem seu cavaquinho como grande inspiração, dos mestres como Pixinguinha.

E quanto mais se conversa, mais se descobre sobre o Alan, que criou o Clube Akorin com o desejo de valorizar a cultura negra, contar as histórias, sua arte e seus personagens, principalmente para as crianças. “Estou organizando a consolidação do “Clube AKorin”, projeto que traz o teatro e a musicalização infantil, principalmente para as crianças, mas é para todos. Mas a valorização da cultura negra para a infância é importante e vai estar nas redes sociais, que será veiculado no YouTube e no Instagram. Algumas historias e brincadeiras que criei para apresentar musicas e músicos, como Gilberto Gil, D. Ivone Lara, Clementina de Jesus, dentre outros.”, afirma Alan.

Seja como líder na Pequena África, como professor de música para crianças ou com o Clube AKorin, todas são histórias que precisam ser contadas e recontadas na busca por mudança do pensamento, da cultura e da vida de toda uma nação contra o preconceito estrutural que vivemos.

Nossa parceria de tabalho segue até setembro, mas já deixa saudade desse artista que tem uma delicadeza no trato, na sua fala, na sua vontade de fazer sua arte, de espalhar e valorizar sua ancestralidade.
Instagram: @alanrocha8 | Foto de Ernane Pinho

Clipping imprensa (por @festzjuliana): https://drive.google.com/drive/folders/1H35o1GaMUM4OKfO08NFswYcUMrKgb0l7?usp=sharing

VICTOR SALOMÃO É DESTAQUE NA HBO MAX, EM OS AUSENTes

Victor Salomão está na HBO Max em Os Ausentes, que teve estreia na plataforma de streaming no dia 22 de julho. Destaque na série investigativa escrita por Maria Carmem Barbosa e Thiago Luciano, com direção geral de Caroline Fioratti e direção de Raoni Rodrigures, o ator interpreta o personagem central do Episódio 9, onde vive o drama de Kennedy Pires, garoto de programa que se assume gay para o padrasto e vai em busca de saber quem é o seu pai biológico.
Os Ausentes, protaginizada por Maria Flor e Erom Cordeiro, donos da agência de investigação, aborda tema de extrema importância social: pessoas desaparecidas ou mesmo pessoas que sumiram da vida de outras pessoas, como o pai do personagem de Victor Salomão, drama que é o fio condutor do episódio.

Sobre a série e seu prsonagem, Victor reflete: “Me sinto muito à vontade com o drama. Foi uma grande experiência, foi incrível fazer Os Ausentes.”.

Ainda para 2021, Victor está na nova temporada da série Segunda Chamada, da Globo, prevista para estreia no mês de setembro de 2021.
Fiquem de olho neste jovem ator, pois já já ele vai se destacar cada vez mais no audiovisual brasileiro . Bem, talento ele tem e estuda para isso.
Está sendo um prazer trabalhar com Victor.

Instagram: @viisalomao |Foto Victor Salomão: Fabio Audi

Clipping assessoria de imprensa (por @feltzjuliana): https://drive.google.com/drive/folders/1_Ll-sgpl_n7NzAUFqSTYk_QWy1QMptT_?usp=sharing 

CANAL DE TEREZA TRAUTMAN, CINEBRASILTV, COMPLETA 17 ANOS

Há dois meses, em maio, fui convidada por Ana Rosa Tendler para uma reunião com Tereza Trautman, já que o CINEBRASILTV precisava de uma profissional de comunicação. Nunca haviam contratado uma assessoria de imprensa, mas percebiam potencial de notícia na programação, para buscar “algumas notinhas”. Buscar espaços na mídia para o canal por assinatura de produção independente do audiovisual brasileiro, com programação original e exclusiva, com filmes doc e ficção e séries. Em dois meses, não só notínhas, mas muitas notinhas, críticas e espaços bacanas para a programação do canal por assinatura.

Mas passo aqui para falar do aniversário do canal, que hoje, 10 de julho, completa 17 anos. E como falar do canal sem falar da sua criadora, a cineasta Tereza Trautman, paulistana que aos 17 anos trocou a medicina por um curso de interpretação e direção, se aproximou de cineastas como Luiz Sérgio Person, João Silvério Trevisan e Carlos Reichenbach e, aos 22 anos, lançava seu primeiro longa, “Os homens que eu tive”, em 1973. Escrito, editado e dirigido pela jovem cineasta, após seis semanas em cartaz e com sucesso de público e crítica, o filme foi censurado pela ditadura militar e liberado somente em 1980 com o título Os Homens e Eu.

Tereza falava da liberdade e da individualidade da mulher, além do roteiro abordar a independência sexual feminina. A cineasta à frente do seu tempo não parou mais e criou o CINEBRASILTV em 2004. Para conhecer mais Tereza Trautman, a série As Protagonistas, de Tata Amaral, está na programação do canal e conta a história do audiovisual brasileiro a partir da produção das cineastas mulheres. Tereza é retrata no episódio 4, sobre a década de 1970, década-chave para o avanço dos direitos femininos, quando as cineastas brasileiras realizaram mais de 200 filmes que desafiaram o regime militar, o ambiente machista e se arriscaram expondo sua sexualidade e seu imaginário.

“Ao meio dia de 10 de julho de 2004 com a exibição de A Descoberta do Brasil de Humberto Mauro, o patrono maior do cinema brasileiro, entrou no ar o CINEBRASiLTV e desde então continuamos singrando pelos mares, mesmo em meio a tempestades, torcendo para que o mau tempo passe e possamos ganhar a tão sonhada liberdade. Liberdade não só de ideias, da qual nunca abrimos mão, mas finalmente a liberdade econômica cuja falta sempre nos sufocou.
E vamos comemorar nosso aniversário estreando Antena da Raça, o filme, de Paloma Rocha e Luis Abramo, uma visita aos programas do seu pai no Abertura da tv tupi. Sentimos o quanto faz falta o seu espírito irreverente e brilhante, objetivo.”, reflete Tereza Trautman.

O CINEBRASIL JÁ é um canal por assinatura, por apenas R$9,90 (nove reais e noventa centavos) por mês, sendo o primeiro mês gratuito para o novo assinante. Acesso e programação: https://www.cinebrasilja.com/
No link a seguir, é possível consultar as  operadoras que carregam o canal, apenas informando o Estado. Acesso: http://www.cinebrasil.tv/index.php/localize-o-canal
A programação do canal pode ser assistida através da assinatura no Divertenet. Acesso: https://divertenet.com.br/cinebrasil
O canal  também está disponível no ao vivo da Oi Play, é gratuito por 30 dias. Acesso: https://oiplay.tv/oiplay/content/details/MV014176590000

Clipping assessoria de imprensa:  https://drive.google.com/drive/folders/1czunjDsid5sLrGf7SSPejuKZCOtuh_Gx?usp=sharing
Clipagem Juliana Feltz (@juliana.feltz)

VALE A LEITURA DA BIOGRAFIA NÃO AUTORIZADA DE FELIPE NETO

Mais que uma biografia não autorizada, Felipe Neto – O Influenciador, da editora Máquina de Livros, é muito bem escrita pelo seu autor, o jovem Nelson Lima Neto (jornalista colaborador da coluna do Ancelmo Gois, do O Globo, do RJ). O livro  mostra que Felipe Neto se tornou uma voz política atuante e conta, pela primeira vez, a história de Felipe em detalhes, da infância difícil no subúrbio do Rio de Janeiro ao reconhecimento como uma das 100 personalidades mais influentes do mundo, segundo a prestigiada revista norte-americana, “Time”.
Na era digial, quando todo mundo deseja ser um personagem relevante (ou não) para conquistar seguidores, vale muito à pena conhecer histórias que estão no livro, como as duas curiosidades que escrevo abaixo.

Felipe alcançou o pico de 600 mil pessoas assistindo simultaneamente a uma live que fez em dezembro de 2020, público comparável ao de emissoras de TV. Segundo a Kantar Ibope, que monitora audiência em vídeo, ele registrou 3.2 pontos, totalizando o equivalente a 240 mil domicílios, à frente, por exemplo, do canal aberto RedeTV!. Entre março e dezembro do ano passado, Felipe produziu uma centena de vídeos (gravados e ao vivo), que somaram mais de 600 milhões de visualizações.

– Felipe Neto não é cortejado à toa por grandes nomes da política. Segundo projeções do site Social Blade, que monitora perfis e audiência, em julho de 2022, no início da campanha presidencial, ele terá no Twitter
o dobro de seguidores de Jair Bolsonaro: 14,5 milhões contra 7 milhões. No Youtube, vai iniciar o ano com 50 milhões de inscritos, contabilizando mais de 17 bilhões de visualizações de seu conteúdo. E atingirá cem milhões entre novembro de 2024 e janeiro de 2025, quando seus vídeos terão sido vistos 50 bilhões de vezes.

Capa Felipe Neto – O Influenciador, crédito Maquina de Livros: https://www.maquinadelivros.com.br/

Clipping assessoria de imprensa: https://drive.google.com/drive/folders/1XNLSXJAA4j8G2BMCTmknQAS-lZUum1HO?usp=sharing

ESTREIA DA ORQUESTRA DE MENINAS CHIQUINHA GONZAGA

Elas estavam ensaiadinhas e super animadas para a estreia no Dia Internacional da Mulher, em 8 de março, no Rio de Janeiro. Mas, por conta das medidas restritivas do município naquela semana, o sonho foi adiado.
Mas amanhã, 4af, 16 de junho de 2021, com um friozinho na barriga e um imenso prazer, vamos acompanhar o concerto de estreia da Orquestra Sinfônica Juvenil Chiquinha Gonzaga, composta por 52 meninas entre 8 e 17 anos, estudantes da rede púbica de ensino da cidade do Rio de Janeiro. Sob a batuta da maestrina Priscilla Mesquita, a apresentação que acontece às 19 horas, conta com a participação mais que especial da cantora Elba Ramalho e do Coro Laboratório Juvenil do Rio de Janeiro, composto por 30 meninas.
Sem a presença do público, a estreia acontece com transmissão pelo canal www.youtube.com/orquestranasescolas, ao vivo do Imperator – Centro Cultural João Nogueira, tradicional teatro do Rio de Janeiro, situado no bairro do Meier.
Com patrocínio da Uber, a Orquestra Sinfônica Juvenil Chiquinha Gonzaga é um desdobramento das integrantes da Orquestra Sinfônica Juvenil Carioca, programa do Instituto Brasileiro de Música e Educação, que busca modificar a vida de milhares de crianças, adolescentes e jovens em diferentes municípios do estado do Rio de Janeiro, com a transformação social por meio da educação e da música.

Parte do elenco em ensaio da OSJ Chiquinha Gonzaga em foto de Rafael Ribeiro

FRIENDS: AMIGOS PARA SEMPRE!

Texto novo escrito para o Mulheres Jornalistas. Publicado hoje 6/6/21. Passa lá e conheça o MJ: https://mulheresjornalistas.com/friends-amigos-para-sempre/cultura/
Foto divulgação: HBO MAX

Como viver uma vida inteira sem aquele amigo que dividiu com você as melhores histórias da sua vida? Quem sabe os piores também, mas estes sempre rendem as melhores risadas tempos depois dos acontecimentos. Sejam eles vexames impublicáveis ou não, são os amigos que vão somar nos momentos mais importantes das nossas vidas. E quantas vezes ficamos longe por anos de uma pessoa muito importante em um determinado período da nossa vida e, de repente, um hiato se faz pelas circunstâncias de cada um? Mas um belo dia, acontece algo e o telefone toca, um esbarrão na rua ou mesmo um convite de casamento ou aniversário e estará lá aquela amizade sendo reescrita como se o tempo não houvesse passado.

Pensando exatamente nisso, como não imaginar o reencontro de alguns amigos que por anos dividiram suas vidas com o mundo? Sim, os amigos da aclamada série americana Friends estão de volta para euforia e desespero de seus fãs brasileiros. A euforia: pelo reencontro de Rachel Green (Jennifer Aniston), Monica Gelle (Courteney Cox), Phoebe Bulfay (Lisa Kudrow), Joey Tribbiani (Matt Leblanc), Chandler Bing (Matthew Perry) e Ross eller (David Schwimmer), que aconteceu em episódio único, exibido nos EUA no dia 27 de maio, pela HBO Max. O desespero: pelo motivo do episódio Friends: The Reunion só chegar por aqui no dia 29 de junho. Enquanto aguardamos este hiato de um mês, fica a torcida para que a pirataria não ganhe força.

Mas como seis amigos conquistaram o planeta em um momento em que nem pensávamos com muita certeza na capacidade do mundo globalizado, em 1994, quando a série estreou? Com dez temporadas, 236 episódios, muitos prêmios e considerada pela publicação americana TV Guide como uma das melhores produções da TV de todos os tempos, numa lista com apenas cinquenta nomes, parece uma boa fórmula para Friends, criada por David Crane e Marta Kauffman. Tamanha fama levou o elenco ao patamar de 1 milhão por episódio, fato que gerou rumores sobre os motivos para o fim da série, em 2004. Mas celebrar 25 anos de amizade vale mais um encontro, certo? Sim. E quando isso acontece 17 anos depois, mais ainda são as expectativas dos fãs originais, assim como aqueles que foram conquistados com a chegada da série nas plataformas de streaming, como a jovem Prêmio Nobel da Paz, a sempre corajosa menina Malala Yousafzai, fã declarada dos amigos que até participa de um quiz no episódio especial – Malala e outras celebridades foram convidadas para o jogo de perguntas disputado pelos amigos, numa lembrança do que aconteceu na quarta temporada.

É claro que os jovens fãs de Friends entendem que os atores da série não eram celebridades há 25 anos, quando começou a ser exibida. Mas não é difícil imaginar o que aconteceu com a carreira e, consequentemente, com a vida desses atores e atrizes ao sair de um cachê de 22.500 dólares americanos por episódio, na primeira temporada, para o cachê de 1 milhão de dólares americanos por episódio, na décima temporada. E basta digitar o nome de cada um deles e estão lá os aplausos, mas estão lá também as derrotas, como casamentos desfeitos e dependência de drogas. Mas como são amigos de uma das mais aclamadas séries que reuniu os conflitos da vida de jovens entre 20 e 30 anos, moradores de Nova York, podemos também dizer que, após 236 episódios em dez anos de convivência, sim, são todos amigos. Mas parece que esta amizade se fortaleceu mesmo quando se uniram e juntos decidiram, em uma negociação coletiva, que desejavam que seus cachês fossem iguais, a partir da terceira temporada.

Desde a primeira temporada, ficou evidente que o roteiro pretendia dar o mesmo peso aos seis personagens de Friends. E como todo bom programa de TV que ganha longevidade, seus atores também começaram a ganhar torcidas pelos desfechos dos conflitos de seus personagens. Mas será que após 17 anos de distância daquele 6 de maio de 2004, seria possível fazer um reencontro capaz de revirar as vidas já meio que organizadas no desfecho do último episódio da décima temporada? Para uma das séries de maior sucesso da HBO, Sex and the City, com prêmios e mais prêmios, seis temporadas e seu fim também chegou em 2004, dois longas-metragens resolveram a ausência sentida pelos fãs das quatro amigas, entre 30 e 40 anos de idade, que também moravam em Nova York e, além de dividirem questões amorosas, os conflitos giravam em torno dos dilemas da vida da mulher moderna. Mas os criadores de Friends perguntaram aos atores sobre a hipótese de um filme ou mesmo um episódio com novos conflitos para as personagens, já que os fãs especulavam tais possibilidades.

Nas entrevistas do elenco, concedidas para promover a estreia do episódio especial, fica claro que esta possibilidade foi deixada de lado e a explicação dos seus criadores é mais que coerente, quando falam que Monica, Phoebe, Rachel, Chandler, Joey e Ross terminaram o programa muito bem, a vida de todos é muito boa, e eles (seus criadores) teriam que criar mais histórias e bagunçar o final feliz com todas essas coisas legais que deixaram na vida dos personagens. E parece que foi uma sábia decisão transformar o tempo de 1h39 de Friends: The Reunion em um reencontro de seis grandes amigos que não se viam há algum tempo, que relembram histórias das dez temporadas, que trocam confidências, uma partilha com os fãs no grande teatro, como nos episódios. Pelas críticas nesses poucos dias após a exibição do episódio, já podemos contar os dias para a chegada de Friends: The Reunion por aqui, no dia 29 de junho.

Para dar conta de esperar, confira o trailer oficial da reunião.

LEI ALDIR BLANC: UM BREVE SUSPIRO PARA A CULTURA

A Insdústria do Entretenimento ganhou um suspiro com a Lei Aldir Blanc, mas um novo silêncio já começou para profissionais ligados ao setor no país. Uma crise sem precedentes, que comento no meu artigo para o necessário Instituto Mulheres Jornalistas. Além do texto, o podcast está no link do artigo Opinião, abaixo.
https://mulheresjornalistas.com/lei-aldir-blanc-um-breve-suspiro-para-a-cultura/colunas/opiniao/

Quando em março de 2020 a indústria do entretenimento parou com a primeira medida de isolamento social, parou também a economia criativa que gera milhares de empregos diretos e indiretos, milhões em receita. Meses depois, presenciamos as campanhas de apoio aos técnicos e demais profissionais do setor e, finalmente, uma lei cultural que ganhou o nome da nossa primeira perda artística pela Covid-19, do compositor Aldir Blanc. Mas nada andou para a classe trabalhadora da cultura e do entretenimento do nosso país, que continua amargando um necessário e cruel isolamento, quando teatros, casas noturnas, eventos e festivais continuam não acontecendo presencialmente. Doze meses depois daquele início de isolamento a Lei Aldir Blanc precisou adaptar os projetos contemplados para o formato online e, assim, de repente, produtores e artistas estão correndo como loucos, todos ao mesmo tempo, adaptando para o online os seus projetos que precisavam ser lançados até 31 de março.

Sancionada em junho de 2020 para amenizar a grave crise da Indústria do Entretenimento, a LAB, como carinhosamente é chamada a Lei Aldir Blanc, chegou com o auxílio emergencial, que estima-se ter contemplado em torno de 700 mil profissionais da área da cultura. E nos últimos dois meses, a correria insana dos produtores de cultura para colocar de pé e executar projetos contemplados pela LAB até o dia 31 de março. O que mudou na semana passada, quando quase todos estavam com suas estreias agendadas e suas equipes contratadas, surgiu a possibilidade de prolongar por mais 30 dias o prazo para executar seus projetos, até o fim de abril. Uma pena, pois em janeiro teria sido uma ótima notícia, mas não faltando uma semana para a chegada de abril.

Enquanto a pandemia acelerou a transformação digital na indústria do entretenimento, acompanhamos desde março de 2020 as mídias digitais se transformando em palco para todos os tipos de apresentações, sejam de teatro, dança, música, oficinas, bate-papos e tudo que se pode imaginar dentro do universo do entretenimento, estão acontecendo agora. Mas enquanto escrevo e em poucos dias, novo silêncio para o setor. Outros, como casas de cultura ou de espetáculos que resistiram até aqui, começam a desistir de se endividarem para manter suas portas fechadas por mais sabe-se lá quanto tempo. Estabelecimentos como o Bourbon Street Clube, que atua há quase três décadas em São Paulo, anunciou na semana passada a intenção de fechar de vez as suas portas.

No segundo semestre de 2020 uma pesquisa da empresa PwC Brasil alertava para uma possível recessão no setor. Uma queda de US$2,5 bilhões na receita,  no estudo Global Entertainment & Media Outlook 2020-2024. Esta mesma pesquisa avalia o impacto da pandemia do Covid-19 na indústria global de entretenimento e o número era estimado para uma perda de US$120 bilhões para o setor, a maior em 21 anos de pesquisa. Nestes últimos dozes meses presenciamos vaquinhas, auxílios de classes, como da APTR – Associação dos Produtores de Teatro do Rio de Janeiro, bem como outras ações isoladas por todo o país para salvar uma ou outra classe. Mas diante da falência do setor na maior metrópole do país, o município de São Paulo criou um novo plano de amparo à cultura, para amenizar a morte anunciada do setor e promete lançar um edital para socorrer centros de cultura e casas de espetáculos. Em Porto Alegre, a secretaria de cultura estuda suplementação de edital para socorrer o setor. 

Já a Lei Rouanet, atual Lei de Incentivo à Cultura, contabilizou uma perda de 35% nos incentivos fiscais das empresas em apoio à cultura. E como investir se as empresas estão buscando a reinvenção das suas atividades, se adaptando ao home office? E como bater na porta de uma empresa para solicitar patrocínio se os projetos aprovados, em sua maioria, ainda estão formatados com público presencial? Mas a música gravada e distribuída pelas plataformas de streaming cresceu 7,4% em 2020 para a indústria fonográfica mundial. Mas tais números não estão ao alcance de milhares de profissionais da cadeia menor do mercado da música. Artistas independentes que atuam no mercado da noite, além de técnicos, não estão nesta conta como beneficiados deste crescimento. E já podemos imaginar como será a nova pesquisa sobre as perdas após todos estes longos e sofridos meses no planeta.

Com o nome de economia criativa, presenciamos profissionais usando dos seus talentos pessoas com criatividade para vender, bolos, marmitas, hortaliças e dar aulas online. Mas enquanto abril chega, já imagino o silêncio sepulcral para o setor do entretenimento, mas ainda posso transformar a minha sala ou a nossa sala em plateia, para aqueles que continuam a encantar com o talento, com sua arte – lives que foram e ainda são alento para aqueles meses já distantes de isolamento social de 2020. Mas quando abril de 2021 chegar, já estaremos amargando mais de 300 mil mortes e lock down espalhados por cidades de todo o país. E quando abril chegar, desejamos que uma nova edição da Lei Aldir Blanc possa acontecer ainda neste ano de 2021 e, mais uma vez, ser um novo suspiro para socorrer parte da cadeia imensa de profissionais que continuará agonizando.