Arquivo da tag: natureza

ETERNIDADE NO MEU JARDIM

Todos os dias eles me esperam com suas cores que brilham nos abacateiros, enquanto busco os frutos e ofereço nos comedouros. Agradecidos, piados e conversas que se parecem mais com a cozinha animada da minha casa quando lotada de amigos. Passam o dia assim, animados. Na varanda, colibris reclamam do cansaço que me fez acordar tarde. Seus bebedouros estão vazios.

Comedouro das rolinhas, canários e pombas juritis está do outro lado, com muita misturinha de milho picado e grãos gostosos para paladares exigentes. Começou a chover e tudo volta a estar verdinho, semeando os ventos de agosto.

É setembro. Todos estão afinando seus cantos – pipiripipi, cucurucuri, bennteviii, filfilfilfil, crooocrooo. Estão empenhados nas conquistas, catando gravetos, buscando locais seguros para novos ninhos. Na bromélia imperial da varanda, Saíras 7 cores, Saí-azul como lápis lazuli,  se banham para refrescar. Pica Pau de cabeça vermelha e de cabeça amarela, o Japú preto como a noite, mas com bico e rabo amarelos que, quando voa, um leque laranja se abre nas nossas cabeças, fazem um apito para avisar que tem comida abundante. Um jovem tucano chama sua família do galho mais alto do abacateiro lotado de frutos maduros.

Jacus, uma mistura linda de galinha com urubu, chegam ao amanhecer e retornam ao cair da tarde. Andam sempre pelo gramado e sentem muita fome. Comem tudo, são imensos e voam alto. Quebram comedouros com suas silhuetas de chester. E, na qualidade passarinhada, a pequenina cambaxirra, em casal, que todos os anos prepara a casinha no alto da varanda para a chegada dos pequenos. Ariscos Bem Te Vi e Sanhaço verde azulado disputam com o anfitrião de tudo por aqui, o Sabiá e seu canto que ecoa. E nem falei nas animadas Maritacas, o casal de João de Barro e os Canários amarelinhos.

No início da primavera se faz o novo ciclo de vida, das plantas e dos animais, dizem ser o Equinócio da Primavera, que amorosamente batizei de meu jardim! Aquele que vive o mistério da eternidade da sua natureza.

Encontros

Um dia, entre uma aflição e outra do coração apaixonado e teimoso, Dr. Antônio me disse: “benditos sejam aqueles que se encontram no mesmo momento de vida”. De alguma forma sabia que ele estava me dizendo: game over, minha cara. Mas quando volto uns bons anos daquele dia com o meu terapeuta, lembro perfeitamente quando uma astróloga me falou de encontros a partir dos meus trinta anos. “Amigos para toda uma vida”, ela disse.
Olho na parede do escritório a foto da turma do meu primeiro ano de escola e percebo que não tenho um grupo de amigos de infância, da escola, do bairro, mas encontrei meus melhores amigos – aqueles que seguram a minha mão, me aturam, contam comigo em todos os momentos – a partir de1994. Coincidência ou não, ano que completei meus 30 anos.
E foi num encontro que tinha tudo para ser um desastre que conheci Gila, minha amiga Giloca. Parceira de praia, da bicicleta, de conversas, de comer no natureba do Recreio, fala mansa, pessoa querida que me trouxe para as bandas de Petrópolis quando eu buscava um porto e achava que ele seria numa cidade de praia. Gila me acolheu num trabalho onde cheguei e descobri que o meu cargo já era dela há 15 anos. Ela foi generosa e fizemos uma boa dupla. Pouco tempo depois desisti do contrato de trabalho, mas não desisti da nossa amizade, que este ano completou 10 anos.
A partir deste encontro hoje resido no sítio que abriga uma grande família, que inclui a família da Gila. E andando por aqui vi umas plaquinhas que me eram familiar. Descubro que a nova vizinha no sítio é a Elen, a gentil pessoa que coloca placas pela Zona Sul do Rio de Janeiro, com o seu afetuoso projeto “Emplaque o Bem”.
E vejo encanto nestas pessoas que emplacam árvores, que acham lindo uma perereca do tamanho de um sapo, ou que param o transito para interromper o trajeto de um tatu que poderia ir para a BR e, assim, ser atropelado.  Fico feliz pelo encontro com a Elen neste refúgio junto à natureza no mesmo momento das nossas vidas. Percebo que encontrei uma boa turma para os próximos tempos.
Estar em harmonia com o seu tempo e o seu lugar é estar em sintonia para ir de encontro a pessoas que estão na mesma frequência.
E você, já encontrou a sua turma?

Pedro do Rio, Petrópolis, RJ, 18 de outubro de 2018,

Foto das placas que a Elen me presenteou e colocou na pitangueira, na entrada da minha Casa Passarim.

 

Devagar

 

Chegou devagar fui deixando e foi se instalando e foi penetrando e fui observando e foi envolvendo vendo trazendo fui dando espaço foi ficando foi pedindo querendo fui dando e fui não percebendo foi dando foi entrando foi conduzindo, levemente, fui pensando foi ficando fui me assustando, agora não sei mais o que fazer.

Domingo, 12 de fevereiro, 2012
Vídeo: Silvana Cardoso | Praia dos Ossos, BZ, RJ