Arquivo da tag: escrita criativa

QUANDO TRANSBORDO

Estou bem e mal, mas tentando dar conta. A certeza quase infantil de que a vida corre sem que tenhamos que prestar tanta atenção nela. Aquele olhar distraído, para não voltar a ser adulto e querer sair correndo. E sorrio enquanto transbordo em ideias, tristezas, lembranças e alegrias. Assim, tudo misturado mesmo, sabendo que sou adulto, que não posso me levar muito a sério, mas que sou adulto e não vou colocar questões embaixo do tapete. Falei quase distraída numa conversa de WhatsApp.
E se a culpa é da pandemia, a falta de perspectiva é a pandemia, a ignorância é a pandemia, enfim, agora a culpa é da pandemia. E com tudo que envolve o hoje e o agora eu pergunto como se fosse criança: então por que não nasci em um lugar mais justo? Custava nascer em um país desse civilizado, tipo a Nova Zelândia? Ter trabalho, segurança, ver pessoas sendo respeitadas como seres humanos? Ok, meu filho teria que ter nascido lá também, só para ficar bem explicado esse negócio. Vai que eu durmo e acordo na Nova Zelândia, sem filho. Como sem filho se já vivi mais tempo sendo mãe do Diego que comigo mesma.
Mas quando transbordo vale tudo e estar perto de mim pode ser intenso, como escreveu uma amiga numa definição para um texto meu que ela publicou. Mas é só inquietude de fazer e ver feito, de amar e ver amado, de andar por ai e enxergar, de criar asas mesmo estando trancada no meu jardim.
Não importa, quando transborda sobra para todos os lados e todos os lados que olho vejo que há conserto, há como arrumar e aparar umas arestas. Inquieta, eu? Não. Percebo que acredito, que é melhor que ter esperança, que vem de esperar.
Costumo fazer e gosto de companhia, mas se não tenho, vou fazendo sozinha mesmo porque gosto de andar por ai comigo e meus pensamentos voam como os sabiás aqui do sítio.
Transbordo todos os dias com a vida que vibra e pulsa, sabe? Dá uma chacoalhada boa quando acordamos e olhamos verdadeiramente para dentro e para fora, como uma criança. Experimenta, vai?
Na foto, a criança que às vezes ainda me habita. Na trilha, minha diva inquieta Nina Simone, com Ain’t Got No, I Got Life. https://www.youtube.com/watch?v=L5jI9I03q8E

O QUE APRENDI AO FAZER PÃO

Maria e Ana, minhas primas do Espirito Santo, sabem fazer pão como ninguém. Carol, minha nora, faz um pão com fermentação natural que é uma loucura. Minha relação com fazer pão vem das muitas lembranças que tenho da Dona Rita, ou Ritinha, como eu chamava minha sogra, que fazia pão para mim grávida do Diego.
A massa descansando com o pano de prato em cima da bacia, o cheiro que vem do forno quando começa a assar, a manteiga derretendo na fatia fumegante. Hummm, como eu queria conseguir fazer um pão. Pensava todas as vezes que comia um pão caseiro.
Não que eu seja um zero à esquerda na cozinha, mas fazer um pão era um grande obstáculo. Talvez por uma valorização de que pode não crescer, nem sempre dará certo, e todas as possíveis desventuras de quem se aventura a fazê-los. Assim, passei décadas imaginando que um dia eu faria um pão e que comeria ele quentinho saído do forno.
Há quase um ano criei a tal coragem e não posso dizer que foi fácil, que os braços e as mãos não sentiram a força da massa, que de três pães a massa dobrou, e não me perguntem o porquê, ao final do amassa a massa eu tinha seis pães prontos para o forno.
Amassar na bancada da pia vazia, achar o ponto, modelar, a dúvida se daria certo, sair correndo para comprar mais um quilo de farinha de trigo. Tudo que passeava pela minha cabeça enquanto parecia uma eternidade aquela decisão de fazer pão em um sábado qualquer.
Mas enquanto o sonho e a decisão de fazer o pão estavam ali à minha frente, elas se misturavam com a decisão de mudar de cidade e vir morar longe da família em um sítio. Percebi que ali não era só o pão que poderia não crescer, ali não era somente o suor que descia pela minha testa pelo esforço da massa que cresceu demais, ali estavam as minhas escolhas e os riscos delas.
Acho que misturei naquela bancada a decisão de fazer o primeiro pão aos 54 anos com a certeza de que nunca mais eu iria parar de fazer pão.
A decisão, o esforço, o risco. Os elementos da conquista e da certeza de que mesmo quando não sai como o esperado poderia arriscar outra vez – seja na feitura do pão ou na escolha de onde morar.
Naquele sábado, quase noite alta, as garotas do sítio, Nuxa, Joana e Patrícia, chegaram com um vinho e, entre uma fornada e outra dos pães, comemos e falamos da vida como se não houvesse amanhã.
E, por enquanto e por aqui, parece que a receita vem dando certo.
(Texto produzido no curso de Escrita Criativa e Afetuosa, ministrado por @anaholandaoficial )

Pedro do Rio, 2 de fevereiro de 2020.
Foto que fiz no café da manhã do domingo, no dia seguinte daquela aventura de fazer pão.