Arquivo da tag: verão

A PRIMAVERA, O CANTO DO SABIÁ E A LIBERDADE

Algumas horas nos separam da nova estação. Alguns dias nos separam do primeiro ano do resto de nossas vidas. Seja no pessoal ou no profissional, o desafiador ano de 2020 abalou as estruturas, misturou os sentimentos, refez diretrizes, mas quem semeou vai colher – seja força e coragem, reinvenção profissional ou crescimento espiritual. Não importa a ordem, quem de alguma forma se fortaleceu com 2020 já está fazendo planos para 2021.

Por aqui, quando agosto chegou com seus ventos gelados para iniciar o semear, e enquanto aguardávamos a chegada da primavera, além da semeadura chegavam os pássaros enamorados. E neste agosto, enquanto o home office já era fato numa jornada desleal para muitos, lá fora, o balé e o longo canto do sabiá laranjeira ecoou como todos os anos. Foi a liberdade de ser pássaro versus a prisão de ser humano versus a fumaça das queimadas que dividiu em dois a tragédia do nosso país, com queimadas e Covid-19.

Para muitos o home office é um sofrimento, para outros, a liberdade das amarras do cotidiano profissional. Mas quando se trabalha em casa há mais de uma década, independente, é preciso gostar de cotidianos, da disciplina do plano do dia. E eu gosto. Mas de todas as conquistas que mantiveram a minha carreira em ordem com a liberdade almejada por muitos, algo ainda me faz falta: o dia-a-dia com a equipe.

Mas aqui tivemos equipes organizadas revoando com a chegada da primavera. Trazem aprendizados com a migração, assim como estamos tentando novos aprendizados nestes últimos meses. E por aqui, mais observação menos falação, alguns ninhos em volta da casa, mães desesperadas para alimentar seus bebês pássaros, misturado a saudades diversas que foram sendo diluídas à conta-gotas.

E quanto a liberdade? Bem, Santo Agostinho, um grande filósofo e teólogo que falava do livre arbítrio, disse: não importa se estamos presos, a liberdade está dentro de nós. E nestes últimos meses observar os pássaros ajudou a amenizar dúvidas e acreditar que a cada estação temos muito a aprender, como ensinar um filhote a comer e a voar, enquanto ele se fortalece.

Na foto, nosso pequeno Josué, que em breve seguirá na essência do que chamamos de liberdade. Verão, seja bem vindo para todas as pessoas.

Rio de Janeiro, 20 de dezembro de 2021.

Brisa

Entrou um vento fresco
Pela fresta da porta
A varanda estava escura
Mas dava para ver as folhas
Fui conferir
A fresca balançava as folhas
Ar ameno na madrugada
Era quase verão
Bem por perto
As folhas não iriam mais balançar
Está quente
Mas a fresta trouxe
O vento fresco pela porta da varanda
Velho e quente verão chegará
Sem vendo fresco
Só os lençóis limpos
Luzes na penumbra
A espera
A estação quante que chega
Com lençóis limpos
Se aproxima
Só espera

 

Data indefinida, compilado em dezembro, 2007
Foto: Silvana Cardoso

Nas quatro estações

Quero te dar o consolo dos dias perdidos, as minhas dúvidas, apagar os equívocos e deixar o tempo passar com as descobertas que não sabemos saber. Quero encontrar as perguntas esquecidas desde então, procurar espaços vazios para preencher com colorido suave, descobrir água doce no sal que pinga da sua testa enquanto me ama loucamente. Dormir. Quero atravessar a rua de mãos dadas e sentir que você me puxa devagar, estremecer em soluços no seu peito, acordar sem pressa para ir, encontrar a paz no silêncio que agora passeia sem medo e deixar quieto os seus segredos. Quero amanhecer com o vestido pendurado no cabide, apenas os sapatos no tapete, sua camiseta branca para dormir por puro vício do cheiro do seu vento, secar o seu corpo no meu como sempre, contar as gotas e beber na sua sede, na ânsia do nosso prazer. Te beijar na calmaria do domingo, encontrar a vida breve que passa por entre a brisa de folhas que caem. Perceber o tempo sem contar as horas que faltam e acalentar desejos para o dia seguinte. Vagar sem rumo a procura do sol. Seguir as pistas deixadas sutilmente nos arredores da casa cheia de nós. Olhar pela janela, juntos e com sono, meio sorriso nos lábios para começar tudo outra vez. Quero descobrir você novamente, em tempos de não promessas, em momentos de não distâncias. Te abraçar longamente. Quero saber a sua cor favorita, seu livro de cabeceira, a música que toca, as imagens das paredes, o prato do dia, o sonho acalentado ao acordar, os segredos que podem ser contados, as mentiras que quero ouvir. Quero passar pela luz do outono no por do sol alaranjado, embaixo das cobertas pelo frio do inverso, viajar na primavera, encontrar o verão pedalando por aí, esperar o outono outra vez. Quero te amar de mansinho, encontrar o teu corpo pertinho, sono encaixado em laços de braços, beijo molhado de amanhecer, para dormir mais um pouquinho, enquanto não precisamos ser.

 

Rio de Janeiro, 9 de maio, 2009
Foto: Silvana Cardoso