MULHERES E ASSÉDIO: CORAGEM PARA DENUNCIAR E APOIO

Alguns relatos de assédio moral, bem como abuso psicológico com mulheres que conheço, gerou o artigo a seguir, publicado no Instituto Mulheres Jornalistas (link no fim do texto). No título, um pouco do que é preciso para dar conta dessa grave e desleal forma de se viver o feminino: coragem para denunciar e apoio para continuar. Minha mentora e eterna fonte para assuntos de relacões humanas nas empresas, Ticyana Arnaud colaborou na matéria. Meus agredecimenatos à LETÍCIA FAGUNDES e para as entrevistadas que cito no texto.
Crédito: Ilustração Designed by Freepik

Foi ali no final do século IXX para o começo do século XX que a revolução industrial precisou da mão de obra feminina, para dar conta das produções em grande escala, para suprir o mundo do consumo capitalista. Foi dali que elas ficaram com várias jornadas, como filhas, mães, irmãs que ficavam com os caçulas para a mãe trabalhar. E no mundo dominado por homens de todas as nacionalidades, uma coisa é certa: mulher é boa mão de obra, mas não venha querer mandar em mim. Combinado?

Errado. Começamos a desobedecer neste quesito com mulheres que já no início do século XX desbravaram as artes, as engenharias, as academias das ciências. Mas como podemos chegar na segunda década do século XXI com essa distante realidade para a equiparação do reconhecimento do feminino quando se fala em mercado corporativo, na sua grande maioria liderado por homens? Onde está a voz, a independência individual e liberdade conquistadas a partir dos ganhos conquistados por mulheres, por vezes consideradas feministas ou acadêmicas em suas áreas, que levantaram bandeiras e gritaram em megafones para serem ouvidas? Elas já venceram aquelas batalhas para estarmos hoje onde estamos. Mas no dia a dia a luta continua companheira, na árdua tarefa de serem boas mães, ótimas esposas, eximias cozinheiras e donas de casa. Mas o que perdemos em um século? Imagino que a oportunidade de, primeiramente, ser independente emocionalmente do ser masculino, pois para se brigar de igual para igual ainda em tempos atuais, vale ser uma mulher mais dura, mais firme e menos mimimi. E qual o motivo dessa dureza para sobreviver? Para primeiro ser ouvida, ganhar adeptos e, depois, assumir um lugar de fala, de independência para não precisar mais suportar assédio moral, manter um emprego para pagar as contas do mês.

No país, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mulheres são as responsáveis pela renda doméstica em metade dos lares brasileiros, onde são as gestoras da casa. Mas resta saber o que ainda falta para entenderem que ser mulher é muito mais trabalho e menos mimimi. É claro que desejamos que em um futuro próximo possamos ser sensíveis como somos de verdade, amorosas como devemos ser, mas duras e firmes como já sabemos como deve ser na hora que a pressão bate. E a pressão sempre bate para mulheres que são independentes e fortes em seus ideais, sejam as mais experientes ou as mais jovens, o que se faz atualmente é uma união que não se via entre o gênero feminino nas décadas passadas. Ser forte para assumir que não será possível continuar sob a gestão de um dono de empresa que, acima de tudo, não pode ser “mandado” por uma mulher. Quem vive nessa seara sabe que até o empreiteiro da reforma do banheiro torce o nariz se a “dona” da casa resolver ser a porta voz do que deve ou não ser feio, inclusive deixar o chão limpo após a bagunça do dia trabalhado. Homem, até os mais modernos, não gostam de mulheres de “opinião”, que fazem debate. Sim, ninguém mais ouve calada atrocidades como, “Quem banca sou eu; Quem paga o seu salário sou eu e você vai fazer o que eu mandar”. E ouvi um áudio com esta sentença enquanto conversava com mulheres para esta reportagem.

Mas o preço do desmande é alto e muitas abaixam a cabeça para manter seu emprego, seu salário ou até mesmo seu cliente, quando se é uma pequena empreendedora MEI (Microempreendedor Individual). Foi assim com a jornalista e especialista formada em Influência Digital – Conteúdo e Estratégia pela PUCRS, Petra Sabino, de 37 anos, e mãe de uma menina de 7 anos, que já perdeu a conta do número de assédio que sofreu na carreira. “Me parece que a maioria dos homens, seja do campo conservador ou progressista, não está preparado para aceitar a mulher em um cargo de liderança. O masculino precisa se reafirmar a todo o momento e a maneira de fazer isso é subjugando as mulheres. Possuo tantos casos de assédio moral e sexual nesses anos como profissional de comunicação que até daria um livro”, desabafa Petra.

Já Miriã Antunes, Relações Públicas, ficou doente com a relação toxica na empresa que trabalhou em 2019, quando, após os inúmeros abusos psicológicos, desencadeou uma alergia emocional e uma severa amigdalite. Ela comenta: “No meu último emprego formal de CLT, trabalhava em uma empresa que ajudava outras a formar líderes. Entretanto, seus próprios líderes eram chefes tóxicos e não líderes. Na época, o meu chefe controlava cada e-mail que eu enviava para os clientes, enviava mensagens com cobranças fora do horário de trabalho e limitava a minha forma de falar, inclusive”. Atualmente, como empreendedora, Miriã, reflete: “Mulher não é menos capaz que um homem para liderar, muito pelo contrário, infinitas pesquisas mostram o quanto mulheres tem mais sensibilidade e o quão dão conta de executar mais tarefas ao mesmo tempo. O que mulheres muitas vezes têm é o medo de denunciar, o preconceito que podem passar e, por isso, muitas vezes, recuam na hora em que devem resistir ao inaceitável. Não suportei mais e pedi demissão”, finaliza.

A Consultora de RH e Especialista em Recolocação Profissional, Ticyana Arnaud, confirma os relatos que ouvimos (todos os dias) e afirma: “O assédio é uma coisa comum, que acontece o tempo todo e sabemos disso, infelizmente. Mas ainda existe o medo que as mulheres sentem em denunciar quando existe esse tipo de situação, seja o seu chefe ou o colega de trabalho. Para que se possa conquistar mudanças é importante fazer uma denúncia contra o assédio e, sendo uma empresa com RH, o departamento deve acolher a funcionária e orientar que faça a denúncia e ainda deve trabalhar a conscientização interna da corporação. Já existem leis que amparam estas mulheres em situação de assédio, seja ele qual for – moral, sexual ou psicológico”, indica Ticyana. Sim, é preciso coragem, mas é preciso apoio e acolhimento para todas as mulheres que se sintam em situação de vulnerabilidade. E Ticyana se refere a LEI Nº 9.029, de 13 de abril de 1995,  onde o Artigo 1o diz: É proibida a adoção de qualquer prática discriminatória e limitativa para efeito de acesso à relação de trabalho, ou de sua manutenção, por motivo de sexo, origem, raça, cor, estado civil, situação familiar, deficiência, reabilitação profissional, idade, entre outros, ressalvadas, nesse caso, as hipóteses de proteção à criança e ao adolescente previstas no inciso XXXIII do art. 7o da Constituição Federal (Redação dada pela Lei nº 13.146, de 2015).

Saindo do mercado profissional formal e corporativo, um outro olhar de Petra Sabino, que atua como membro do Conselho Municipal da Mulher de Chapecó, em Santa Catarina: “Percebo que na agricultura familiar as discussões estão avançando e as mulheres estão se organizando, se ajudando e se unindo para resolver suas questões pessoais. Estão olhando mais para si”, enfatiza. Imagina uma mulher, agricultora no interior do Brasil como líder de fala? Sim, é possível. Por isso se faz tão importante o agrupamento de associações de federações, como a que a Petra é membro, para que o pensamento possa começar pela autoestima, passar pela independência emocional, para conseguir entender que outras mulheres também estão na mesma situação. Já na área da agricultura familiar de grandes grupos, o patriarcado já se rendeu às suas filhas, como gestoras e administradoras dos negócios da família. Sendo esse um pequeno, mas representativo ganho. Já para aquelas mulheres que nascem sabendo e são à frente do seu tempo, que carregam bandeiras, a luta já começa a ser ganha, mas precisa de mais adesão e apoio, até mesmo dos homens que já descobriram que ser um parceiro será mais fácil para todos, já que daqui por diante não vamos recuar, voltar para as fábricas sem saber qual seria a carga horária, nunca mais.

Nesse quesito, muito se tem perdido na pandemia, quando o mercado corporativo ainda não se adaptou para as questões do home office versus a carga horária de suas funcionárias, principalmente as que possuem filhos pequenos ou em idade escolar. E se o gestor, o gerente ou o chefe for do gênero masculino… bem, assim começamos tudo outra vez, lá para o topo desta página.

https://mulheresjornalistas.com/mulheres-e-assedio-coragem-para-denunciar-e-apoio/direitos-humanos/direitos-da-mulher/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s