Novos Sabores

Hoje parece outono, com um céu azul, um ventinho fresquinho e um solzão aquecendo o dia. Lembrei da “minha” Urca aos domingos, em cia da amiga Miriam, dos meus passeios na Lagoa com minha camela, das comidinhas que gostava de experimentar.

Esta semana comentei o motivo de cozinhar algo diferente aos domingo, já que trabalhando em casa, se na correria para produzir um almoço já é possível queimar algo, imagina testar um prado que pode ficar ruim e assim ficar sem ter o que comer. No domingo fica mais fácil para beliscar uma bobagem enquanto cozinha, abandonar o prato-tentativa se algo der errado e resolver a questão com um bom macarrão ao alho e olho.

Apendi a cozinhar muito jovem mas, antes disso, era ajudante da vovó e, dentre outros feitos, fazia a massa dos empadões de camarão que ela levava para as festas da família. Um tabuleiro imenso para eu cobrir quando ela dizia: pode parar de amassar que está pronta. E foi vovó quem me ensinou a cozinhar após eu casar, aos 20 anos. Pelo telefone dizia o que pretendia fazer e ela me dava as dicas de como fazer, como descobrir que já está bom, dentre outras dicas como: é preciso não estar tão afobada ou aborrecida, para que a comida não caia no chão ou no fogão, para não queimar e não fazer mal a quem come. Sem perceber vovó me ensinou que cozinhar é um ato de amor.

O aprendizado foi rápido e a produção em muitas quantidades, já que a minha casa era o point de todas as festinhas, encontros e demais comemorações familiares. Fiz isso por uns bons anos, mas parei de imediato após me separar do pai do Diego. Após duas décadas, um dia percebi que havia voltado a cozinhar com vontade e amor. Isso coincidiu quando já tinha mais tempo para experimentar novos sabores dentro e fora de mim.

Há um ano na casa dos Tios, nem sempre entro na cozinha para experimentações. Mas hoje resolvi fazer algo nunca feito: um hambúrguer de berinjela, com arroz de açafrão com tomate seco e muzzarela de búfala. Estava garantida com uma sobra de arroz integral na geladeira e alguns ovos, caso o paladar não agradasse a Tia. Assim, parti para os afazeres com a receita do hambúrguer, precisando de intuição para substituir o gengibre indicado, já que a Tia “detesta” gengibre na comida (mais gosta de bala de gengibre com mel, vai entender).

Como tudo que faço precisa de uma trilha sonora, liguei o celular no You Tube e segui na empreitada do certo-errado do almoço de domingo. Para arrematar, fiz um cookie de banana com aveia, mel e passas. Me fez relembrar de como podemos nos dedicar ao outro com tão pouco e com tanto amor. Usei uma mostarda em grãos em cima do hambúrguer e a Tia colocou azeite. Enquanto comíamos, falamos da vida, de planos e de como caberia mais um tempero aqui ou ali. Deu certo.

Ah, quiserem o tempo de preparo, posso dizer que o tempo do preparo foi o show Memórias, Crônicas e Declarações de Amor, da Marisa Monte – trilha perfeita.
https://www.youtube.com/watch?v=5wiBAFYf1nw

Texto em homenagem a minha amiga Ana Holanda, que criou o delicioso Minha Mãe Fazia, página no FB que, com afeto, mistura histórias e receitas de família.

 

Rio, 20 de novembro, 2016
Silvana Cardoso | Texto publicado no Facebook
Foto: Silvana Cardoso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s